Edit Template

BE propõe debates frente-a-frente entre os líderes das candidaturas às eleições regionais

O Bloco de Esquerda defende a realização de debates frente-a-frente entre os líderes das candidaturas que concorrem às eleições regionais.“Esta será a melhor forma de esclarecer os açorianos e as açorianas sobre as ideias e os projectos de cada candidatura para o futuro dos Açores, enquanto Região”, lê-se numa nota daquele partido distribuída ontem.O Bloco de Esquerda considera que os debates com os candidatos dos círculos de ilha “são muito importantes, porque têm uma componente de proximidade à realidade local dos eleitores, mas só os debates que colocam frente-a-frente os líderes das várias candidaturas permite uma visão global sobre as políticas que cada candidatura defende em áreas como a Saúde, a Educação, os Transportes, o Ambiente, as Finanças, a Agricultura, o Mar, a Ciência, as Pescas, ou o Emprego, por exemplo, que são transversais a todas as ilhas, e que não são abordadas com profundidade nos debates de ilha”.O Bloco de Esquerda espera “que as restantes candidaturas às próximas eleições regionais, que se realizam no dia 4 de Fevereiro, manifestem também interesse na realização destes debates entre líderes, para que a campanha eleitoral seja o mais transparente e esclarecedora possível”.O Bloco de Esquerda  diz reconhecer as dificuldades técnicas e logísticas que a realização destes debates representa para a RTP-Açores, “mas acredita que, no cumprimento da sua missão de serviço público, e enquanto instrumento fundamental da coesão regional, a estação pública de rádio e televisão estará disponível para acolher estes debates que são do maior interesse para a população dos Açores”.Visita ao HDESO líder do BE/Açores, António Lima, afirmou ter a certeza de que nenhuma Administração do Hospital de Ponta Delgada despedirá os trabalhadores precários gerados pela Covid-19 até que haja novo Governo. Segundo António Lima, aquele hospital tem “mais de 300 trabalhadores com contratos extremamente instáveis, os chamados contratos Covid-19, que o Governo Regional criou e aumentou exponencialmente”.O dirigente do Bloco de Esquerda nos Açores falava aos jornalistas após uma reunião com o Conselho de Administração do Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada.O bloquista recordou que, em 2022, foi apresentada no Parlamento dos Açores uma proposta do BE com vista à integração dos 300 trabalhadores Covid-19, tendo “a maioria [que suporta o Executivo açoriano] afirmado que esta era uma medida populista e chumbado” a proposta. “Passado um ano, veio o Governo Regional apresentar a mesma proposta, quando num só ano aumentou em mais de 200 os trabalhadores precários no Serviço Regional de Saúde. Eram cerca de 300, passaram para mais de 500”, afirmou o dirigente do BE.

Edit Template
Notícias Recentes
Governo activa regime de apoio á emergência climática
Alexandre Gaudêncio destaca importância do XX Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia
Câmara da Lagoa apresenta ópera “Suor Angelica”
Carreiras dos farmacêuticos no Parlamento
República financia captação de águana Praia da Vitória
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores