Edit Template

Politicamente (in)Correto

Quando Séneca instituiu as suas dez regras de conduta para a atividade política (e para o comportamento dos políticos), muitos – a começar pelos seus companheiros do Senado – pensaram tratar-se de um pensamento louco e impraticável na política romana.
Afinal, tratava-se, tão-só, do estabelecimento de princípios de comportamento ético de indiscutível acuidade e que, na realidade, acabaram por formatar a chamada “política moderna romana”.
Estamos, nos Açores, a atravessar um período perigoso. A duas semanas de um ato eleitoral de suprema importância para a legitimação e confirmação de ideias e projetos políticos distintos, e da definição de um quadro que pode, por si só, garantir ou não a governabilidade da região, o tempo de Séneca volta a impor-se: a dignidade, a ética, o discurso fluido mas não manipulador, a capacidade de convencer pela validade dos argumentos e não pela eloquência da retórica.
Durante a semana, foram produzidas duas verdadeiras pérolas discursivas que definem o que de menos bom se pode fazer perante o eleitorado. Vasco Cordeiro, no Faial, e Andreia Cardoso, na Terceira, corporizaram o discurso já escutado, repetitivo, feito de “soundbites” que outrora podem ter sido decisivos mas que, agora, roçam o desperdício de verbo. Ademais, porque a argumentação gasta de atacar os últimos três anos limpando os vinte anteriores, e a incapacidade de projetar verdadeiramente o futuro sem ser através de um modelo mimetizado de repetição de frases feitas e de ataques cruzados já não colhe diante de vota.
Os políticos (sobretudo aqueles que fazem da política profissão, totalmente ao contrário do espírito que a deve nortear e dos princípios de missão que lhe estão subjacentes, sempre de passagem e nunca de permanência) talvez ainda não tenham compreendido cabalmente o que o eleitor lhes pede: novidades, ideias disruptivas, verdadeiras soluções no espaço e no tempo devidos, e não apenas em sede de campanha eleitoral.
Os muito tristes espetáculos dados por uma boa parte dos deputados à Assembleia Legislativa Regional, na maioria das sessões plenárias (e oriundos de todas as bancadas, sublinhe-se), demonstram bem a falência de ideias, a necessidade do debate cru e, muitas vezes, de encontrar à tarde argumentações para contradizer o que o outro lado, de manhã, propôs e que até se aproximava da “nossa” posição. As dinâmicas são repetidas e, infelizmente, os protagonistas são quase sempre os mesmos, diluindo, na análise geral, o mérito (que o há e que o têm) de alguns dos mandatados pelo povo açoriano para o representar no hemiciclo da Horta.
E surge, agora, uma nova (e muito perigosa!) variável nesta equação: a capacidade de penetração e influência das redes sociais. Esgrimem-se argumentos falsos, aproveita-se a facilidade de propagação (estudada quase ao pormenor) de notícias não verídicas ou, pelo menos, de credibilidade muito duvidosa e – ainda muito pior… – ataca-se a fundo a dignidade pessoal de muitos dos protagonistas. Tudo ao abrigo do anonimato ou dos perfis falsos, e sob a proteção de “grupos” privados nas redes (um deles, assumida parte integrante de estratégias facciosas e utilizador indevido de um espaço público e, portanto, sujeito a regras supostamente bem definidas, pelo menos do ponto de vista ético).
Resumindo: um execrável comportamento, bem ao nível dos seus presumíveis autores e da cobardia garantida por um teclado de computador, sem nome e sem face.
Séneca, como bem sabem os que estudaram ciência política, suicidou-se junto à esposa, por considerar indigna e injusta uma condenação (também à morte) por parte do imperador Nero. Um desfecho previsível para quem fez da ética a sua conduta e de um dos seus tratados (“Consolos”), um manual social de conhecimento e de comportamento.
Admitamos que desejar um novo Séneca é pedir muito.
Mas regular por alguns dos seus ensinamentos a vida política açoriana nas próximas duas semanas talvez fosse um bom princípio.
E o eleitor – que jamais será parvo… – certamente agradeceria.

Rui Almeida*

*Jornalista

Edit Template
Notícias Recentes
Câmara de Ponta Delgada investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Padre açoriano ordenado no Canadá celebra missa nova nas Feteiras
Trabalhadores de terra da SATA decretam greve em Agosto e Setembro
“Tarifa Açores” mantém-se em 2024 e já beneficiou cerca de 1 milhão de passageiros
Oferta de casas para arrendar desceu 12% em Ponta Delgada no último ano
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores