Edit Template

Os franceses decidiram decidir…

Tal como para a primeira, o cenário estava definitivamente montado para a segunda volta que se concretizou no passado domingo em França. Todo o complexo da informação pública e das redes sociais, usurpando a fala e o pensamento da maioria dos franceses, já se tinha unanimemente “conformado” com uma “previsível e inevitável” vitória da extrema-direita.
O país estava já “preparado” para aquele desfecho, e Jordan Bardella falava já como alguém que, de acordo com os desejos de Marine Le Pen, depois de selada a aliança com uma considerável ala republicana do sistema e contando com o apoio de importantes interesses económicos, lograra finalmente apropriar-se das vestes de primeiro-ministro da pátria da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade.
Tentando explorar ao máximo as potencialidades específicas do sistema eleitoral francês, uma formação pluripartidária de esquerda denominada Nova Frente Popular, agrupando: França Insubmissa, Verdes, Partido Socialista e Partido Comunista, propôs-se desistir nos círculos onde os republicanos de Emanuel Macron estavam à sua frente, contra a União Nacional de Bardella, e desafiou Macron a desistir, por sua vez, para a Frente Popular nos círculos onde esta força estivesse à sua frente, igualmente contra a extrema-direita.
A Nova Frente Popular cumpriu integralmente com o que se comprometera e, apesar das reservas iniciais de Macron e a não desistência para a Frente Popular de alguns dos seus candidatos mais fracos, os franceses, fechando olhos e ouvidos às sondagens, aos demagogos e às certezas dos analistas, decidiram decidir, acorrendo em muito maior número às urnas e derrotando sem vacilar e de forma expressiva a extrema-direita. Mas não só: Além disso, decidiram também castigar os indecisos apoiantes de Macron e as suas políticas belicistas e de camaleão, dando a vitória eleitoral à Esquerda francesa da Nova Frente Popular.
De assinalar que a importante quebra da abstenção (apenas 33%), ao invés do que tem acontecido noutras circunstâncias (Portugal?), não serviu neste caso de grande proveito aos demagogos da extrema-direita…
Refeitos da surpresa (talvez não muito agradável) com a derrota dos arrivistas de Bardella e, em certa medida, também com a derrota dum sistema previamente ensaiado (onde pontificam tanto adeptos do neoliberalismo, como da extrema-direita), a informação pública e as redes sociais reorganizaram-se para, novamente em quase uníssono, considerarem agora que os franceses, para derrotarem a extrema-direita se enganaram ao votar numa nova ameaça, agora de “extrema-esquerda”, quando poderiam ter votado nos homens de Macron…
E porque se mostrou afinal tão ameaçadora, para esta gente, a esquerda vencedora?
Porque os quatro aliados puseram de lado certas diferenças e animosidades pessoais e acordaram entre todos: aumentar o salário mínimo nacional e os salários em geral; tabelar os preços dos alimentos essenciais, da eletricidade e dos combustíveis; revogara decisão de Macron do aumento da idade da reforma; investir na transição verde e nos serviços públicos. Contas feitas, tudo isto financiado, sem rombos no défice, por via da tributação dos superlucros, do grande património e do corte em certos benefícios fiscais.
“Ameaças” que poderão sê-lo, de facto, para alguns poucos (embora com muito), mas longe de ameaçarem, como se verificou, o juízo idóneo e o bom senso manifestados pela decisão dos franceses de domingo passado…

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores