Edit Template

Palavras e Ideias: Políticos e política: impressões (des)informadas

“Chegou a hora de os líderes políticos de todo o espectro ideológico perceberem que, embora o partidarismo seja compreensível, o hiperpartidarismo é destrutivo para o nosso país. Precisamos de mais líderes visionários que se esforcem seriamente pelo bipartidarismo e encontrem soluções políticas que possam fazer avançar a América.” (Frases atribuídas a Martin Luther King Jr. / Fonte: Portal de citações BrainyQuotes)

Durante boa parte das minhas incursões no mundo da política – considero-me e ainda me manifesto como um cidadão “politizado” -, eu defendi e elogiava a noção do serviço público, através da actuação política. Frequentemente, elogiei a coragem, a abnegação, o altruísmo e sentido do dever cívico que eu atribuía à classe política, em geral, que, em democracia, se propõe para nos representar, nós, os “outros” cidadãos, e para administrar, em nosso nome, a causa e os interesses comuns. Não mais! Não me deixo mais levar pelo sentido simplista daquela minha avaliação. Restrinjo-me, agora! Com a minha crescente experiência, condicionada pelo envelhecimento, como um dos “outros” cidadãos, atribuo, apenas, aquela minha deferência às mulheres e aos homens que, a meu ver, através da sua ação política, em prol dos cidadãos que representam, e não dos partidos que lhes deram a oportunidade de fazer política activa, a merecem de pleno direito. Há-as e há-os!
Eu venho acompanhando, de muito perto, ao longo dos últimos vários anos, a dinâmica, os sobressaltos e a realidade política açoriana. Tive a oportunidade e, em alguns casos, o privilégio de conhecer pessoalmente alguns do mais marcantes, ou melhor dito, mais ativos elementos da política açoriana dos últimos anos, entre mulheres e homens, quer de afiliação PSD/A – o meu antigo partido, do qual fui excluído -, quer do PS/A. Infelizmente, não tive a oportunidade de “prestigiar”, através dos meus elogios escritos, algumas e alguns outros elementos da classe política, sobre os quais também formei uma opinião positiva e de admiração, como, também, não tive a oportunidade de “penetrar” os círculos dos outros partidos regionais, onde, certamente, existem pessoas de “calibre” superior. Em mais de uma vez, eu desfiz-me, publicamente, quer através de alguns órgãos da comunicação social com os quais eu tenho colaborado, quer através das redes sociais, em elogios àquelas pessoas com as quais interagi. Mantenho e reitero, sem reservas, a essência daquelas minhas impressões, em relação aqueles indivíduos. Isso dito, mantenho, reservas e, porventura, preocupações em relação à actuação política de alguns deles.
Os Açores são uma espécie de “microcosmo” onde a actuação e a evolução política, ao serviço do povo, deveria formar e demarcar alguns dos mais pertinentes e marcantes elementos da política portuguesa, por interesses outros que partidários. Infelizmente, parece-me, o partidarismo, por vezes flagrante e destrutor, impede que um futuro melhor seja alcançado, em benefício dos cidadãos, particularmente os mais fragilizados e os mais vulneráveis, socioeconomicamente falando.
Os partidos políticos, infelizmente, se estão transformando em “máquinas centralizadoras do poder”, constantemente em campanha eleitoral. Infelizmente, também, os mais jovens membros e os menos influentes membros dos partidos, contidos na camisola de força partidária – refiro-me aos deputados e deputadas – não chegam a contornar e ainda menos a reverter os caminhos traçados pelos dirigentes, a quem devem a sua militância e o privilégio do assento que ocupam na assembleia. Elas e eles deveriam mobilizar-se, até rebelar-se, para forçar que os seus mentores e dirigentes adoptem atitudes e linhas directivas menos partidárias e mais alinhadas com a realidade socioeconómica a que está confrontada a vasta maioria dos açorianos. Alguns e algumas daqueles servidores políticos, quiçá incapazes de impor um debate em torno dos seus próprios valores e das suas ideias, melhor fariam de permanecer nas suas actividades profissionais e pessoais, que exerciam antes de abraçar a aventura política activa, mesmo quando aquelas actividades têm o carácter de “tachos” seguros e inextinguíveis.
Devo acrescentar que eu estou lucidamente consciente do facto que o sistema (constitucional) político e eleitoral que vigora em Portugal e nos Açores, em particular, influencia, sobremaneira, a actuação das lideranças dos dois maiores e mais pertinentes partidos políticos açorianos. Mas essa realidade não deveria nunca impedir que os homens e mulheres a quem eu me referia no início desta opinião abracem aquele microcosmo a que eu também me referia antes, e encontrem uma forma diferente e mais inclusiva de servir e exercer os seus mandatos respectivos. Não se devem deixar levar a coligações desastradas, quiçá mortíferas, nem fazer de conta que nada têm a ver com políticas caóticas e destruidoras durante a sua própria governação no passado.
Terminando, não posso deixar de mencionar, mesmo se de forma muito aleatória, porque merece mais atenção, o “Manifesto” recentemente divulgado por, entre outros, Joel Neto, João de Melo e Avelino Meneses. Acrescento ainda a “Jénifer, ou a Princesa da França” de Joel Neto, que precedeu o Manifesto. Oxalá que nem um nem outo daqueles preciosos contributos venham a alimentar polémicas, ou apreciações revanchistas, em qualquer gabinete político que seja. Oxalá, ainda, que tanto uma como outra daquelas iniciativas sirva de guião, à liderança política açoriana, para uma transformação na sua própria avaliação da realidade açoriana, e do seu compromisso com o povo açoriano.
Vamos ver até onde isto chega!…

Duarte M. Miranda,

Montreal, Québec, Canada

Edit Template
Notícias Recentes
União Desportiva do Nordeste comemora os 50 anos do clube
2ª edição da formação “Cidadania Digital: Riscos e Oportunidades da Internet”
Bolieiro manifesta oposição à criação de uma taxa turística regional
Actividade ambulatória de Pediatria regressa amanhã ao HDES
Há 5 municípiosnos Açores com mais procura de casas para viver no campo
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores