Edit Template

Ribeira Chã abre as portas dos seus Núcleos Museológicos pelo Festival da Malassada

A freguesia da Ribeira Chã irá abrir as portas dos seus Núcleos Museológicos, em horário extraordinário, das 15h00 às 17h00, neste fim-de-semana do Festival da Malassada
Com esta iniciativa, o Centro Social e Paroquial da Ribeira Chã pretende divulgar os Núcleos Museológicos da freguesia da Ribeira Chã, nomeadamente o Núcleo de Arte Sacra e Etnografia; o Núcleo Museológico da Adega e o Núcleo Museológico da Agricultura e Quintal Etnográfico.
Esta é uma forma de manter vivas as raízes do seu povo, criando uma consciência colectiva de identidade expressa nos vários Núcleos museológicos disseminados pela freguesia, que foram fundados pelo padre João Caetano Flores, grande responsável pelo desenvolvimento da localidade, na segunda metade do século XX.
Desta forma, o público que, neste fim-de-semana, escolher a Ribeira Chã para desfrutar da degustação de iguarias alusivas à época carnavalesca, em que a malassada é rainha, pode conhecer melhor a história e a cultura dessa pequena freguesia, do concelho da Lagoa.
No Núcleo de Arte Sacra e Etnografia, assumem papel destacado a religiosidade e a etnografia, expondo-se reconstituições, da antiga igreja. A exposição também inclui quadros ligados à etnografia regional e à cultura popular. Neste núcleo localizado no piso superior do Centro Social e Paroquial da Ribeira Chã também se homenageia e se perpetua a memória do fundador.
O Núcleo Museológico da Adega é um espaço dedicado à cultura vinícola da Ribeira Chã, que homenageia os vitivinicultores da freguesia. Nele demonstram-se todos os processos tradicionais na produção do vinho de cheiro, desde a apanha da uva ao amadurecimento do vinho, expondo-se objectos usados na actividade.
O Núcleo Museológico da Agricultura representa o passado agrícola da Ribeira Chã, fazendo alusão à cultura do pastel, que tornou esta freguesia, nos séculos XVI e XVII, um importante centro de produção em larga escala e a cultura do trigo, tema central ao longo da exposição, que foi das primeiras a ser praticada em grandes quantidades, exportando cereais para o Reino e praças de África no decurso do século XV.
Por seu turno, o Quintal Etnográfico, construído, desde 1983, no espaço resultante do aterro de uma grota com 22 metros de profundidade, apresenta-se dividido em três secções: Plantas aromáticas e medicinais; Plantas Endémicas e algumas das culturas agrícolas.
Recorde-se que, este ano, o Festival da Malassada decorre, no Centro de Catequese e Cultura, estendendo-se à zona envolvente, rua da Boavista, das 15h00 às 19h00, e que para além das malassadas da Ribeira Chã, haverá várias instituições/empresas não só do concelho a confeccionar as suas malassadas.

Edit Template
Notícias Recentes
Indústria do atum alerta para a “morte lenta” do sector nos Açores
Empresários manifestam preocupação com insegurança nas ruas de P. Delgada e consideram que responsáveis estão a falhar
Ryanair propõe reabrir base em Ponta Delgada e reforçar operação
Meloa da Graciosa candidata a produto DOP
Francisco Melo encerra a época com a medalha de bronze
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores