Edit Template

há 4 médicos por mil habitantes nos açores, abaixo da média nacional

O número de médicos por mil habitantes nos Açores (4 mil) está abaixo da média nacional, segundo revelou ontem o INE na sua publicação sobre “Estatísticas da Saúde”.
Ao contrário, o número de enfermeiros na Região Autónoma dos Açores por mil habitantes é maior do que nas outras regiões do país.
De acordo com a publicação, em 2022, estavam inscritos na Ordem dos Médicos 60 396 profissionais, dos quais 58 120 no continente, 958 na Região Autónoma dos Açores e 1 318 na Região Autónoma da Madeira.
Naquele ano, existiam 5,8 médicos inscritos por 1 000 habitantes, mais 0,1 médicos por 1 000 habitantes do que em 2021.
Nos Açores são 4 médicos por mil habitantes e na Madeira 5,2.
Mais de metade dos médicos em 2022 (57,3%) eram mulheres, e 48,5% tinham idades dos 31 aos 60 anos.
O número de médicos com idades até aos 30 anos (10 323, menos 0,2% do que no ano anterior) era superior ao daqueles com 61 a 65 anos (5 231, menos 9,0% do que em 2021).

Mais médicos
com mais de 65 anos

Retrocedendo até 2017, regista-se uma quebra 5,5 p.p. na proporção de médicos com idades dos 61 aos 65 anos (de 14,2% em 2017 para 8,7% em 2022), acompanhada pelo aumento da proporção daqueles com mais de 65 anos (de 17,5% em 2017 para 25,3% em 2022).
No mesmo período, diminuíram as proporções de médicos com idade até 30 anos, de 18,9% para 17,1%, e de médicos dos 31 aos 60 anos, de 49,3% para 48,9%.
De acordo com a repartição por local de residência, 35,3% encontravam-se na região Norte e 28,4% na região da Grande Lisboa.
O indicador relativo ao número de médicos por mil habitantes era mais elevado na região da Grande Lisboa (8,3 médicos por mil habitantes) e mais baixo na região Oeste e Vale do Tejo (2,5 médicos por mil habitantes).
Do total de 60 396 médicos inscritos na Ordem dos Médicos em 2022, mais de 60% eram especialistas (37 341), ou seja, estavam habilitados a exercer pelo menos uma especialidade em Medicina.
Em 2022, a Medicina Geral e Familiar, a Pediatria, a Medicina Interna e a Anestesiologia continuavam a ser as especialidades detidas por um maior número de médicos especialistas.
Nesse ano, existiam 0,9 especialistas em Medicina Geral e Familiar por 1 000 habitantes com 15 ou mais anos e 1,7 especialistas em Pediatria por 1 000 habitantes com menos de 15 anos.
Entre 2000 e 2022, o número de especialistas em Pediatria aumentou 78,0% e o número de especialistas em Medicina Geral e Familiar aumentou 88,0% (em média, 2,9% ao ano), o que representa mais 0,9 médicos especialistas em Medicina Geral e Familiar por 1 000 habitantes com 15 ou mais anos.
Em 2022, 41,6% (25 153) do total de médicos inscritos na Ordem dos Médicos trabalhavam num hospital, menos 0,3 p.p. do que em 2021. A proporção de médicos a trabalhar nos hospitais tem vindo a diminuir nos últimos 23 anos: em 1999 registava um valor de 61,2%.

Cerca de 10 enfermeiros
nos Açores por mil hab.

Em 2022, estavam inscritos na Ordem dos Enfermeiros 81 799 profissionais, o que corresponde a 7,8 enfermeiros por 1 000 habitantes, valor idêntico ao de 2021.
O aumento do número de enfermeiros entre 2021 e 2022 foi de 1,9%, não seguindo a tendência de aumento anual, de 2,9%, em média, que se tinha verificado desde 2017.
De acordo com a repartição por local de actividade, 35,2% dos enfermeiros encontravam-se na região Norte, 21,9% na Grande Lisboa e 18,7% na região Centro.
O indicador relativo ao número de enfermeiros por mil habitantes era mais elevado nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores (10,1 e 9,8 enfermeiros por mil habitantes, respectivamente) e menor para os residentes na região Oeste e Vale do Tejo (4,9).
Do total de enfermeiros em atividade em 2022, 58 183 eram generalistas (71,1%) e 23 616 eram especialistas (28,9%), com predominância de especialistas em enfermagem de reabilitação (21,7%) e enfermagem médico-cirúrgica (20,6%).
Mais de metade dos enfermeiros trabalhavam num hospital em Portugal em 2022: 49 254, o que equivale a 60,2% do total de enfermeiros inscritos em 2022, menos 0,6 p.p. do que em 2021 e mais 5,1 p.p. do que em 2014.
A proporção de enfermeiros a trabalhar nos hospitais diminuiu de forma generalizada até 2014 (de 85,1% em 1999 para 55,1% em 2014), seguindo-se um período de crescimentos anuais entre 2015 e 2020 e uma diminuição daí em diante, de 61,8% em 2020 para 60,2% em 2022.

Edit Template
Notícias Recentes
Natalidade baixou e temos a maior mortalidade do país até aos 50 anos
S. Jorge pede ao governo medidas para combater despovoamento
Doentes de Hemodiálise já regressaram da terceira
D. armando na recepção do papa aos bispos portugueses
Sta. Maria prepara lançamentos suborbitais
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores