Edit Template

Bolieiro destaca “reencontro do partido” nos 50 anos do PSD

O Presidente do PSD/Açores, José Manuel Bolieiro, destacou Terça-feira o “momento de reencontro” do partido, nas comemorações dos 50 anos da sua fundação, que se assinalam em 2024.
Foi um discurso de unidade que marcou a celebração da data da constituição do partido, a 14 de Maio, num evento que reuniu os antigos líderes João Bosco Mota Amaral, Carlos Costa Neves, Manuel Arruda, Berta Cabral, Duarte Freitas e Alexandre Gaudêncio, no Salão Nobre do Teatro Micaelense, em Ponta Delgada.
“Nós somos pelo povo. E é por esta inspiração que temos de afastar a desagregação que já se viveu e motivar a unidade, elemento decisivo na capacitação do PSD”, afirmou José Manuel Bolieiro perante uma plateia de militantes e simpatizantes.

Elogio aos valores
de Mota Amaral

O líder social-democrata açoriano destacou que “o PSD/Açores é a causa da nossa comemoração, mas é também consequência de uma atitude, de um pensamento, de uma ambição, princípios e valores de João Bosco Mota Amaral”.
Reconhecendo que o partido começou pelo seu fundador, José Manuel Bolieiro sublinhou que foi com a participação de cada um dos seus líderes e militantes que o PSD se transformou “num grande partido”.
“Esta vida que celebramos, esta resiliência que demonstramos, deve-se também a todos os outros líderes após Mota Amaral, que aqui estão e deram o testemunho. Que orgulho ter convosco participado, partilhado no dirigismo partidário, mas sobretudo na militância das convicções que o PSD é, tem e oferece ao nosso povo”, salientou.
Para José Manuel Bolieiro, as comemorações que agora se assinalam são sobretudo “uma homenagem de afetos e de reencontros”.

Orgulho pelo percurso
do PSD

“É bom sentir o reencontro e o abraço afectuoso de militantes que há muito tempo não se viam e até de alguns que não só não se encontravam, como se tinham desencontrado. E isto também faz a diferença”, vincou o líder social-democrata.
“O retorno ao poder só depende da unidade”, elemento que considera “relevante para termos a coragem de assumir as nossas responsabilidades, de fazer cumprir os nossos valores, os nossos princípios, a nossa estratégia, fazendo, e para fazer, estando com responsabilidade de servir o povo”.
O Presidente do partido dirigiu-se àqueles “que viraram as costas ao PSD, num momento difícil, na verdade têm de ser chamados para em acto de contrição e dizer: aqui é que estão bem e é aqui que devem continuar a participar para servir o povo”.
Lembrou ainda que “quando estivemos no poder, cumprimos os objetivos, estes valores, estas causas, associados à humanidade, à prosperidade, não deixando ninguém para trás”.
Recordou igualmente que, “na oposição, nós cultivámos o interesse da democracia, o interesse destes valores em serem concretizados, chamando a atenção crítica do incumprimento dos mesmos, ou por omissão ou por ação contrária a estes objectivos”.
Daí que o Presidente do PSD/Açores expressasse o seu “orgulho em todo esse percurso no tempo de poder, no tempo de oposição, e as lideranças todas que não fizeram perder estes valores. Sinto-me herdeiro deste valioso património”.
José Manuel Bolieiro concluiu a sua mensagem de unidade, de reconhecimento e orgulho, sinalizando que “este Partido é grandioso com todo um legado” e que a “democracia e o PSD são indissociáveis”.

Lançamento de Livro de Ouro do PSD-Açores

O dia 14 de Maio foi marcado pelo lançamento do Livro de Ouro do PSD/Açores, elaborado pelo coordenador do Gabinete de Estudos do PSD/Açores, José Andrade, com testemunhos de todos os líderes da história do partido.

Edit Template
Notícias Recentes
Natalidade baixou e temos a maior mortalidade do país até aos 50 anos
S. Jorge pede ao governo medidas para combater despovoamento
Doentes de Hemodiálise já regressaram da terceira
D. armando na recepção do papa aos bispos portugueses
Sta. Maria prepara lançamentos suborbitais
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores