Preços da gasolina, gasóleo e gás já subiram

combustiveisO preço da gasolina de 95 octanas aumentou ontem nos Açores um cêntimo por litro, enquanto os gasóleos rodoviário, colorido e marcado consumido na agricultura e nas pescas subiram dois cêntimos por litro.
Uma nota de imprensa do Governo Regional adianta que o preço do gás e do fuel para a indústria aumenta dois cêntimos por quilo, assegurando que “todos os combustíveis continuarão a ter, nos Açores, um preço máximo significativamente inferior ao preço de referência dos combustíveis no mercado nacional”.
O Governo dos Açores justifica que as recentes alterações das cotações de referência dos produtos petrolíferos registadas nos mercados internacionais vão levar a uma actualização do preço máximo de venda dos combustíveis na Região Autónoma dos Açores.
Assim, a gasolina de 95 octanas passa a custar 1,41 euros por litro, enquanto o gasóleo rodoviário passa a custar 1,19 euros por litro.
O gasóleo consumido na agricultura passa a custar 0,69 euros por litro, enquanto o preço do gasóleo consumido nas pescas passa a ser de 0,49 euros por litro.
O gás butano passa a custar 1,46 euros por quilo, enquanto o fuel industrial passa a ter um preço de 0,51 euros por quilo.
No caso da gasolina de 95 octanas, a diferença do preço máximo praticado nos Açores para o preço praticado no continente será de menos 10%, enquanto no gasóleo rodoviário essa diferença será de 12%.
Os preços dos gasóleos consumidos na agricultura e nas pescas terão uma diferença para o mercado nacional de, respectivamente, menos 20% e menos 22%.
Quanto ao gás, o seu preço por quilo passa a ser inferior em 26% ao que é praticado no continente e, no caso do fuel, o preço praticado na Região é inferior em 20% àquele que é praticado no continente.

Preço dos combustíveis não influencia utilização de carro

A evolução do preço do petróleo não tem consequências na utilização que 57% dos portugueses fazem do automóvel, ainda que 43% dos condutores nacionais inquiridos admitam que têm tendência a desfrutar mais da viatura quando o preço do combustível está baixo, mais de metade circulam com o carro independentemente das alterações nos valores do petróleo.
 Estas são algumas das conclusões do mais recente estudo do Observador Cetelem.
Os portugueses são, no entanto, mais afectados pelo preço do combustível do que outros países analisados.
É no Reino Unido (84%), Bélgica (81%), Alemanha (76%), França (76%) e Estados Unidos (76%) que os valores cobrados pelo combustível menos afectam a circulação automóvel, na medida em que os condutores se mostram mais indiferentes a este factor.
 “Muitos portugueses utilizam o automóvel como a sua forma principal de transporte. Isto significa que, seja qual for o preço do combustível, vão abastecer o seu veículo, pois precisam de se deslocar. Mesmo assim, do ponto de vista económico e da poupança, o consumo é um aspecto essencial para os condutores nacionais, como podemos observar pela sua clara preferência pelo diesel em relação à gasolina”, comenta Pedro Ferreira, Director da área automóvel do Cetelem.
 As análises e previsões deste estudo foram realizadas em colaboração com a empresa de estudos e consultoria BIPE (www.bipe.com).
Os inquéritos quantitativos aos consumidores foram conduzidos pela TNS Sofres, em Junho de 2016, em quinze países – África do Sul, Alemanha, Bélgica, Brasil, China, Espanha, Estados Unidos da América, França, Itália, Japão, México, Polónia, Portugal, Reino Unido e Turquia.
No total, foram inquiridos mais de 8.500 proprietários de automóveis.

Plano ‘Açores Export 2017’ apoia e promove potencial exportador das empresas regionais

sisab portugal1O plano ‘Açores Export 2017’, inserido na estratégia de incremento de exportações de produtos e serviços regionais desenvolvida pelo Governo dos Açores, contempla múltiplas iniciativas e diversos apoios às empresas, designadamente participação em feiras, actividades promocionais e organização de missões empresariais, com o objectivo de promover a notoriedade externa da Região e, em particular, a das empresas e produtos ‘Marca Açores’, potenciando novos negócios.
No âmbito deste plano, implementado pela Vice-presidência do Governo, através da Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores (SDEA) em parceria com a Câmara de Comércio e Indústria dos Açores, a Região vai participar com um stand no SISAB PORTUGAL 2017 - Salão Internacional do Sector Alimentar e Bebidas, que decorre de 6 a 8 de Março, em Lisboa.
Neste certame, onde são esperados mais de 1.600 compradores internacionais provenientes de cerca de 110 países para negociarem com cerca de 500 expositores e comprarem exclusivamente marcas e produtos portugueses, vão estar representadas 31 empresas regionais de diversos sectores, como lacticínios, carne, conservas, peixe, chá, compotas e licores, entre outros.
 Ainda a nível nacional, o ‘Açores Export 2017’ prevê também a participação da Região na Alimentária, outro relevante evento que, pelo seu modelo de funcionamento e dimensão, permite às empresas regionais o contacto directo com importadores de todo o mundo.
 A nível internacional, este plano prevê a participação das empresas açorianas em feiras como a Salón de Gourmets, em Madrid, a TottoFood, em Milão, a Portugal Expo, no Luxemburgo, e a SIAL, em Toronto.
 Ainda relativamente ao mercado externo, está contemplada a realização de campanhas publicitárias e acções promocionais em pontos de venda estratégicos nos Estados Unidos da América.
 No ‘Açores Export 2017’ estão ainda inscritas mais acções desenvolvidas através do programa Azores Buyers Exchange, promovendo a visita de potenciais importadores, nacionais e estrangeiros, ao arquipélago.
 Este programa tem permitido a concretização de novos negócios, através do contacto directo com os empresários e as empresas regionais.
 Por outro lado, com o objectivo de aumentar a visibilidade e comercialização dos produtos regionais junto do consumidor final, em especial os detentores da Marca Açores, o plano ‘Açores Export 2017’ prevê a realização de acções promocionais também no arquipélago.
 Estas acções, que integram a participação de empresas das nove ilhas, inserem-se na política de incentivo à implementação de estratégias de proximidade e do desenvolvimento de novas oportunidades de negócio no mercado interno regional por parte da produção agro-alimentar, designadamente por via do crescimento do sector turístico.
 Promover a exportação dos principais sectores económicos da Região, com especial relevância para o sector agro-alimentar, apoiar a capacitação das empresas açorianas no seu processo de internacionalização, fomentar a cooperação entre empresas, reduzir as importações e promover e valorizar os produtos regionais são, assim, alguns dos objectivos norteadores do plano ‘Açores Export 2017’.

Executivo açoriano promove visita de empresários do Canadá ao arquipélago

CanadáA Vice-Presidência do Governo, através da Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores (SDEA), promove, entre 21 a 25 de Janeiro, a realização de uma visita à Região por empresas canadianas, que inclui as ilhas de São Miguel, Terceira e Pico, durante a qual terão encontros com vários empresários regionais.
A comitiva canadiana integra o empresário de origem micaelense David Tavares, fundador da Globestar Systems e presidente do grupo empresarial liderado pela holding Tel-e-Group, que inclui a Tel-e Tecchnologies e a Canada Pure. Esta comitiva empresarial inclui ainda George Soleas, Presidente e CEO da LCBO – Liquor Control Board of Ontário, principal retalhista e distribuidor do sector de bebidas na província de Ontário, Kevin Smith, Presidente e CEO dos hospitais St. Joseph Health System e Niagara Health System, e Jane Gaynor, fundadora da Gain Your Edge, empresa que tem por missão a parceria estratégica com líderes empresariais.
A missão empresarial ‘Buyers Exchange’ permite dar a conhecer ‘in loco’ a origem dos produtos e os seus métodos de produção e fabrico, pretendendo-se, desta forma, promover melhores oportunidades de negócio. A deslocação ao arquipélago destes empresários canadianos dá continuidade ao trabalho desenvolvido pelo Governo dos Açores no sentido de promover o aumento das exportações, bem como a consolidação da estratégia de internacionalização das empresas açorianas.

Turismo, Ambiente e Energia apontados como sectores de crescimento económico dos Açores

marta guerreiro hortaA Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo assegurou ontem, na Horta, que uma das preocupações do Governo dos Açores é potenciar o crescimento económico do arquipélago, com a salvaguarda intransigente das características que tornam as ilhas diferentes e peculiares a nível mundial, através da junção do turismo com o ambiente e a energia.
 Marta Guerreiro, que falava na Assembleia Legislativa, no final das audições nas comissões de Economia e dos Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho, salientou o “conjunto de investimentos e de acções previstas para qualquer uma destas três áreas, que estão muito relacionadas e fazem muito sentido juntas”, com um valor global para 2017 superior a 50 milhões de euros, numa estratégia concertada com a sustentabilidade energética e a salvaguarda dos recursos naturais, potenciando a actividade turística no arquipélago como destino de natureza.
 Relativamente ao ambiente, a Secretária Regional frisou que o foco para 2017 centrar-se-á na preservação da diversidade biológica, na água, na gestão de resíduos e no combate às invasoras, a que se junta a conclusão do Plano para as Alterações Climáticas.
 Para 2017, o Governo Regional tem como objectivo primordial o desenvolvimento de uma agenda política energética regional, ancorada nos objectivos de aumento da eficiência energética e de redução da dependência e dos custos dos combustíveis fósseis.
 Marta Guerreiro, sobre a estratégia de mobilidade eléctrica, salientou a sua implementação este ano, acrescentando que a Região tem “as condições ideais para desenvolver este projecto”, estando já a ser efectuado um trabalho em parceria com o poder local, com as empresas do sector dos combustíveis e com os concessionários automóveis.
 No sector do turismo, a prioridade é a consolidação de uma oferta turística assente na fruição activa de espaços naturais e, segundo Marta Guerreiro, com “investimentos em termos de formação, essencial neste sector, que visam quem está a fazer o seu percurso inicial, quem já está no mercado de trabalho, mas também quem pretende encontrar no turismo um sector profissional novo”.
 Marta Guerreiro salientou ainda a aposta “na promoção nos mercados que estão definidos no Plano Estratégico de Marketing do Turismo do Açores, ferramenta que entrou em vigor no ano passado, bastante consensual após o debate com todos os agentes do sector e que define, claramente, o mercado e os produtos de cada uma das ilhas”.

Número de desempregados inscritos nos Açores é o mais baixo dos últimos cinco anos

sergio avilaO Vice-presidente do Governo afirmou ontem que o Executivo vai “prosseguir e reforçar” as políticas de criação de emprego que têm permitido reduzir de forma consistente o número de desempregados inscritos nos Açores e que, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), diminuiu 11 por cento em Novembro, comparativamente ao mesmo mês de 2015.
“Os dados agora revelados pelo IEFP demonstram que o número de desempregados inscritos nos Açores é o mais baixo dos últimos cinco anos” frisou Sérgio Ávila, destacando que “esta realidade demonstra a consistência da estratégia empreendida pelo Governo dos Açores, no sentido de criar medidas e políticas activas de promoção do emprego”.
As Agências para a Qualificação e Emprego registaram em Novembro 9.621 inscrições na Região, o número mais baixo desde Novembro de 2011, ano desde o qual se tem vindo a registar uma redução mensal consistente do número de desempregados inscritos.
Sérgio Ávila destacou ainda o facto dos dados do IEFP se reportarem a um mês em que, tradicionalmente e devido à sazonalidade de alguns sectores de actividade, se regista um aumento no número de inscritos.
“Temos conseguido continuar a reduzir o desemprego, mesmo nas alturas cuja sazonalidade teria, no passado, provocado a variação positiva do desemprego”, frisou.
Para o Vice-presidente, esta conjugação de factores e valores “confirma que estamos no rumo certo e que as medidas empreendidas devem ter continuidade”, no sentido de, “progressivamente, continuar a reduzir o desemprego nos Açores” e “assegurar criação de mais emprego”.
Sérgio Ávila sublinhou, no entanto, que “as medidas tomadas e os resultados alcançados não permitem encarar esta realidade apenas pelo seu lado positivo”, frisando que importa “dar continuidade e reforçar as medidas, de forma a que possamos continuar a reduzir, como temos feito, o desemprego de forma sustentada”.