Edit Template

Estrangeiros apostam forte na comprade casas nos Açores

Em 2023, as compras de casas por estrangeiros localizaram-se maioritariamente no Algarve (29,9%), seguindo-se o Norte (17,5%) e a Grande Lisboa (15,6%), revelou o INE.
Relativamente a 2022, as regiões do Norte, Centro, Grande Lisboa, Alentejo e Região Autónoma dos Açores apresentaram um incremento dos respetivos pesos relativos regionais, respectivamente, de 4,2 pontos percentuais, dois pontos percentuais, 0,8 pontos percentuais, 0,3 pontos percentuais e 0,1 pontos percentuais.
Em sentido oposto, o Algarve recuou 7,0 pontos percentuais e a Península de Setúbal e a Região Autónoma da Madeira diminuíram, ambas, 0,2 pontos percentuais.
Em valor, o Algarve (39,2%) e a Grande Lisboa (29,2%) concentraram 68,4% do montante total das habitações adquiridas por compradores com domicílio fiscal fora do território nacional, menos 4,1 pontos percentuais que a percentagem do ano anterior e menos 11,4 pontos percentuais face a 2019, o primeiro ano da série.
O INE nota que, no ano passado, todas as regiões registaram um aumento da contribuição da compra de habitação por compradores estrangeiros, tanto no número, como no valor das respectivas vendas totais de alojamentos.

Compras de residentes
recuaram

No Algarve, as vendas de alojamentos a compradores com domicílio fiscal fora de Portugal representaram 27,2% e 38,5%, respectivamente, do número e do valor total das transacções da região.
No Norte, Centro, Oeste e Vale do Tejo, Grande Lisboa, Alentejo e Região Autónoma dos Açores registaram-se aumentos dos pesos relativos deste tipo de aquisição, face a 2022, em número e em valor, acima do ponto percentual.
As compras de casas por residentes em Portugal recuaram 19,8% em 2023 face a 2022, para 126.108 unidades, representando 92,4% do número total de transacções, o peso mais baixo da série iniciada em 2019, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).
Em valor, as aquisições de compradores com domicílio fiscal no território nacional representaram 24.400 milhões de euros do total de 28.000 milhões de euros dos alojamentos transaccionados em 2023, o que representa um peso relativo de 87,3%, também o mais baixo da série iniciada em 2019 e uma redução de 1,3 pontos percentuais face a 2022.
Quanto às aquisições de alojamentos por compradores com domicílio fiscal fora de Portugal, contabilizaram-se 10.391 unidades, menos 3,1% relativamente a 2022, somando 3.600 milhões de euros, um recuo homólogo de 1,4%.
Nas transacções relativas a compradores com domicílio fiscal no estrangeiro, o INE diz terem-se registado duas situações distintas face a 2022: a categoria União Europeia, com um total de 5.025 unidades, registou uma redução no número de vendas de 13,5%; relativamente à categoria de domicílio fiscal ‘restantes países’, observou-se um aumento de 9,3% nas aquisições por estes compradores, para um total de 5.366 alojamentos. No que respeita ao valor por transacção, em 2023, cada alojamento foi vendido, em média, por 205.193 euros, montante que baixa para 193.830 euros se envolver um comprador com domicílio fiscal no território nacional. Já as aquisições de alojamentos por compradores com domicílio fiscal fora de Portugal foram realizadas, em média, por 276.897 euros, no caso da categoria “União Europeia”, sendo que para a categoria “restantes países” o valor cifrou-se nos 405.082 euros.

Edit Template
Notícias Recentes
Produtores e Industriais das pescas criticam Lotaçor por praticar preços superiores à congénere madeirense
Menos pescado e menos valor descarregados em Maio nos portos dos Açores
Insolvências subiram 117% em Ponta Delgada nos primeiros 5 meses deste ano
O melhor do nacional de surf é já depois de amanhã na Ribeira Grande
Bolieiro diz que incêndio deve ser encarado como oportunidade para tornar HDES numa “referência”no país
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores