Edit Template

PAN quer melhores condições para os professores

O PAN/Açores reuniu terça-feira com o Sindicato Democrático dos Professores nos Açores para debater “questões prementes que afectam a classe na Região, definindo como bandeiras prioritárias os incentivos à fixação de docentes na Região, o aprofundamento do estatuto da carreira docente e o combate à precariedade laboral”, segundo nota do partido.
Durante o encontro, o partido teve a oportunidade de inteirar-se das dificuldades sentidas atualmente pela classe, sendo que algumas assolam a profissão há sucessivos anos.
“A desvalorização da profissão e salários precários para fazer face à inflação, estão na base da escassez de professores na Região. Esta é uma realidade cada vez mais vivida nas escolas dos Açores, com maior expressão nas ilhas de maior densidade populacional, como é o caso de São Miguel e da Terceira”, acrescenta.
“A educação configura um elevador social essencial para combater a pobreza cíclica em que um largo espectro da sociedade açoriana vive. Logo, investir na educação, sobretudo nos seus profissionais motivando-os para o sucesso, é determinante para que a Região abandone os últimos lugares dos rankings escolares”, sublinha o PAN.
“A educação é um sector de acção prioritário para o PAN/Açores visto condicionar toda a organização social, devendo maximizar-se o seu potencial como forma de colmatar diversas lacunas da Região. Pelo que, a Região deve ter um pacote financeiro ajustado às necessidades da população docente e não docente, respondendo aos desafios apresentados, especialmente quando os Açores disputam com a Madeira e Portugal continental a atração destes profissionais”, acrescenta o PAN.
No decurso da legislatura passada o PAN/Açores recorda que propôs a inclusão de incentivos pecuniários e não pecuniários no diploma do estatuto do docente – acabando por ser chumbado. Esta medida pretendia incentivar a fixação de docentes nos Açores.
“Todavia, o partido continua a defender esta medida, bem como a criação de uma remuneração complementar para a classe independentemente da ilha onde leccionam”, afirma.
“Simultaneamente, é urgente rever métodos de trabalho que não mais se coadunam com os tempos actuais, desburocratizando-os e trazendo a transição digital para o sector da Educação, através da criação de uma plataforma online que reúna toda a informação necessária e que esteja ao dispor da comunidade escolar e da sociedade”, adianta.
“Todos os anos, mais de mil professores vivem na incerteza do que será o seu futuro profissional e familiar. É urgente atribuir reais incentivos a estes profissionais para se fixarem nos Açores, incluindo dar-lhes a possibilidade de fazerem esta transição juntamente com a família, trazendo-lhes estabilidade ao seio familiar”, afirmou o porta-voz e deputado do PAN/Açores, Pedro Neves.

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores