Edit Template

Grupo Aeroporto do Pico exorta Berta Cabral a anunciar conclusão do estudo prévio para extensão da pista

O Grupo Aeroporto do Pico (GAPix) anunciou ontem que “aguarda a qualquer momento a conclusão do estudo prévio final para extensão da pista do Aeroporto do Pico (adjudicado em abril de 2023), bem como a divulgação das suas conclusões”.
Num longo comunicado enviado ontem aos jornais, o referido grupo picoense recorda que “no passado mês de março, a Secretária Regional do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas (Dra. Berta Cabral) justificou o atraso com a deteção de “obstáculos pela empresa que está a realizar o estudo”, sem que no entanto tenha desenvolvido o tema, mas adiantando novidades para o final do primeiro semestre de 2024. Esse novo prazo terminou há alguns dias”.
O GAPix entende que “a gateway da ilha do Pico ainda não alcançou todo o seu potencial de atratividade para as diferentes companhias aéreas, não por inexistência de procura pelo destino Pico, mas sim devido a condicionalismos ao nível da operacionalidade dos aviões, os quais tornam este aeroporto não só menos atrativo, mas também mais propenso a que existam cancelamentos de voos”.
Com base no conhecimento adquirido e partilhado pelo GAPix ao longo dos últimos anos, “conclui-se objetivamente que será uma mais valia aumentar o comprimento da pista de forma assegurar a operação sem limitações de “payload” para as aeronaves das famílias Airbus A320 e Boeing 737 — designadamente, uma extensão da pista de modo a obter um comprimento de pista à descolagem (TORA) de 2.345 metros, mais cerca de 700 metros do que a pista atual”.
O Grupo do Pico lembra que o documento do parecer da DOV/SGA “comprova que a ampliação da pista do Aeroporto do Pico em 700 metros permite que toda a frota da SATA possa operar sem limitações (incluindo os A321neo), é sugerida uma forma de mitigar obstáculos do terreno, é indicada claramente que é urgente a implementação de aproximação por instrumentos por RNP para (pelo menos) a pista 09 (em curso, como referimos). Não menos importante, o parecer do Grupo SATA (DOV e SGA) realça que a ANAC deve ser envolvida o mais rapidamente possível no processo, pois antevê-se “um tempo de análise e de aprovação com longevidade significativa”. O GAPix “aguarda também a declaração da zona de ampliação da pista como zona de utilidade pública, permitindo a expropriação desses terrenos, mesmo tendo usufruído dos apoios do VITIS, caindo os prazos mínimos para se manter as vinhas, que correspondem a apenas 1% do total de área classificada de 1000 ha. Após o término do estudo prévio final da ampliação da pista poderá então ser enviado um estudo patrimonial justificativo à UNESCO, a aferir que a ampliação da pista não tem impacto na classificação da Paisagem da Vinha e do Vinho.

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores