Edit Template

IPMA vai instalar este ano novos radaresem São Miguel e Flores

A Rede Nacional de Radares Meteorológicos será completada, durante o ano de 2024, com novos radares em São Miguel (Pico Santos de Cima) e nas Flores (Morro Alto), dotados de tecnologia de polarização dupla.
Segundo o presidente do IPMA, Miguel Miranda, os “radares não se destinam a observar os Açores, mas sim o Atlântico, pelo que a centralidade dos Açores na área científica vai ter aqui uma expressão óbvia”.
Já em Maio, após a consignação de dois radares meteorológicos para a região, o ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, tinha anunciado a instalação em São Miguel e nas Flores, além de considerar que um dos objetivo passa por “converter os Açores numa grande plataforma de investigação do oceano e da atmosfera”.
Entretanto, novos radares meteorológicos em Coruche (Cruz do Leão) e Loulé, explorados pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), foram inaugurados quarta-feira.
Correspondem a um investimento global de cerca de 2,8 milhões de euros financiados pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e integram uma rede de cinco radares meteorológicos (Arouca, Coruche, Loulé, Porto Santo e ilha Terceira).
“Os novos radares oferecem vantagens para vários setores socioeconómicos, nomeadamente os que se desenvolvem em ambientes costeiro e marítimo, e dotam o país de tecnologia que permite uma melhor discriminação entre os diversos tipos de partículas atmosféricas, melhor distinguindo entre chuva, neve, granizo e outros fenómenos, de particular importância para a previsão de condições meteorológicas no mar”, explica o IPMA em comunicado.
O Instituto Português do Mar e da Atmosfera realça ainda que o “início de operação destes radares integra a transição da polarização simples para polarização dupla, processo em fase avançada na União Europeia, e permite a Portugal figurar na linha da frente da monitorização e previsão meteorológica, ampliando a sua capacidade para entender e prever padrões e alterações climáticas e outros fenómenos meteorológicos”.
“Com estes radares pode-se agora, de forma mais precisa, monitorizar a intensidade e a movimentação de sistemas de precipitação, como chuvas intensas, o que oferece maior capacidade de prever inundações costeiras, detetar mudanças na pressão atmosférica e outras condições extremas que podem indicar a formação de tsunamis, ampliando a capacidade de alerta para comunidades costeiras e embarcações em alto-mar, mitigando riscos materiais e ambientais e melhor salvaguardando pessoas e bens“, conclui o IPMA. No âmbito do mesmo projeto e como complemento aos novos radares, também foram instaladas duas estações meteorológicas, dois detetores de raios em Viana do Castelo (Chafé) e Olhão (RNPRF), e um novo sistema de processamento de dados de raios (TLP), na sede do IPMA.

Edit Template
Notícias Recentes
Governo activa regime de apoio á emergência climática
Alexandre Gaudêncio destaca importância do XX Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia
Câmara da Lagoa apresenta ópera “Suor Angelica”
Carreiras dos farmacêuticos no Parlamento
República financia captação de águana Praia da Vitória
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores