Edit Template

Os detalhes que fazem a diferença

Quando falo da Sata, sinto que estou a falar de família. Sou do tempo do Ponta Delgada e do Carvalho Araújo, de doze horas de enjoo entre as Flores e o Faial para, ainda com a cabeça “mareada”, ficar cativa no colégio de Santo António por mais um período letivo.
No dia em que entrei num avião pela primeira vez, tive a certeza que nem o euro milhões me faria ser dona de um iate. Nunca. O avião é o meu meio de transporte. O batismo de vôo foi um avião militar bastante usado, mas conduzido pela perícia dos militares da Base das Lajes que sabem tudo sobre intempéries, evacuações e operações de emergência.
A Sata foi a experiência seguinte e, como já referi, passou a fazer parte da família. Os comandantes passaram a estar á mesa nas histórias de turbulência ou aterragens arrebatadoras, as assistentes de bordo amigas do coração no tempo em que seguravam a minha mão suada de terror.
Hoje em dia, a confiança é rotina. Completamente tranquila, o voo é uma fuga ás rotinas da ilha quando o inverno nos deixa claramente em modo solidão.
Estou neste momento dentro de um avião da Sata em voo para Lisboa. Escrevo no telemóvel para estar ainda sob a impressão que me provocou hoje a caixinha linda que é oferecida com um snack, a bordo da nossa companhia. Não é a primeira vez que tenho esta sensação, mas senti que devia partilhar os meus pensamentos que podem coincidir com reflexões de outros passageiros.
A caixinha de hoje era da Terceira. Bonita e colorida, acredito que seja uma surpresa muito agradável para quem visita a região pela primeira vez.
Quando a abrimos, muda tudo. Há um bolo levedo frio, muito frio e muito duro com uma fatia de fiambre e outra de queijo sem sabor. Para piorar o cenário, o dito bolo levedo vem num saquinho de papel que diz “ desfrute de um pedacinho de sabor dos Açores “.
Não gosto da frase porque o conteúdo não corresponde á promessa.
Não é uma critica barata. Em muitas companhias aéreas, já não se serve nenhum snack. Os passageiros podem comprar algo para comer ou beber produtos sugeridos pela companhia. É justo. Come quem quer, quem não quer comprar, pode levar farnel que ninguém implica.
Ao que parece, a Sata luta com problemas económicos. Podia ser mais fácil ter uma oferta de produtos regionais para venda a bordo. Mas produtos certificados com a marca Açores, daqueles que efetivamente mostram o que são os Açores.
Mas se queremos continuar a fazer de ricos, temos que mudar o menu. O bolo levedo tem que ser fresco e macio como o conhecemos. Não é fácil, eu sei.
A bordo da Sata veria com bons olhos uma sandes de massa sovada com carne assada á memória das festas do Espírito Santo que são a nossa nota identitária. Acompanhada com laranjada ou kima de maracujá.
Mas quem diz isto, diz muito mais: uma sandes de atum de Santa Catarina em pão caseiro, ananás aos bocadinhos, sei lá. Há um sem fim de possibilidades interessantes.
Era só uma coisinha diferente. E podiam manter a caixinha que é, realmente, linda.
Às vezes, não é preciso grande coisa para fazer a diferença. Para mim, seria como sair outra vez do Ponta Delgada para entrar na Sata.
Vamos aterrar. É sempre bom aterrar. E até fevereiro vai ser sempre bom aterrar uma vez ou outra. Com mais serviço público de qualidade. Com maior preocupação com os detalhes que fazem a diferença.

Gabriela Silva

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores