Edit Template

O que espero de 2024

“De um momento para o outro, e sem que se esperasse, ocorreu o “boom” turístico. Os empresários açorianos responderam de imediato e, com apoios de fundos europeus, os Açores passaram de um arquipélago desconhecido, à ribalta dos melhores destinos. Espera-se que tal continue, com a qualidade exigida, e que as valias financeiras daí resultantes abranjam também os trabalhadores do setor, cuja representação sindical ou é inexistente ou está moribunda.”

A poucas horas do início de mais um ano, encaro 2024 com expetativa e esperança de que a vida melhore. Sobretudo para quem sofre os efeitos das doenças, da guerras e dos ódios destruidores da paz e da convivência humana. Não são estes os votos que todos desejamos?
O cidadão comum atribui aos governantes das nações, aos políticos e aos eleitos democráticos, grandes responsabilidades pela melhoria das condições de vida. Afinal, são eles que superiormente decidem as relações entre os povos, promovem a guerra e a paz; são eles que administram os exércitos e o poder das armas; são eles que gerem as funções primordiais dos estados: os direitos à vida, à saúde, ao ensino e educação, à habitação, ao emprego.
Os dinheiros públicos arrecadados junto dos cidadãos, constituem um fator poderosíssimo nas opções do crescimento económico e do desenvolvimento humano, pelo que há que ter o máximo cuidado nas escolhas que os cidadãos fazem quando elegem os seus representantes democráticos.
2024 será um ano de três eleições: regionais, nacionais e europeias.
Qualquer uma delas marcará o nosso futuro pelas opções que forem tomadas no domínio público.
À partida, os eleitores açorianos não estão em pé de igualdade com os cidadãos do continente português, nem de outros cidadãos europeus. Razões de vária ordem, que não vêm agora ao caso, justificam o nosso atraso económico e o desenvolvimento humano.
Mesmo por isso exige-se que as dez candidaturas apresentadas ao ato eleitoral de 4 de fevereiro apresentem as suas propostas e soluções para superarmos o estádio de desenvolvimento em que nos encontramos.
E como a natureza não dá saltos, há que definir objetivos e etapas. De outro modo, não chegaremos lá. A experiência tem demonstrado que alguns dos grandes investimentos públicos não trouxeram a mais-valia que se esperava.
É verdade que muitas infraestruturas foram construídas: portos, estradas, aeroportos, escolas, hospitais e nem todas as necessidades neste campo são satisfatórias. Todavia, parece-nos que importa avaliar o percurso para reorientar os investimentos públicos, já que a situação social e demográfica o impõe.
A quase meio século de celebrarmos a criação da autonomia constitucional democrática, impõe-se repensar os nossos destinos, corrigir projetos e delinear um novo modelo de desenvolvimento regional.
Nos últimos anos, os Açores receberam contributos e sugestões importantes ao desenvolvimento de potencialidades ainda não valorizadas. Refiro-me a investimentos no aproveitamento dos fundos marinhos da enorme Zona Económica Exclusiva, que impliquem a investigação e prospeção científicas; da nossa localização geográfica e do aproveitamento das suas potencialidades para experiências aeroespaciais; das capacidades estratégicas resultantes da nossa implantação no Atlântico Norte, entre as Américas e a fronteira da Europa e do que isso acarreta para a navegação marítima transatlântica. Neste domínio, o crescimento do turismo de cruzeiros indicia novas vantagens que todas as ilhas poderão beneficiar desde que preparadas para programas específicos que já começam a surgir.
De um momento para o outro, e sem que se esperasse, ocorreu o “boom” turístico. Os empresários açorianos responderam de imediato e, com apoios de fundos europeus, os Açores passaram de um arquipélago desconhecido, à ribalta dos melhores destinos. Espera-se que tal continue, com a qualidade exigida, e que as valias financeiras daí resultantes abranjam também os trabalhadores do setor, cuja representação sindical ou é inexistente ou está moribunda.
Espero que as forças políticas candidatas à Assembleia Legislativa Regional não façam de slogans publicitários e de discursos de apelo ao voto o fulcro das suas ações de campanha.
É imenso o trabalho político para convencer o cidadão de que ele é a raiz do poder democrático e que não pode deixar na mãos de outros o processo electivo.
É para acabar com o “eles querem é o poder” e “são todos iguais” que as forças políticas devem expressar-se de forma a que as suas propostas sejam entendidas e consideradas.
Esta não é uma eleição para a Assembleia de Freguesia ou para a Câmara Municipal em que a construção o arranjo de um caminho ou a amizade com este ou aquele candidato pesam muito no ato de votar.
São eleições sobre o futuro da nossa terra: sobre que tipo de desenvolvimento, de agricultura e pescas, de turismo, de saúde, de educação e ensino melhor respondem às necessidades de uma população cada vez mais envelhecida e às jovens gerações, cada vez em menor número, mas com ânsias de partir para mais tarde voltar.
É, pois, urgente pensar no declínio demográfico e como contrariá-lo, sem o que o desenvolvimento e o bem-estar social serão prejudicados. Sem receios e sem preconceitos. Afinal também nós somos descendentes de outras regiões euro-africanas, de outras culturas e construimos, ao longo dos séculos, a açorianidade.
Gostaria que 2024 sinalizasse uma viragem no discurso político dos candidatos e futuros governantes, que pusesse de lado as mensagens sem ideias, repetitivas, medíocres, popularuchas, agressivas e maldizentes e valorizasse a apresentação e discussão de propostas sérias e bem-fundamentadas.
Se assim for, os cidadãos, com a sua sabedoria, saberão escolher os melhores.

José Gabriel Ávila*

*Jornalista c.p.239 A
http://escritemdia.blogspot.com

Edit Template
Notícias Recentes
Turistas gostam da paisagem e da segurança e não gostam dos serviços de restauração e dos transportes de táxis e de autocarros
Desaparecido turista belga que se encontrava a realizar um trilho pedestre na Lagoa do Fogo
Sismo de magnitude 2.6 na escala de Richter sentido na ilha Terceira
Programa para a prevenção do cancro gástrico arranca na Terceira
Detido indivíduo fortemente indiciado da prática do crime de detenção de arma proibida na Ribeira Grande
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores