Edit Template

Professor Joaquim Barradas : como veria o momento vivido hoje?

Joaquim Barradas de Carvalho foi um português nascido em Lisboa, 1920. Morreu em 1980. Em artigo anterior considero Joaquim Barradas, como intelectual. Um “intelectual nômade”. O que significa, para mim? Aquele que não separa o Ofício de Historiador do lugar do Cidadão, atuando como militante contra o arbítrio.
Podemos nos aproximarmos, com mais compreensão, da luta contra o regime salazarista, a perseguição sofrida, o refugiar-se na França, doutorando-se em Estudos Ibéricos pela Sorbone – Universidade de Paris.
Não sendo a França segura, onde salazaristas não pudessem entrar e estando Barradas perseguido por salazaristas, vem para o Brasil. Mais precisamente São Paulo, onde torna-se professor da Universidade de São Paulo (USP). Com o endurecimento da ditadura militar no Brasil, Barradas, em 1969, volta para França e , finalmente, retorna à Portugal em 1974.
Estamos nos referindo a um intelectual engajado nas lutas de seu tempo. Falamos sobre o século XX. E o século XXI? Se o século XX foi conturbado: duas guerras mundiais, guerras localizadas (nem por isso menos cruéis), etc…, o século XXI é marcado pelo retrocesso; por guerras locais; pela ascensão de uma extrema-direita organizada e que ganha, principalmente, no campo das religiões adeptos que marcam claramente suas posições; ao mesmo tempo ganham visibilidade as pautas identitárias (feminismo, racismo, gênero, indígenas, entre outras). Contraditoriamente, as relações pessoais tornam-se mais conservadoras, “modos de ver o outro” dentro da sociedade tem, “modos de tratar o outro” vão tornando-se cada vez mais violentos. Matar torna-se banal.
Dentro de um quadro social, cada vez mais caótico, perigoso, o aspecto ambiental atravessa a linha de risco. Risco para a flora, fauna e humanos. É enfrentada uma pandemia mundial, com milhões de mortos, chamada COVID. Muito a ciência trabalhou diante do desconhecido e até os dias presentes novas variantes do vírus surgem.
O quê diria Joaquim Barradas de Carvalho? Não sabemos. Porém, Barradas tinha seu interesse, como pesquisador, sobre “que país é Portugal” ? “Como se modifica socialmente” ? “Como se deu as conquistas do além-mar”?; podemos produzir, como possibilidade, o movimento de um intelectual que se debruçaria justamente nas modificações sociais; buscando entender o processo civilizatório voltado majoritariamente para a Inteligência Artificial e qual lugar o humano ocuparia…

Adir Luz Almeida *

  • Dra. em História da Educação e Historiografia – Universidade de São Paulo; Professora Adjunta da Universidade do Rio de Janeiro
Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores