Edit Template

Fundação Oceano Azul congratula os Açorespela defesa do Parque Marinho regional

A Fundação Oceano Azul congratulou ontem a Região Autónoma dos Açores pela recente aprovação, por parte Governo Regional, da proposta legislativa que prevê a revisão da legislação em vigor, datada de 2011, referente ao Parque Marinho dos Açores, e que irá contribuir para a protecção de 30% do Mar dos Açores, metade da qual com protecção total.
“Trata-se de uma indispensável medida que vai ao encontro da Estratégia Europeia para a Biodiversidade 2030 e dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, reforçando não só o compromisso dos açorianos na protecção do seu mar, como também de Portugal, dando resposta à emergência que a ciência reclama”, afirma aquela Fundação em nota enviada ao nosso jornal.
A revisão do Parque Marinho dos Açores que esta alteração legislativa propõe contempla Áreas Marinhas Protegidas oceânicas (entre as 6 e as 200 milhas de costa), que permitem salvaguardar 30% do mar dos Açores, com metade dessa área totalmente interdita a qualquer actividade extractiva.
A proposta de diploma, que terá de ser votada no Parlamento regional, após as eleições de 4 de Fevereiro, “será um instrumento fundamental na recuperação, valorização e conservação da biodiversidade marinha, a partir da qual se poderá criar uma verdadeira economia azul sustentável, propondo-se, igualmente, um enquadramento jurídico para a gestão desta Rede de Áreas Marinhas Protegidas dos Açores (RAMPA)”.
O processo que conduziu à proposta ora aprovada iniciou-se em 2019, ainda com o anterior Governo, através do Programa Blue Azores – uma parceria entre o Governo Regional dos Açores, a Fundação Oceano Azul e o Waitt Institute, com base no melhor conhecimento científico disponível, e em estreita ligação com os utilizadores do mar – tendo sido organizadas, desde Dezembro de 2021, mais de 40 reuniões de suporte a um processo participativo, que conduziu à co-criação da nova RAMPA, recorda a Fundação.
E acrescenta: “Os Açores tornam-se, cada vez mais, um exemplo de liderança nacional e internacional, no que respeita à gestão e protecção do oceano, e à implementação das políticas de conservação definidas pela comunidade internacional, como sejam a Estratégia Europeia para a Biodiversidade 2030 e o Quadro de Biodiversidade de Kunming Montreal da ONU, aprovado no final de 2022, a par da Estratégia Nacional para o Mar 2021-2030”.
Com a aprovação desta legislação, em 2024, por parte da Assembleia Legislativa da Região, irá ser implementada a estratégia de gestão e definidos os meios e recursos associados à protecção marinha, bem como uma reestruturação do sector das pescas, incluindo medidas de compensação e de valorização da atividade económica.
Quanto às Áreas Marinhas Protegidas costeiras, prevê-se serem revistas, também em 2024, através de um processo participativo costeiro que se iniciou em janeiro de 2023, também com o Programa Blue Azores.

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores