Edit Template

Novas habitaçõeslicenciadas nos Açores caíram a pique

No 4º trimestre de 2023, foram licenciados no país 7,3 mil fogos em construções novas para habitação familiar, representando um aumento de 1,8% em relação ao 4º trimestre de 2022 (+9,5% no 3º trimestre de 2023) e um crescimento mais significativo em comparação com o mesmo trimestre de 2019 (+ 11,7%).
As regiões do Norte, Centro e Oeste e Vale do Tejo apresentaram variações positivas neste indicador: +28,0%, +17,5% e +5,7%, respetivamente.
A sul da região Oeste e Vale do Tejo, assim como nas Regiões Autónomas, todas as regiões verificaram decréscimos neste indicador.
Os decréscimos mais acentuados foram observados nas regiões da Grande Lisboa (-39,3%) e na Região Autónoma dos Açores (-31,5%).

Diminuição na área
total licenciada

Em Portugal, no 4º trimestre de 2023, verificou-se uma diminuição de 10,0% na área total licenciada em comparação com o mesmo período do ano anterior (+0,6% no 3º trimestre de 2023).
O Centro e o Norte foram as únicas regiões a registar um crescimento neste indicador, com +17,9% e +4,4%.
Todas as restantes regiões apresentaram variações negativas na área total, destacando-se a Grande Lisboa com o decréscimo mais acentuado (-43,9%).

Queda também nas obras
concluídas

No 4º trimestre de 2023, estima-se que tenham sido concluídos 4,0 mil edifícios em Portugal, incluindo construções novas, ampliações, alterações e reconstruções. Este número representa um aumento de 2,1% em relação ao 4º trimestre de 2022 (-1,2 % no 3º trimestre de 2023) e um aumento de 9,1% se comparado com o mesmo trimestre de 2019. A predominância das construções novas mantém-se, representando 82,6% do total dos edifícios concluídos, com 80,1% dessas construções novas sendo destinadas à habitação familiar.
Nas regiões do Algarve, Península de Setúbal, Oeste e Vale do Tejo, bem como no Norte observou-se um crescimento, embora diferenciado, no número de edifícios concluídos (+25,2%, +22,3%, +7,9% e +2,5%, pela mesma ordem).
A Grande Lisboa registou uma variação nula enquanto as restantes regiões apresentaram decréscimos nesta variável, com a Região Autónoma da Madeira a registar a maior redução (-14,2%) seguida pelo Alentejo com -10,2%, o Centro com -4,9% e a Região Autónoma dos Açores com -2,7%.

Habitação familiar
cresce nos Açores

No mesmo período, foram concluídos 5,4 mil fogos em construções novas para habitação familiar, o que representa um aumento de 1,4% em comparação com o 4º trimestre de 2022 (+9,9% no 3º trimestre de 2023).
Verificou-se um crescimento neste indicador nas regiões do Oeste e Vale do Tejo (+49,7%), Algarve (+33,3%), Região Autónoma dos Açores (+27,3%) e Península de Setúbal (+7,5%).
As restantes regiões apresentaram um comportamento negativo nesta variável, com destaque para a Região Autónoma da Madeira, com uma variação de -35,6%, face ao mesmo trimestre do ano anterior.

Edit Template
Notícias Recentes
União Desportiva do Nordeste comemora os 50 anos do clube
2ª edição da formação “Cidadania Digital: Riscos e Oportunidades da Internet”
Bolieiro manifesta oposição à criação de uma taxa turística regional
Actividade ambulatória de Pediatria regressa amanhã ao HDES
Há 5 municípiosnos Açores com mais procura de casas para viver no campo
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores