Edit Template

Alguém pode acreditar?

“Política séria!”
É este o slogan de alguém que andou pelo PSD, passou a dirigente do Chega (como quase todas figuras de proa deste partido, a começar pelo seu fundador e líder eterno) e foi eleito à condição de deputado, condição essa que o obrigou a desmentir o tanto mal que ele e os seus colegas de partido diziam deles antes, agarrando-se ao lugar e tornando-se independente, para acabar candidatando-se por uma diferente força política, importada da Madeira…
Alguém pode acreditar na seriedade da política, em tal contexto?
Tal como aqueles que bradam contra a corrupção e exigem limpezas a torto e a direito, usando essa isca para arranjar votos, mesmo que fique tudo no ar e ninguém saiba a que corrupções e limpezas específicas se referem, mas que, em concreto, preferem desviar as atenções dos mais distraídos ou dos descontentes para insultar qualquer desgraçado ou desgraçada a quem o erário público paga “para não trabalhar” e usufruir do rendimento mínimo (RSI)…
Alguém pode acreditar na seriedade política em tal contexto?
Ou como aqueles que durante três anos, falando mal deles e ameaçando rasgar acordos, viabilizaram a política do governo PSD/CDS/PPM e seguraram-nos no poder regional, para no quarto ano, já com o historial político negativo da coligação governamental das direitas cumprido, se afastarem do barco para não serem eleitoralmente contaminados pelos malefícios que ajudaram a causar…
Alguém pode acreditar na seriedade política em tal contexto?
E também como aqueles que com falsa humildade perante os eleitores tentam desinfetar as suas pústulas políticas identificadas pelo Tribunal de Contas como foi o caso das nomeações e substituições políticas abusivas de quase uma centena de dirigentes em muitas Secretarias Regionais, ou condenadas pela Comissão Nacional de Eleições, e enviadas para o Ministério Público como suspeita de crime, como foi o caso da violação dos deveres de imparcialidade e neutralidade com as suas publicações eleitoralistas nas redes sociais do governo regional já em período pré-eleitoral, com eleições regionais já marcadas para 4 de fevereiro… E isto para não falar na vontade publicamente expressa por José Manuel Bolieiro de continuar a fazer (como está a fazer) uma discricionária e igualmente abusiva campanha eleitoral à custa das estruturas e funções governativas oficiais da Região…
Alguém pode acreditar na seriedade política em tal contexto?
E finalmente como aqueles que apresentaram, com razão comprovada, 10 queixas à Comissão Nacional de Eleições, tendo como alvo o governo PSD/CDS/PPM, por quebrar as regras da imparcialidade e neutralidade a que está obrigado em pré-campanha, mas depois manipulam entidades independentes por dever estatutário como por exemplo Cooperativas Agrícolas, para convocarem para a sua sede os respetivos associados para ações de campanha eleitoral do partido de Vasco Cordeiro.
Alguém pode acreditar na seriedade política em tal contexto?

Mário Abrantes

Edit Template
Notícias Recentes
Clélio Meneses, ex-Secretário Regional da Saúde e Desporto “Um dos grandes desafios da governação será a consensualização, o diálogo, a capacidade de ouvir, envolver e decidir”
Oferta de quartos para arrendar e preços disparam em Ponta Delgada
Taxa de inflação nos Açores a baixo do nível da Zona Euro
Bruno Schiappa está de volta ao Teatro Micaelense com o “Método”
Livro de José Andrade “Conversas da Diáspora” lançado amanhã em Ponta Delgada
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores