Edit Template

Recuperação da ermida de Nª Sª das Dores em Ponta Delgada candidata-se ao Orçamento Participativo

A obra de recuperação da Ermida de Nossa Senhora das Dores, sufragânea da Igreja de São José, em Ponta Delgada, pode vir a integrar o conjunto de projectos em votação no Orçamento Participativo Regional.
A candidatura foi apresentada por Pedro Gomes, elemento da equipa da Pastoral da Cultura de São José e o projecto de estudo feito por Paulo Brasil, segundo relata o sítio Igreja Açores.
A candidatura está em fase de avaliação e a decisão técnica, da sua inclusão para a fase seguinte de votação, surgirá em Maio.
Esta proposta, inédita no contexto de uma obra ligada a património da Igreja, “pretende recuperar o património edificado, móvel e integrado, promover as artes e proporcionar o acesso de novos públicos aos bens culturais, especialmente aos jovens e aos que visitam os Açores, num compromisso entre a cultura e a oferta turística” pode ler-se no texto da candidatura apresentada a título individual porque a legislação impede candidaturas de pessoas colectivas ou organizações.
“A proposta é para a recuperação da Ermida de Nossa Senhora das Dores, com valorização do património, da memória e da identidade açoriana, numa dimensão de ética patrimonial, conjugada com uma proposta de turismo cultural, inserindo o espaço desta ermida num circuito visitável de todo o conjunto edificado da Igreja Paroquial de São José, em Ponta Delgada”, justifica-se ainda, nomeando-se o âmbito da recuperação que inclui a exposição de peças de arte sacra do património móvel e integrado da paróquia de São José, a definição de percursos visitáveis e a musealização de espaços.
A ermida de Nossa Senhora das Dores foi construída ao longo do último quartel do século XVIII e pertencia ao Convento de São Francisco, edificado sobre a ermida de Nossa Senhora da Conceição, ainda no século XVI. Foi o último edifício religioso a ser construído em Ponta Delgada, ao gosto do barroco final, notando-se uma simbiose com o neoclassicismo, visível no programa decorativo do seu interior.
Do ponto de vista estrutural e espacial, a ermida insere-se no modelo seguido para a edificação das igrejas conventuais femininas, composta por três corpos distintos de diferentes dimensões, correspondentes à sua nave, capela e sacristia.
As coberturas são de telhados de duas águas, mantendo-se o modelo construtivo da contígua igreja, com excepção da sacristia e antecâmara. Tem duas entradas, a principal pela galilé da igreja de São José, com a grelha ornamental em ferro forjado e outra lateral, com saída para o Campo de São Francisco.
Para os proponentes e para o pároco, padre Duarte Melo, esta candidatura é também uma forma diferente de recuperar o património que uma comunidade “tão pequena como a de São José, com pouco mais de duas mil pessoas não conseguiria suportar”.
“É uma combinação da democracia direta, que está disponível e que representa também uma nova forma de actuação da Igreja” referiu Pedro Gomes.
“O património é a base da identidade e por isso precisa de ser cuidado e a Igreja tem muito património mas nem sempre cuida bem dele” disse ainda o sacerdote, reconhecendo que neste programa comemorativo dos 500 anos do Convento de São Francisco há uma intenção de chamar a atenção para a necessidade “de cuidar e tratar com critério” a recuperação do património nas suas diferentes expressões, chamando “à atenção de todos, sobretudo dos agentes culturais”.
“Todos os anos temos de estar atentos aos retelhos, às janelas e portas, mas também a outros problemas de maior volume, que exigem outro tipo de actuação”, referiu. É o caso “desta ermida e da ermida dos Terceiros que tem os retábulos a cair”, concluiu.

Edit Template
Notícias Recentes
Câmara de Ponta Delgada investe 250 mil euros na requalificação de ruas nas Capelas
Padre açoriano ordenado no Canadá celebra missa nova nas Feteiras
Trabalhadores de terra da SATA decretam greve em Agosto e Setembro
“Tarifa Açores” mantém-se em 2024 e já beneficiou cerca de 1 milhão de passageiros
Oferta de casas para arrendar desceu 12% em Ponta Delgada no último ano
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores