Edit Template

Sindicato denuncia que há cada vez mais famílias açorianas a pedir ajuda

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Comércio, Escritórios, Hotelaria e Turismo alertou que existem “cada vez mais” açorianos e famílias que pedem ajuda ou estão em situação de sem-abrigo, devido à actual situação económica.
“Mesmo para quem duvida das estatísticas, a realidade é indesmentível, são cada vez mais os açorianos a recorrer ao Banco Alimentar, à Cáritas e a outras instituições, a solicitar ajuda a familiares e amigos, a pedir esmola ou em situação de sem-abrigo”, afirma o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Alimentação, Bebidas e Similares, Comércio, Escritórios e Serviços, Hotelaria e Turismo, Transportes e Outros Serviços dos Açores (SITACEHTT/Açores).
Em comunicado de imprensa, o Sindicato manifesta estar “cada vez mais preocupado com a situação social e económica nos Açores”, nomeadamente com a situação das famílias, especialmente as mais desfavorecidas, com “graves situações de pobreza e de exclusão social”.
“A pobreza é evidente e a primeira forma de a combater passa por ter a humildade de a reconhecer”, defende o SITACEHTT.
“As famílias açorianas continuam a ser empurradas para situações de pobreza real, porque os rendimentos do trabalho dos membros do agregado familiar não são suficientes para garantir a sua subsistência”, aponta o Sindicato, alertando que os trabalhadores dos Açores têm “um custo de vida agravado pela insularidade” e um mercado de trabalho regional que assenta “essencialmente em trabalho precário e num modelo de baixos salários”.

Ter emprego
não é suficiente para
superar a pobreza

“Ter um emprego deixou de ser suficiente para afastar a pobreza”, lê-se no comunicado.
Segundo o SITACEHTT/Açores, “os baixos salários contrastam com os níveis de acumulação e centralização das grandes empresas”, assinalando, em concreto, a situação nos sectores da hotelaria e do comércio.
O Sindicato defende como um das reivindicações dos trabalhadores, junto do próximo Governo Regional, que sair das regionais antecipadas de 4 de Fevereiro, o aumento do valor do acréscimo regional ao salário mínimo nacional de 5%, para 10%, medidas a curto, médio e longo prazo que permitam “a conciliação da vida profissional, pessoal e familiar” dos trabalhadores açorianos.
O SITACEHTT compromete-se a lutar pela redução do período normal de trabalho máximo para as 35 horas semanais, para “todos os trabalhadores nos Açores, sem aumento da jornada diária e sem redução de retribuição”.

Edit Template
Notícias Recentes
Câmara de Ponta Delgada investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Padre açoriano ordenado no Canadá celebra missa nova nas Feteiras
Trabalhadores de terra da SATA decretam greve em Agosto e Setembro
“Tarifa Açores” mantém-se em 2024 e já beneficiou cerca de 1 milhão de passageiros
Oferta de casas para arrendar desceu 12% em Ponta Delgada no último ano
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores