Edit Template

Empresários de São Miguel preocupados com promoção externa e captação de investimentos

A Direção da Câmara do Comércio e Indústria dos Açores (CCIA) anunciou ontem que procedeu à análise do actual contexto regional e nacional, “que é fortemente condicionado pelas eleições para a Assembleia Legislativa Regional e para a Assembleia da República, de onde emanarão os respectivos governos”.
A Direcção da CCIA “manifestou a sua preocupação com a falta de instituições na Região, como existem a nível nacional, para as áreas da promoção externa, captação de investimento, apoio ao turismo e ao sector empresarial, que garantem o normal funcionamento e o seu relacionamento com o tecido empresarial mesmo em períodos eleitorais”.
Considera a Direcção da CCIA “que não é possível continuar-se a assistir a situações em que a mudança de ciclo político significa começar tudo de novo, perdendo-se conhecimento, know-how rotinas. O processo de desenvolvimento sustentado exige instituições fortes, perenes e maduras, que não estejam dependentes desses ciclos, sem que tal signifique as naturais orientações e objetivos definidos por cada governo”.
E acrescenta: “Os processos eleitorais são normais em democracia. O que não pode ser normal é nestes períodos não se registar um contínuo e normal funcionamento de instituições públicas, que, pela sua natureza, não devem estar envolvidas nestes processos, como é nomeadamente a Administração Pública e outras entidades consideradas estruturantes”. Para os empresários, “a economia precisa de previsibilidade, de decisões públicas rápidas e de uma administração competente e eficiente e não refém de ciclos eleitorais”.
A Direcção da CCIA “revisitou também um conjunto de assuntos, que continuam ao longo dos anos sem terem as soluções mais adequadas, como são por exemplo os modelos dos transportes marítimos e aéreos, os custos com a energia, os atrasos nos pagamentos aos fornecedores e dos apoios, na burocracia e da qualidade dos serviços, bem como de outros custos de contexto. Estes assuntos serão apresentados ao próximo Governo Regional”.
“Num quadro em que estão definidas as principais fontes de financiamento regional – transferência do Orçamento do Estado, PRR e PO 2030 – a Direção da CCIA considera imperativo alterar profundamente o o caminho que tem sido seguido ao longo dos anos, que tem passado pelo consumo de recursos, sem uma estratégia adequada e sem resultados que evidenciem uma melhoria significativa de indicadores de desenvolvimento económico e social relevantes”, sublinham os empresários.
“Impõe-se que os recursos financeiros sejam melhor aplicados, com objectivos e metas bem definidos e devidamente monitorizados”, acrescentam.
E concluem: “O país tem eleições no próximo mês de Março para a Assembleia da República. As políticas públicas nacionais têm um peso muito significativo na área económica regional. Neste sentido, a CCIA decidiu participar na reflexão e debate sobre as medidas que o país necessita para o desenvolvimento do tecido empresarial, no âmbito de uma iniciativa que está a ser promovida pela Confederação Empresarial de Portugal, através da apresentação de contributos sobre questões específicas dos Açores, nas quais impactam as decisões nacionais e também de enquadramento geral”.

Edit Template
Notícias Recentes
Venda de casas arrefece e oferta imobiliária aumenta 16% em Ponta Delgada
Oposição vai requerer inconstitucionalidade da polémica prioridade nas creches
Os cinco pisos da ala nascente do HDES já estão reabertos e acolhem 76 doentes
Missa aos sábados na Ermida de Nª Sª da Paz
Tolerância de ponto para a função pública em festas do Pico, Santa Maria e Corvo
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores