Edit Template

Vasco Cordeiro afirma que um Governo PS não vai retirar os apoios sociais aos idosos nem à função pública

“O próximo Governo Regional do PS não vai cortar os apoios sociais aos idosos, não vai diminuir o cheque pequenino, não vai retirar apoios aos funcionários públicos da nossa Região, nem ao sector privado. Não retirará apoios aos idosos nem aos jovens. Com o próximo Governo Regional do Partido Socialista, ninguém perderá aquilo a que tem direito” – esta foi a garantia deixada por Vasco Cordeiro, na apresentação de candidatos do PS pela ilha Graciosa às eleições Regionais do próximo dia 4 de fevereiro.
O candidato do PS a Presidente do Governo Regional referia-se aquilo que tem sido veiculado insistentemente pelos partidos da Coligação (PSD/CDS/PPM) de que o próximo Governo Regional do PS, alegadamente, vai “cortar apoios sociais aos idosos, que vai diminuir o cheque pequenino, retirar direitos aos funcionários públicos da nossa Região e até cortar apoios ao sector privado”.
“É importante que isso fique claro e esclarecido. Ninguém perderá aquilo a que tem direito”, reforçou.
Vasco Cordeiro afirmou querer recuperar o tempo perdido para a Graciosa e recordou que a obra da aerogare foi “projetada e planeada pelos governos do PS”, assim como a “obra da ampliação do Lar da Praia”, que apenas sofreu “algumas alterações”.
“O mesmo se passa com o caso da Marina da Barra, que foi um investimento também planeado e executado em grande medida por governos do PS ou da variante, cujo projecto e financiamento foram também assegurados pelos governos do PS”, vincou o Presidente do PS/Açores.
Para o socialista, o que se passa com o hotel Graciosa é uma “situação absolutamente inadmissível”, porque esta ilha corre o risco de, em 2024, “pura e simplesmente não ter uma unidade hoteleira para acolher aqueles que a querem visitar e isso é responsabilidade da indecisão deste Governo”.
Vasco Cordeiro realçou que a ausência de investimento público está a “deixar a Graciosa e os Açores para trás”, criticando o Governo da Coligação por “desperdiçar oportunidades”, designadamente fundos comunitários que, pela primeira vez, “corremos o risco de ter que devolver dinheiro a Bruxelas, porque este Governo Regional dos Açores não é capaz de os executar”.
Vasco Cordeiro lembrou que o facto de estarmos em eleições antecipadas nos Açores é o “mais cruel atestado da incapacidade dos partidos da Coligação PSD/CDS/PPM para governar a Região”, salientando que o único objectivo que moveu esses partidos, com o apoio da IL e do Chega em 2020, foi “o de afastar o PS do Governo” e “não um projecto de desenvolvimento para as nossas ilhas”. “Em três anos, o resultado de termos partidos políticos na nossa Região que se regem por uma razão negativa, está à vista de todos. Os Açores estão a ficar para trás, porque durante os governos regionais do PS foi feito um trajecto constante de melhoria de indicadores como a pobreza, o risco de exclusão ou as desigualdades sociais, deixando os Açores de ser a região mais pobre e mais desigual do país, mas agora regressaram a este triste pódio”, sublinhou. Vasco Cordeiro considerou “essencial” recuperar a confiança num governo, numa Região que seja “capaz de aproveitar ao máximo os fundos comunitários que tem à sua disposição”, salientando que, no próximo dia 4 de Fevereiro, “é isto também que está em causa”, porque “precisamos de retomar um caminho de progresso e de desenvolvimento, com um sentido estratégico de melhoria das condições de vida dos açorianos, de recuperar tudo aquilo que durante estes três anos ficou para trás”.

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores