Edit Template

Açores registaram a maior disparidade do movimento migratório do país com destaque para o Corvo

O movimento migratório no ano passado apresentou um contributo positivo em 290 dos 308 municípios (94%), destacando-se com crescimentos migratórios superiores a 2%, um conjunto de 22 municípios: 10 da região Centro, sobretudo da sub-região Oeste, 5 municípios do Alentejo, os municípios de Vila Nova de Cerveira (2,57%), São João da Madeira (2,53%) e Porto (2,41%) da região Norte, os municípios do Corvo (4,02%) – com o maior valor do país – e São Roque do Pico (2,23%) da Região Autónoma dos Açores e ainda os municípios de Castro Marim (2,23%) no Algarve e Porto Santo (3,03%) da Região Autónoma da Madeira.
A Região Autónoma dos Açores foi a sub-região que, em 2022, registou a maior disparidade na taxa de crescimento migratório entre municípios (+3,67 p.p.): o maior valor registou-se no município do Corvo e o menor em Vila Franca do Campo (0,35%).
Em 2022, a mediana da idade da população residente era de 47 anos ao nível nacional.
Os 25% de população residente com menor idade tinham até 26,7 anos (1º quartil) e os 25% da população mais velha tinha 64,2 ou mais anos.
Ao nível sub-regional, o valor do 1º quartil da idade da população residente variava entre 23,9 anos na Região Autónoma dos Açores e 35,0 anos no Alto Tâmega.
O valor do 3º quartil era também mais elevado no Alto Tâmega (71,1 anos) e mais baixo na Região Autónoma dos Açores (59,1).
O Alto Alentejo e o Baixo Alentejo apresentaram as maiores diferenças, superiores a 39 anos, entre o 3º e o 1º quartil da idade da população.
Em 2022, a idade mediana da população residente foi superior à referência nacional (47,0 anos) em 16 das 25 NUTS III e 10 destas sub-regiões apresentavam valores iguais ou superiores a 50 anos, destacando-se o Alto Tâmega com o maior valor mediano (56,6). A Região Autónoma dos Açores (42,7) e a Área Metropolitana de Lisboa (45,0) eram as únicas sub-regiões com idade mediana igual ou inferior a 45 anos.
O retrato municipal deste indicador evidenciava valores medianos mais elevados nos municípios do interior da região Norte e Centro por oposição aos municípios do litoral do continente e das regiões autónomas que apresentavam idades medianas da população residente mais baixas.
Neste contexto, salientam-se, contudo, alguns municípios do interior que constituem bolsas de vitalidade demográfica e que correspondem na sua maioria a sedes de Distrito: Viseu, Évora e Beja.
Em 2022, 141 dos 308 (45,8%) municípios registavam idades medianas superiores a 50 anos, tendo os municípios de Oleiros (62,9), Pampilhosa da Serra (62,6), Alcoutim (62,6) e Vinhais (62,4) registado valores superiores a 62 anos. Apenas os municípios de Ribeira Grande (37,8) e Lagoa (39,9), ambos da Região Autónoma dos Açores, apresentaram uma mediana etária abaixo dos 40 anos.

Edit Template
Notícias Recentes
União Desportiva do Nordeste comemora os 50 anos do clube
2ª edição da formação “Cidadania Digital: Riscos e Oportunidades da Internet”
Bolieiro manifesta oposição à criação de uma taxa turística regional
Actividade ambulatória de Pediatria regressa amanhã ao HDES
Há 5 municípiosnos Açores com mais procura de casas para viver no campo
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores