Edit Template

16 Dias de Ativismo pelo fim da Violência Contra as Mulheres

Um olhar sobre a autoestima

O tema escolhido para assinalar os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres reforça a importância das mulheres olharem para e por si, refletindo sobre os seus recursos internos e como estes têm um forte impacto no seu dia-a-dia e empoderamento.
Cada pessoa tem uma ideia de si mesma. Esta perceção de si, fortemente influenciada pelas transformações sociais, vai-se construindo ao longo dos anos.
Durante a infância, a criança vê-se principalmente no olhar que lhe dirigem as pessoas que ela julga importantes na sua vida:pais, avós, professores, amigos, etc. serve-se de palavras que estas pessoas lhe dirigem e dos gestos que têm para consigo para se conhecer a si mesma.
Depois, a criança cresce e os amigos vão assumindo, a pouco e pouco, cada vez mais importância até se tornarem, na adolescência, o espelho no qual ele ou ela se revê (Duclos, G.; Laporte, D. & Ross, J., 2006).
A idade adulta não põe fim a este processo. Em certos dias, a opinião favorável dos outros tranquiliza-nos e confirma as impressões que temos de nós mesmos. Noutras alturas, quando esta opinião é desfavorável, faz-nos duvidar de nós. Assim, a autoestima é o valor que cada um atribui a si próprio nos diferentes aspetos da vida.
Cada pessoa constrói uma opinião de si mesma no plano físico (competências, imagem, aparência, resistência), no plano intelectual (capacidades, memória, raciocínio) e no plano social (capacidade para fazer amigos, carisma, simpatia).
Confunde-se muitas vezes autoestima e amor-próprio. É verdade que estes dois conceitos são muito próximos, até complementares. O amor-próprio, por exemplo, define-se como o sentimento da sua própria dignidade e do seu valor pessoal, refere-se ao brio pessoal. A autoestima e o amor-próprio são conceitos muito ligados, mas a diferença entre os dois reside na distinção que se pode fazer entre amar e estimar. Podemos reconhecer as qualidades e as competências de uma pessoa que observamos fora do nosso círculo imediato –um político, por exemplo – sem a amar enquanto pessoa. Ora, o inverso não é verdade: não se pode amar uma pessoa sem a estimar, isto é, sem lhe atribuir um valor pessoal e intrínseco. Por esta comparação entre amor-próprio e autoestima, damo-nos conta que uma pessoa não se pode amar a si mesma sem se estimar, isto é, sem atribuir a si mesma um valor pessoal (qualidades, formas de ser, identidade única).
A autoestima baseia-se, antes de mais, no sentimento da identidade pessoal. É preciso ter presente que uma boa autoestima não é sinónimo de afabilidade e de simpatia. Significa antes que se tem consciência das forças e das fraquezas, e que nos aceitamos a nós próprios, com tudo o que temos de mais pessoal, isto é, de mais precioso.
Ter uma boa autoestima significa afirmar-se, assumir as suas responsabilidades, saber corresponder às suas necessidades, ter objetivos. E isto necessita de uma integridade pessoal e de consideração pelos outros. A autoestima é, em primeiro lugar e antes de mais, ter confiança em si, naqueles que se ama e na vida!

Ana Rita Palma
Campanha 16 Dias pelo Fim da Violência contra as Mulheres 2023

Edit Template
Notícias Recentes
Governo activa regime de apoio á emergência climática
Alexandre Gaudêncio destaca importância do XX Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia
Câmara da Lagoa apresenta ópera “Suor Angelica”
Carreiras dos farmacêuticos no Parlamento
República financia captação de águana Praia da Vitória
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores