Edit Template

Ponta Delgada celebrou o seu patrono

O Padre Marco Sérgio Tavares presidiu à festa de São Sebastião, um dos dois patronos da cidade de Ponta Delgada, com Santo André
A Igreja Matriz de Ponta Delgada celebrou domingo a festa de São Sebastião, padroeiro da cidade. Na homilia da Missa da festa, o ouvidor, padre Marco Sérgio Tavares desafiou os cristãos a “encher a cidade” com o “perfume da liberdade”.
“Tenhamos confiança, aprendamos a rezar, levantemo-nos e vamos como São Sebastião encher a nossa cidade do perfume de oração, de unção, de comunhão e compaixão” disse o sacerdote, que actualmente é pároco em Santa Clara e em São Roque.
“Há um momento novo a nascer, uma cidade nova a sonhar; é preciso subir na escala porque o reino de Deus não fica de fora da cidade do homem, mas dá um sentido novo às nossas vicissitudes históricas” afirmou.
“Nós os cristãos não estamos fora da ordem humana; a consciência do vazio não nos faz perder o compromisso. O mundo passa, nós não negamos o seu valor mas simplesmente não negamos o absoluto: nem o desespero nem o entusiasmo, nem a apatia nem o consumismo, nem a indiferença nem a alegria, nem o desprezo nem a idolatria, nem a escravidão nem a vida irresponsável. Nós não somos aqueles que têm a visão dualista da realidade humana nem a ambiguidade no compromisso”, referiu ainda o sacerdote. “Nós não somos gente que rejeita indiscriminadamente nem tão pouco que viva alienação” enfatizou lembrando “os mártires” que “duram e continuam a ser às saídas das portas das catedrais e de tantas matrizes, de tantas igrejas, homens e mulheres livres”.
“No País que daqui a dias celebra 50 anos de democracia e liberdade, nós os cristãos precisamos de ter mais entusiasmo pela liberdade, introduzir na nossa vida o registo da transcendência e assim iremos compor um grande cântico, um cântico genuíno de esperança”, concluiu.
Nas breves palavras dirigidas à assembleia, que enchia por completo a Igreja Matriz e pela primeira vez nesta festa, o cónego Adriano Borges, actual pároco, lembrou que a Igreja é um monumento classificado, “cartaz turístico da cidade” que precisa de uma intervenção que seja mais do que cosmética.
“Muito há a fazer: há questões estruturais como a cobertura. É preciso uma intervenção com urgência. Contamos com a ajuda de todos”, referiu apelando à generosidade das forças vivas da paróquia, incluindo a comunidade paroquial.
São Sebastião lutou contra a peste, a forme e a guerra. Foi um grande evangelizador junto aos outros militares e uma presença importante junto àqueles que eram presos pelo império romano.
São Sebastião defendeu a fé até as últimas consequências.

Edit Template
Notícias Recentes
Gastamos mais nos transportes e menos em restaurantes e alojamento - Famílias açorianas têm despesa média anual de 19.400 Euros
Navio ‘Laura’ vai trazer 300 viaturas de Lisboa
PJ faz buscas na escola Antero de Quental
Região conta com mais 94 licenciados em enfermagem a partir de hoje
Novo concurso para reabilitar ruas nas Capelas
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores