Edit Template

Muito obrigado, Ronaldo!

Caro Ronaldo, vou tratar-te por tu.
Afinal de contas vi-te treinar inúmeras vezes e, como já escrevi por aqui, vi-te fazer aquela extraordinária arrancada frente ao Moreirense. Celebrei aquele golo com um enorme sorriso. Era o teu primeiro golo. Tinhas 17 anos e o mundo pela frente. Todos nós te apontávamos a um futuro muito risonho. A bancada dividia-se entre ti e o Quaresma.
O Quaresma, até por já ter sido campeão na época transata e por ser dois anos mais velho, levava ligeira vantagem nas “apostas”. Acontece que rapidamente puseste termo a esta “discussão”. Às trivelas, à magia das fintas, aos golos bonitos e assistências do teu amigo Quaresma, respondeste com uma força mental e capacidade de trabalho que mais ninguém tem.
Obviamente que tinhas, desde muito novo, as qualidades necessárias para seres um grande jogador. Mas isso não chega. Para alcançar o patamar onde chegaste é preciso muito mais do que jeito para a bola.
Tu, melhor do que ninguém, sabes os sacrifícios, as horas de treino, a alimentação, o descanso, etc… Nada disto é segredo, mas a verdade é que só tu estás onde estás com quase 40 anos.
Por isso, Ronaldo, merecias que os deuses estivessem do teu lado. Não estiveram. A França não permitiu. A seleção francesa é muito superior à portuguesa.
Aquele jovem francês que te tem por ídolo joga muito. Aquelas arrancadas não te lembram ninguém? E aquele pontapé indefensável?
Cabeça erguida, Ronaldo. Limpa essas lágrimas. A hora é de agradecimento. Não teu, mas meu e de todos os que adoram futebol. Mesmo aqueles que não gostam de ti, e há muitos, reconhecem que tu és de outra massa. És o símbolo maior do País. O português mais conhecido em todo o mundo. É nisto que deves pensar.
O teu trabalho, que vai terminar com perto de um milhar de golos a nível sénior, muitos títulos e incontáveis prémios e distinções, é reconhecido em todo o mundo. Principalmente depois de passarmos a fronteira…
Caro Ronaldo, não foi a despedida, em matéria de europeus, que a tua estratosférica carreira merecia. A saída, sem qualquer golo marcado, não combina com os quase 900 golos marcados ao longo de mais de duas décadas com que chegaste à Alemanha para o teu sexto europeu. É claro que este desfecho, previsível para mim, não pode ser imputado a um único jogador. Mas, como todos sabemos, tu representas, para o bem ou para o mal, muito mais que todos os outros juntos.
Mesmo a caminho dos 40 anos, sabes bem que tu é que vendes. Tu é que tens mais seguidores que todos os outros somados. Tu é que és o supercraque. E notei, caro Ronaldo, que já não estás a suportar bem este peso. Frente à Eslovénia, acabaste o jogo de rastos. Até um livre lateral fizeste questão de marcar. As tuas lágrimas pós penalti defendido pelo Oblak mostraram-me angústia e desespero. Nada disso era necessário.
Sais do Europeu pela porta maior. Pela porta por onde saem os gigantes. O abraço e a camisola que o Kylian Mbappé leva para casa deixa-o, garantidamente, mais feliz do que a vitória gaulesa.
Ah! Já agora… espero que tornes esta crónica num ato falhado!

Hernâni Bettencourt*

*Jurista

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores