Edit Template

Paulo Estêvão pretende “diálogo” e “colaboração entre todos” nas suas novas funções

O novo Secretário Regional dos Assuntos Parlamentares e Comunidades dos Açores disse que no exercício das suas funções vai trabalhar para que a relação entre o Parlamento e o Governo Regional seja fluida e funcione.
“A minha representação aqui é uma representação institucional do Governo e portanto, obviamente, nós, no âmbito do nosso desempenho, vamos, com isenção e com eficácia, fazer com que a relação entre o Parlamento e o Governo seja uma relação fluida, seja uma relação que funciona”, disse Paulo Estêvão aos jornalistas.
Esse trabalho, referiu, é feito ao nível da conferência de líderes, onde estará presente em representação do Governo Regional, e “é nesse âmbito que as coisas vão funcionar”.
O novo Executivo regional açoriano (PSD/CDS-PP/PPM) liderado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro e que inclui, pela primeira vez, o líder do PPM/Açores, Paulo Estêvão, como Secretário Regional dos Assuntos Parlamentares e Comunidades, tomou posse no Parlamento regional, na cidade da Horta, ilha do Faial.
O novo governante considerou que no momento actual é fundamental “apelar ao diálogo” e “à colaboração entre todos”.
“Tenho a certeza absoluta de que todos os que aqui estão [no Parlamento e no Executivo] querem a mesma coisa, que é o progresso do povo dos Açores”, declarou.
No exercício das suas funções, prometeu, terá um discurso de moderação e de convergência: “Agora que estamos a sair dos ciclos políticos eleitorais, precisamos sobretudo de concentrar-nos na execução de políticas que favoreçam o nosso povo, que resolvam o problema da habitação, as questões que ainda temos na saúde, as questões que ainda temos na educação.”
O mais importante, acrescentou, “é encontrar soluções para problemas concretos das pessoas” e é nessa missão que irá concentrar a sua atividade, depois de uma experiência acumulada de 16 anos na conferência de líderes do parlamento dos Açores.

PSD espera aprovação
do programa do Governo

O líder do grupo parlamentar do PSD/Açores, Bruto da Costa, considerou que a viabilização do Programa do Governo é a votação que “os açorianos querem” face aos resultados eleitorais de 4 de Fevereiro.
Bruto da Costa, que falava aos jornalistas após a tomada de posse do XIV Governo dos Açores (PSD/CDS-PP/PPM), no Parlamento regional, na Horta, ilha do Faial, precisou que “é esta a votação que os açorianos querem e fizeram [saber] nas eleições legislativas regionais de 04 de fevereiro, quando deram uma vitória à coligação para dar continuidade ao trabalho que tinha vindo a ser realizado” desde o final de 2020.
O dirigente salvaguardou que o Programa do Governo “será naturalmente decalcado, de alguma forma”, da agenda para a governação apresentada pela coligação no âmbito das eleições e escolhida pelos açorianos “como projeto político que querem ver desenvolvido”.
De acordo com o líder do grupo parlamentar, a interrupção na governação motivada pela crise política – com o chumbo do Orçamento para este ano no parlamento regional, no final de 2023 – veio já “criar problemas no trabalho que vinha sendo desenvolvido e atrasar alguns processos que são importantes para os Açores”.

PS mantém chumbo
ao programa

O PS/Açores mantém a intenção de votar contra o Programa do Governo Regional, uma vez que as circunstâncias no arquipélago não se alteraram, disse o líder do grupo parlamentar do partido na Assembleia Legislativa, João Castro.
O socialista recordou que a decisão da estrutura partidária, anunciada na semana seguinte às eleições regionais de 4 de fevereiro, “resulta de um momento e de uma informação que foi tratada e trabalhada em sede dos seus órgãos”.
“Todo o cenário e variáveis de contexto mantêm-se e não há motivos para os órgãos regionais alterarem de alguma forma a posição”, referiu aos jornalistas após a tomada de posse do XIV Governo dos Açores (PSD/CDS-PP/PPM).
Sobre a intervenção do presidente do Governo Regional, o social-democrata José Manuel Bolieiro, na cerimónia, João Castro disse que viu o discurso “com alguma preocupação”, por estar patente “uma lógica de continuidade” em relação à gestão anterior.
Em causa, disse, estiveram palavras “de continuidade, de justificação do percurso até aqui”.
Questionado sobre o apelo à estabilidade política por parte dos presidentes do parlamento regional e do Governo dos Açores, o socialista afirmou subscrever “as palavras de consenso e de diálogo”, mas sublinhou que “compete ao presidente do governo ser o primeiro na linha do estabelecimento desses consensos e desse diálogo, o que não tem estado a acontecer e não tem sido preconizado nas declarações proferidas até ao momento”.

Chega não vê
“nada de novo”

O líder do Chega/Açores, José Pacheco, considerou que a tomada de posse do novo Governo Regional não trouxe “nada de novo” e disse que a coligação PSD/CDS-PP/PPM não deu, até à data, oportunidade para o diálogo.
“Não ouvi nada de novo. Parece-me que é um governo de continuidade que hipocritamente, ou cinicamente, apela ao diálogo, quando no passado não o soube fazer”, afirmou o deputado regional.
O dirigente – que desde a campanha para as eleições regionais disse que o partido queria integrar o executivo – defendeu a necessidade de ter havido “um governo mais magro”.
“Mas, também compreendo que se tenha aqui que contemplar todos os pactos partidários que foram feitos”, admitiu, referindo que o Chega deu “uma oportunidade à coligação” para iniciar um diálogo, mas “até à data não houve esse diálogo”.
“Também não esperem que vamos levar a criança ao colo, porque isto não vai acontecer”, afirmou, acrescentando que “o único pacto” do Chega é com o povo açoriano.
José Pacheco disse que o Chega não tomou nenhuma decisão sobre o documento.
“A única decisão é ler o Programa. Depois vamos fazer essa avaliação e só depois damos conta da nossa decisão. Vai depender muito do documento e das linhas orientadoras”, disse o deputado.

BE não confia
no novo Governo

O deputado do BE no parlamento dos Açores, António Lima, afirmou que o novo Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM), que tomou posse, é um executivo sem qualquer solução nova e com “pouca confiança no seu próprio futuro”.
“Não ouvimos qualquer tipo de solução nova, nem medidas que ficaram omissas. [Ouvimos] discursos e apelos constantes à estabilidade que indiciam que o governo e o presidente têm muito pouca confiança no seu próprio futuro”, disse António Lima, que é também dirigente regional do BE.
No seu entendimento, está-se perante “um governo claramente de continuidade” – o que o partido critica, tendo em conta a sua distância em relação às políticas da coligação – e é de estranhar os apelos “à responsabilidade e à estabilidade” feitos hoje pelo Presidente Pdodfe do executivo açoriano, José Manuel Bolieiro.
“Acabámos de sair de eleições e é surpreendente este apelo”, apontou António Lima, para quem seria de esperar que fosse a direita a apresentar “uma solução de governo estável para os Açores”.
Para o dirigente, tanto na anterior legislatura, já governada por PSD/CDS-PP e PPM (com acordos parlamentares com o Chega e a IL), como na atual, “aquilo que traz a coligação e a direita, que é maioritária no parlamento, é insegurança, é incapacidade de apresentar uma solução de futuro para os Açores”.
António Lima reiterou a discordância do BE em relação ao Programa de Governo Regional, que terá agora de ser apresentado e votado no parlamento do arquipélago.
“Quando um governo acaba de tomar posse e a tónica geral do seu discurso é apelar à estabilidade e à responsabilidade, quer dizer que para o país, da mesma forma, a direita não é solução para formar uma solução de governo estável e que responda essencialmente aos problemas do país”, acrescentou.

IL diz que é mais do mesmo

O deputado único da Iniciativa Liberal (IL) no parlamento dos Açores considerou que o novo Governo Regional “é o mesmo”, com “apenas duas caras novas”, mas disse esperar melhores resultados de governação.
“O governo é o mesmo governo, com apenas duas caras novas. É verdade que alguma orgânica foi alterada do ponto de vista das competências. Espero que seja um resultado um bocadinho melhor daquele que foi o último Governo Regional”, disse Nuno Barata.
“Temos mais do mesmo. Continuamos a ter recados vindos dos discursos institucionais, apelos à estabilidade quando na verdade o parlamento não é o lugar onde houve instabilidade. A instabilidade veio do governo, veio do interior do governo, veio da incapacidade de o governo dialogar com as forças políticas que aqui têm assento”, considerou Nuno Barata, que na legislatura anterior assinou um acordo de incidência parlamentar com o PSD e rasgou o entendimento em março de 2023, contribuindo depois para o chumbo do Orçamento de 2024.
A estabilidade, acrescentou o parlamentar da IL/Açores, “tem de vir do lado, primeiro, de quem governa”.

PAN aguarda novo programa

O deputado do PAN no Parlamento dos Açores afirmou que o novo Governo Regional “está maior do que o anterior” e disse aguardar pelo programa para saber “para onde o Executivo quer ir nos próximos quatro anos”.
“Recordo-me que José Manuel Bolieiro [presidente do Governo Regional] disse que queria um Governo mais magro do que o Governo anterior. Temos menos um subsecretario isso é verdade, mas temos mais um secretário do que o Governo anterior. Este Governo está maior do que o anterior”, afirmou Pedro Neves.
“Agora vamos esperar obviamente pelo Programa do Governo que vai ser bastante importante para nós sabermos para onde este Governo quer ir nos próximos quatro anos e daí fazermos a nossa avaliação”, sublinhou o deputado único do PAN/Açores, referindo ainda não ter tomado “nenhuma decisão” sobre a votação do documento. E, acrescentou Pedro Neves, “ainda não há documento. Só há discurso. E, por isso, obviamente não tomei nenhuma decisão”.

Edit Template
Notícias Recentes
Desafios da gestão bancária em debate na Faculdadede Economia e Gestão da UAc com Gualter Furtado
Arrancam sessões de apoio aos jovens empreendedores em Ponta Delgada
A última entrevista da Presidente da SATA antes da demissão: “Se este concurso não avançar, o Governo tem até 2025 para concluir com outro concurso”
SITAVA pede ao Governoque “pare imediatamente”com privatização da SATA
Martins Goulart e Mota Amaral e a Lei Eleitoral
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores