Edit Template

Complexo marxista

Cinquenta anos depois, uma quase extinta parte do retângulo ibérico ainda sofre do complexo marxista, trauma contraído durante o regime do estado novo, importado do moscovismo soviético, o mesmo que há muito implodiu e se extinguiu, mantendo registos de ditadura familiar na Coreia do Norte e saudosismos na China semi-capitalista, bem como outros satélites avariados.
Dentro de poucas semanas iremos comemorar a restauração do regime democrático instituído a 25 de abril de 1974. E se é verdade que as forças extremistas comunistas contribuíram para isso, não é menos verdade que o seu interesse não era outro senão instituir um satélite soviético em Portugal, o que foi quase conseguido durante alguns meses dos anos setenta do século XX.
Quando começou a perder, na rua, diante das enormes massas populares que lhe diziam frontalmente ‘não é não’, os comunistas, bem como toda a esquerda radical, começaram a plantar bombas aqui e ali. Provocar convulsões sociais era a sua tática aprendida nas escolas da Moscovo estalinista. Alguns assassinatos aconteceram e ficaram impunes até aos dias de hoje.
Os tempos passaram. O povo preferiu o sistema livre e democrático. Alternâncias governativas.
Diante desta gigantesca escolha popular, o comunismo e seus sequazes extremistas tinham duas alternativas diante de si: desaparecer do cenário político português, ou camuflar-se por enquanto de camaleão e ir mudando as cores conforme o andar da carruagem. Escolheu esta segunda opção e é isto que tem andado a fazer. E mesmo se o Povo continua a dizer-lhe, nos dias de hoje, ‘que não é não’, essas forças, negativistas do óbvio, fazem ouvidos moucos a tudo, porque apenas a sua vontade conta. Perdem de eleição em eleição e mesmo assim continuam a dar a cabeça à parede. Quanto mais forte se apresenta o sistema democrático vigente, mais ativas são as suas canções de fictícia vitória. A sua tática é apenas uma: Desestabilizar. Criar confusão. Veja-se o líder do moribundo Partido Comunista, Paulo Raimundo: Acabou de ser novamente derrotado democraticamente em eleições livres e já quer apresentar uma moção de rejeição no parlamento de São Bento. Nem o PS, nem as restantes forças da direita o apoiam. É o canto do cisne, que mesmo de cabeça perdida exige a ribalta.
Alguns deputados que vemos no Parlamento da Horta são prova disso mesmo. Vejamos o deputado António Lima do Bloque de Esquerda. Este deputado, que não foi eleito pelos seus eleitores, mas sim pelo círculo de compensação – ou seja – restante soma de votos, nem olha para os seus colegas democraticamente eleitos à sua volta. Dá-lhes um desprezo que revela bem o seu ressábio pela Democracia. Outro exemplo de mau perder e de pouca educação democrática, é o deputado Nuno Barata, igualmente eleito pela generosidade do círculo de compensação. Vejamos que o PAN, embora com um deputado eleito da mesma forma dos anteriores, consegue dar uma postura mais democrática, sensata e ética.
No círculo de compensação, o Chega elegeu dois deputados, a Iniciativa Liberal, o Bloco de Esquerda e o PAN elegeram um deputado cada, perfazendo os cinco deputados daquele círculo.
Pelo Chega foi eleita Hélia Cardoso e José Sousa, pela IL Nuno Sousa, pelo BE António Lima e pelo PAN Pedro Neves.
Estes deputados, em vez da sua atuação negativa, devem intervir – obviamente – sempre que o desejem e estão legitimados para tal, mas com a educação democrática exigida na Casa da Democracia. A maioria, quer se goste ou não, seja de qual for o partido, é a maioria. Ameaçarem fazer cair um governo só pela birra da derrota, só lhes retira votos.
Falem e discutem dos assuntos que são necessários à sociedade açoriana. Deixem a questão partidária e ideológica de lado e trabalhem, que é para isso que vos paga o erário público. E custa-nos, a todos nós, muitos milhões de euros.

José Soares*

*[email protected]

Edit Template
Notícias Recentes
“Estamos Preocupados; É preciso maior promoção do destino Açores”
Ilídia Quadrado nega ter sido convidada para portos dos açores
Açores já têm um guia para contratar Estrangeiros
Polícia Marítima detecta irregularidades em barcos de pesca em S. Miguel
Ribeira Grande assinala Dia Municipal do Bombeiro
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores