Edit Template

Vão chatear o Camões

Esquecido e humilhado pelos vindouros. Alvo das mais pérfidas piadas, fosse por ser zarolho, por ter escrito uma epopeia em verso difícil de entender, fosse também pela sua personalidade instável. De repente, a propósito dos quinhentos anos do seu nascimento, Luís Vaz passa a notícia nacional. Nos últimos dias não faltaram destaques nos media, sobretudo na imprensa escrita, que tentam redescobrir ou buscar algo mais sobre a sua vida e obra.
Independentemente da energia que dediquemos a compreender melhor a sua escrita, verdade é que Camões é uma individualidade ímpar da nossa cultura.
Por norma, como povo, somos avessos às artes e às literaturas, seja por não termos as ferramentas intelectuais – a Escola -, seja por mera atitude sobranceira, típica do status futebolístico: tremoço e cerveja em primeiro lugar, só depois as artes.
Lembramo-nos e citamos Luís Vaz se algum membro da elite da capital se lembra de obsequiar o público com a descoberta de um facto insólito e provavelmente escandaloso da sua vida, achando engraçada qualquer circunstância belicosa e altissonante.
Luís Vaz de Camões anda novamente nas bocas do mundo. E isso é bom! Num país onde há estudantes do ensino superior que não sabem identificar três cidades portuguesas, que falem ao menos dele entre tremoços, imperiais e a final do campeonato europeu de futebol. Com Sagres. Com Super Bock. E com Heineken. Para quem não saiba, são marcas de cerveja mais conhecidas que as cidades portuguesas.

Luís Soares Almeida*

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores