Edit Template

Muitas famílias com a corda ao pescoço: Prestação média da casa disparou 35% no ano passado

A subida das taxas de juro continuou a pressionar as famílias com crédito da casa no ano passado, conforme o “Diário dos Açores” tem vindo a denunciar, com muitos bancos a recusarem renegociar os contratos.
A prestação média do empréstimo à habitação disparou 35% em 2023, aumentando pelo terceiro ano consecutivo, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
Em termos concretos, a prestação média da casa aumentou 93 euros para 362 euros, o valor mais elevado desde, pelo menos, 2011.
Em dois anos, que corresponde ao período em que o Banco Central Europeu (BCE) subiu as taxas directoras para controlar a escalada da inflação, acumula um aumento de 125 euros — em 2021, a prestação média era de “apenas” 237 euros. Entre julho de 2022 e setembro de 2023, o BCE aumentou as taxas em 450 pontos base, uma trajectória de subida que foi interrompida nas últimas duas reuniões — a próxima reunião do conselho de governadores acontece na próxima semana (dia 25) e não deverá mexer nos juros.
Ainda assim, o aperto monetário que o banco central empreendeu nos últimos dois anos impulsionou as chamadas taxas Euribor, que são usadas como indexante nos contratos com taxa variável, para os valores mais elevados desde 2009, traduzindo-se num aumento do custo do crédito da casa.

Maior impacto em Portugal

Portugal foi um dos países que sentiu maior impacto da subida dos juros do BCE, dada a circunstância de mais de 90% dos contratos terem um regime de taxa variável.
Isso mesmo refletem os dados do INE: a taxa de juro média implícita no crédito à habitação atingiu os 3,612% em 2023, disparando em relação ao ano anterior em que a taxa média se situou nos 1,084%.
A boa notícia no meio de todo este problema que se arrasta nos últimos anos, é que há a expectativa de que a prestação da casa comece a descer a partir de agora.
As Euribor já atingiram o pico e estão em rota descendente, com os mercados a anteciparem que o BCE vai começar a baixar as taxas este ano. Na passada semana a presidente Christine Lagarde revelou que o alívio nas taxas de juro poderá iniciar-se no Verão.
Já há sinais de algum alívio na prestação: nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro desceu pela segunda vez consecutiva, passando de 4,366% em Novembro para 4,342% em Dezembro.

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores