Edit Template

Ad multos annos!

O jornal Diário dos Açores de Ponta Delgada completa hoje 154 anos de vida! Motivo para todos celebrarmos.
Hoje cada ano de vida de um jornal diário e centenário, numa região pobre como os nossos Açores, representa uma extraordinária luta pela sobrevivência e diz também muito da participativa e viva comunidade onde se insere e que serve. É certo que nos últimos anos perdemos nos Açores alguns prestigiados títulos e que tanto deram á comunidade a que pertenciam. Estou a recordar-me da “União” de Angra, dirigida entre outros pelo meu saudoso amigo Padre Coelho de Sousa, do Telégrafo da Horta dirigido por Rogério Contente e que até ao seu final devia ser o único Diário Português que ousava publicar de quando em vez na sua primeira página um poema ou também do combativo Correio da Horta da mesma cidade.
A mais recente revolução do digital veio ainda trazer mais nuvens negras ao futuro da imprensa em todo o mundo e por maioria de razão â imprensa regional das nossas ilhas.
O digital é em meu entender a segunda maior disrupção na História dos Média, a seguir à invenção da imprensa de Gutenberg. E tal como a imprensa de Gutenberg que no final da idade média veio abrir o conhecimento ao mundo (até então fechado no círculo fechado da Igreja e dos monges copistas) o digital, compreendendo naturalmente a invenção da internet veio universalizar o conhecimento e a informação à distância de um clique. Mas nas oportunidades há sempre ameaças e à maravilha da instantaneidade e da globalização da informação, juntaram-se a partilha ilegal dos jornais, a fuga da publicidade para o digital e os gulosos motores de busca que sem retribuírem o trabalho dos jornalistas, sugam a informação diligentemente elaborada pelos profissionais da informação. Mais recentemente à chaga das redes sociais, onde pululam a ignorância, a manipulação e a imbecilidade, juntaram-se a tecnologia, manipuladora de imagens e de sons ou capaz de centros de repetição de notícias falsas. Estas são fabricadas para influenciar os acontecimentos e o destino político dos povos, através dessa nova arma digital poderosa, feita de hackers especializados espalhados um pouco por todo o mundo ou os chamados Bots, armazéns sem nenhum humano, com milhares de telemóveis ligados com software específico que repete sem cessar, durante o dia e na escuridão da noite, 24 sobre 24 horas, essas notícias fabricadas e as espalham pelos olhos da humanidade. Difíceis e complexos tempos estes…
Longe vai o tempo em que no silêncio da casa a meio da tarde, ouvia o escorregar do jornal do Diário dos Açores por baixo da porta da velha casa da Rua Luís Soares de Sousa onde morava e saltava com rapidez os degraus de pedra dois a dois, para ser o primeiro a ler as notícias de primeira página ou no interior as notícias da comunidade. Nesse tempo, os óbitos, parte triste dessa informação comunitária, eram também escritos e afixados na montra do jornal na esquina da Rua da Cruz onde se juntavam e concentravam os passantes, numa espécie de leitura do jornal de parede. Nesse tempo o Diário dos Açores era vespertino e contava nas suas fileiras outros amigos que já partiram como o João Silva Júnior, o Manuel Jorge e o Carlos Tomé que mais tarde seria meu colega na RTP-Açores, este felizmente tanto quanto sei continua de boa saúde e revelou-se um escritor de bastos recursos.
Hoje o Diário dos Açores é bem diferente daqueles tempos. Já não ficamos com os dedos sujos de tinta da linotype nem o jornal tem o mesmo cheiro…
Oferece um aspecto gráfico excelente, com imensa ilustração totalmente a cor, com informação valiosa e útil à comunidade. Mas acima de tudo, é um espaço plural de opinião comunitária e combativo nas causas que servem o interesse comum da cidade, da ilha e da região a que pertence, característica aliás secular da imprensa de Ponta Delgada. Aí na primeira linha da denúncia e do combate, estão os editoriais do seu primeiro responsável, o jornalista Osvaldo Cabral, artigos logo multiplicados em leituras nas redes sociais, circulando por todos os Açorianos espalhados pela diáspora, no Continente e nas Américas, lidos num ápice instantaneamente graças ao digital e independentemente da latitude ou lugar onde se encontrem. É por isso, por esse papel indispensável na causa autonómica e no fortalecimento da sociedade civil e de uma cidadania participativa, que gostaria em tempos sombrios para a sobrevivência dos nossos jornais, de apelar à comunidade e aos seus responsáveis políticos para a importância de não deixar morrer a nossa imprensa.
Cada ano que passa, mantendo-se diária a publicação do Diário dos Açores é pois também uma vitória do jornal e do seu Director executivo, o meu amigo Osvaldo Cabral, a quem endereço e por seu meio aos proprietários e a todos os trabalhadores um abraço de felicitações.
Ad multos annos!

Lopes de Araújo

Edit Template
Notícias Recentes
União Desportiva do Nordeste comemora os 50 anos do clube
2ª edição da formação “Cidadania Digital: Riscos e Oportunidades da Internet”
Bolieiro manifesta oposição à criação de uma taxa turística regional
Actividade ambulatória de Pediatria regressa amanhã ao HDES
Há 5 municípiosnos Açores com mais procura de casas para viver no campo
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores