Edit Template

Avaliação bancária da habitação diminuiu para 1.530 por metro quadrado em Novembro

O valor mediano de avaliação bancária na habitação foi 1.530 euros por metro quadrado em Novembro de 2023, menos 6 euros que o observado no mês precedente. Em termos homólogos, a taxa de variação fixou-se em 5,6% (8,2% em outubro). Refira-se que o número de avaliações bancárias foi cerca de 29,3 mil, o que representa uma subida de 8,9% face ao período anterior e um aumento de 14,5% em termos homólogos.

Habitação

Em Novembro de 2023, o valor mediano de avaliação bancária, realizada no âmbito de pedidos de crédito para a aquisição de habitação, fixou-se em 1.530 euros por metro quadrado (euros/m2), tendo diminuído 6 euros (-0,4%) face a outubro.
O Alentejo apresentou o aumento mais expressivo face ao mês anterior (0,8%) e o Algarve a maior descida (-2,1%).
Em comparação com novembro de 2022, o valor mediano das avaliações cresceu 5,6%, observando-se a variação mais intensa na Região Autónoma da Madeira (17,0%) e a menor no Algarve (2,8%).

Apartamentos

No mês em análise, o valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1.696 euros/m2, tendo aumentado 5,3% relativamente a novembro de 2022. Os valores mais elevados foram observados no Algarve (2 065 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (2 021 euros/m2), tendo o Centro registado o valor mais baixo (1 164 euros/m2). A Região Autónoma da Madeira apresentou o crescimento homólogo mais expressivo (20,2%) e a Região Autónoma dos Açores a única descida face ao mesmo período do ano anterior (-1,5%).
Comparativamente com o mês de Outubro, o valor de avaliação desceu 0,3%, registando o Alentejo a maior subida (2,9%) e a Região Autónoma dos Açores a maior descida (-3,9%). O valor mediano da avaliação para apartamentos T2 subiu 12 euros, para 1.737 euros/m2, tendo os T3 descido 13 euros, para 1.505 euros/m2. No seu conjunto, estas tipologias representaram 80,0% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise.

Moradias

O valor mediano da avaliação bancária das moradias foi de 1.199 euros/m2 em Novembro de 2023, o que representa um acréscimo de 4,4% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Os valores mais elevados observaram-se no Algarve (2.066 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (2.025 euros/m2), tendo o Centro e o Alentejo registado os valores mais baixos (984 euros/m2 e 1.007 euros/m2, respectivamente). A Região Autónoma dos Açores apresentou o maior crescimento homólogo (14,0%), tendo-se registado uma única redução, no Algarve.
Comparativamente com o mês anterior, o valor de avaliação desceu 0,1%. O Norte apresentou o crescimento mais elevado (1,4%), ocorrendo a descida mais acentuada no Algarve (-3,0%). O valor mediano das moradias T2 manteve-se em 1 150 euros/m2, tendo as tipologias T3 subido 10 euros para 1.187 euros/m2, e as T4 descido 36 euros, para 1 242 euros/m2. No seu conjunto, estas tipologias representaram 89,6% das avaliações de moradias realizadas no período em análise.
De acordo com o Índice do valor mediano de avaliação bancária, em Novembro de 2023, o Algarve, a Área Metropolitana de Lisboa, a Região Autónoma da Madeira e o Alentejo Litoral apresentaram valores de avaliação 35,0%, 32,2%, 11,9% e 11,3%, respectivamente, superiores à mediana do país. Beiras e Serra da Estrela, Alto
Tâmega e Alto Alentejo foram as regiões que apresentaram valores mais baixos em relação à mediana do país (-48,4%, -48,3% e -48,0% respetivamente).
Para o apuramento do valor mediano de avaliação bancária de Novembro de 2023, foram consideradas 29.251 avaliações (19 032 apartamentos e 10 219 moradias), mais 14,5% que no mesmo período de 2022. Em comparação com o período anterior, realizaram-se mais 2.387 avaliações bancárias, o que corresponde a um acréscimo de 8,9%.

Renda de novos contratos cresceu em média 10,5% e 18 dos 24 municípios mais populosos registaram crescimentos superiores ao do país

No 3º trimestre de 2023 (dados provisórios) a renda mediana dos 23. 717 novos contratos de arrendamento em Portugal atingiu 7,25 euros/m2.
Este valor representa um crescimento homólogo de +10,5%, embora seja inferior à variação homóloga registada no 2º trimestre de 2023 (+11,0%). Relativamente ao trimestre anterior, a renda mediana do 3º trimestre de 2023 diminuiu ligeiramente (-0,3%).
No 3º trimestre de 2023 (resultados provisórios), a renda mediana aumentou, face ao trimestre anterior, em 13 das 25 sub-regiões NUTS III, destacando-se as sub-regiões Alentejo Litoral (+12,7%), Alentejo Central (+12,1%), Baixo Alentejo (+11,6%) e Cávado (+11,3%).
A renda mediana também cresceu nas áreas metropolitanas do Porto (+4,4%) e de Lisboa (+3,4%). Por outro lado, os maiores decréscimosforam registados nassub-regiões Terras de Trás-os-Montes(-11,4%) e Alto Alentejo (-10,2%).
O valor das rendas situou-se acima do valor nacional nas sub-regiões Área Metropolitana de Lisboa (11,40 euros/m2), Região Autónoma da Madeira (8,79 euros/m2), Área Metropolitana do Porto (8,22 euros/m2), Algarve (8,03 euros/m2) e Alentejo Litoral (7,47 euros/m2). Tal como em anteriores trimestres, Terras de Trás-os-Montes (2,64 euros/m2) registou a menor renda mediana por m2 de novos contratos de arrendamento.

Açores destaca-se
com crescimento de +25,9%

Face ao período homólogo, no 3º trimestre de 2023, a renda mediana aumentou em todas as sub-regiões NUTS III, com excepção do Alto Alentejo (-9,3%) e do Alto Tâmega (-2,2%). Destacaram-se, com crescimentos superiores a 15%, a Região Autónoma dos Açores (+25,9%), o Cávado (+18,0%), Alto Minho (+17,2%), o Tâmega e Sousa (+17,1%), a Região Autónoma da Madeira (+16,4%), o Alentejo Central (+15,4%) e o Alentejo Litoral (+15,3%).
No 3º trimestre de 2023, quatro das cinco sub-regiões com valores medianos de rendas superiores ao nacional registaram também taxas de variação homóloga superiores à observada para o conjunto do país – Área Metropolitana de Lisboa (11,40 euros/m2; +12,5%), Região Autónoma da Madeira (8,79 euros/m2; +16,4%), Área Metropolitana do Porto (8,22 euros/m2; +12,4%) e Alentejo Litoral (7,47 euros/m2; +15,3%). A exceção foi a sub-região do Algarve (8,03 euros/m2; +7,4%).

Resultados trimestrais nos Municípios com mais de 100 mil habitantes

No 3º trimestre de 2023, a renda mediana por m2 de novos contratos de arrendamento aumentou nos 24 municípios com mais de 100 mil habitantes. Deste conjunto, destacaram-se com crescimentos homólogos superiores a 20%, os municípios de Setúbal (+23,1%) e de Lisboa (+20,9%).
No 3º trimestre de 2023, todos os municípios com mais de 100 mil habitantes das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, registaram rendas medianas iguais ou superiores à nacional (7,25 euros/m2), com exceção de Santa Maria da Feira (5,28 euros/m2). Desse conjunto de municípios, apenas Sintra (+10,3%), Maia (+9,9%) e Seixal (+7,9%) apresentaram taxas de variação homóloga inferiores à referência nacional (+10,5%), tendo os valores mais elevados sido registados em Setúbal e Lisboa.
Os municípios do Funchal (10,06 euros/m2 e +17,2%) e de Braga (7,26 euros/m2 e +14,0%) também apresentaram rendas medianas e variações homólogas superiores às nacionais.

Edit Template
Notícias Recentes
Governo activa regime de apoio á emergência climática
Alexandre Gaudêncio destaca importância do XX Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia
Câmara da Lagoa apresenta ópera “Suor Angelica”
Carreiras dos farmacêuticos no Parlamento
República financia captação de águana Praia da Vitória
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores