Edit Template

Quanto vale os Açores?

Se formos pela balança dos interesses da política neocolonialista portuguesa, a resposta será bastante dúbia – falsa mesmo. Para eles e de forma interesseira, as Ilhas dão prejuízo…! São um sorvedouro de dinheiro e uma situação sem remédio(?).
Nem outra coisa podem relatar, quando todas as principais verbas produzidas, são silenciadas do grande público, evitadas nos parlamentos e menosprezadas em todas as situações de debate sobre o assunto.
Não sabemos e ninguém nos diz ao certo, quantos aviões atravessam o espaço aéreo dos Açores, incluído no espaço aéreo português, englobando igualmente o da Madeira. Dos três, sabemos que o maior é o dos Açores. Todo o tráfego é controlado pelo pessoal da NAV Portugal estacionado na Ilha de Santa Maria. Não prestam contas aos governos insulares.
“…a NAV Portugal é financiada, na totalidade, pelos seus clientes – operadores / companhias aéreas que aterram e descolam dos aeroportos nacionais ou que sobrevoam o espaço aéreo sob jurisdição nacional… Para cada voo que sobrevoa o Espaço Aéreo Português é calculado o número de Unidades de Serviço consumidas por esse voo. Simplificadamente, a medição das Unidades de Serviço tem em conta as milhas voadas e a dimensão de cada aeronave. Multiplicando as Unidades de Serviço de cada voo pela Taxa de Rota do respetivo ano obtém-se o valor a cobrar a esse voo pela NAV Portugal… Hoje em dia este tipo de controlo é apoiado por um Sistema de Controlo Oceânico dos mais avançados do mundo. Em Portugal existe um Centro de Controlo Oceânico no arquipélago dos Açores, na Ilha de Santa Maria, que controla o espaço aéreo correspondente a cerca de 1/4 do Oceano Atlântico Norte…” (NAV Portugal).
E quanto aos totais anuais? Pelo que conseguimos apurar, estão todos juntos – Madeira, Açores e continente português. São muitos milhões anuais relativamente aos Açores.
Por outro lado, temos igualmente a navegação marítima. Todos os barcos que atravessam o milhão de quilómetros quadrados do mar açoriano, estão sujeitos ao mesmo controlo.
Existe ainda toda a mineração e extração feita no mar dos Açores, que é inteiramente feita sob controlo do estado central. Novamente milhões de euros que não são devidamente divulgados.
Em princípio, tudo isto e muito mais, nada tem de mal. O mal advém do menosprezo calculista português sobre a importância financeira dos Açores nos cofres de São Bento.
A lista seria longa, se mencionasse os acordos internacionais firmados pelo governo central, tendo como moeda de troca os interesses diretos e indiretos dos Açores, ou benefícios usufruídos pelo governo central, sem qualquer medida compensatória à Autonomia Açoreana.
Pelo menos não nos atirem à cara – de forma descarada – de que damos prejuízos ao país.
Ao governo saído da última escolha popular de 4 de fevereiro, caberá governar em prol de todas as Ilhas e seus habitantes. Os interesses e ambições nacionais são legítimos de existir, mas nunca devem ser postos acima dos interesses das Ilhas Açoreanas. A hipocrisia dos slogans e frases feitas como “Açores Primeiro” “Levar os Açores a sério” e outras no género, já estão desusadas, tanto mais que na prática, o povo constata que os políticos correm exclusivamente pelas suas vidas e carreiras pessoais.
Nestes novos tempos de comunicação instantânea global, será (felizmente) cada vez mais difícil enganar os eleitores com velhas canções políticas.
E por falar nisso, seria bom que os partidos que concorrem com tanta açorianidade nas veias, limpassem as paredes de toda a propaganda. Quanto tempo vai ficar à mostra esta poluição visual? Para poluírem foram rápidos. Para limpar, já não há voluntários…

José Soares*

*[email protected]

Edit Template
Notícias Recentes
há 4 médicos por mil habitantes nos açores, abaixo da média nacional
Venda de carros novos dispara nos dois primeiros meses
Câmara de P. Delgada reforça em 60% verbas para as Juntas de Freguesia
Livro reúne testemunhos sobre os 50 anos do 25 de Abril nos Açores
Câmara Municipal de Ponta Delgada e Greenvolt entregam Bolsas de Mérito a alunos do ensino secundário
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores