Edit Template

O homem de negro

“Há uma semana chegara do Canadá para passar a festa com ele que vivia sozinho. Os outros seis filhos há muito emigraram: três vivem em Fall River, nos Estados Unidos e três em Toronto. Vidas difíceis que nunca mais tinham permitido voltar, nem mesmo pela morte da mãe, há um ano atrás.”

A noite caía sobre a cidade iluminada pelas festividades do Natal. Um silêncio sepulcral invadia a rua, só a espaços acordada pelo rodar de viaturas apressadas.
Deambulando em frente de casa, recordando um passado de tantas memórias, Patrício viu aproximar-se um vulto, em passos cadenciados, dirigindo-se para o centro do velho burgo.
“Alguém aflito, certamente, em busca de ajuda”, pensou o antigo morador da Rua da Cidade. “Quem me dera poder socorrê-lo…”
O vulto aproximou-se e, sem reduzir a marcha, soltou a tradicional saudação em tom delicado: “Boa noite!” Patrício, admirado, de imediato correspondeu: “Boa Noite!”
Patrício, era um homem alto, simpático, bem falante, mas as cores da idade avançada já se refletiam no cabelo e na barba, destacando-se dos negros agasalhos da noite fria de Dezembro.
“Quem seria aquele rapaz vestido de negro dos pés à cabeça, barba por fazer tapando um rosto ainda jovem, sapatilhas gastas e negras, cabelo desgrenhado e mãos escondidas nas mangas de um pulôver gasto pelo uso?”, pensou Patrício continuando a palmilhar o reduto em volta da casa.
Estava ele nestes pensamentos sem respostas, e ouve-se uma voz feminina forte, do interior da casa:
“Pai, oh pai, venha p’ra dentro! Está frio. Anda p’raí um andaço de gripes a atacar muita gente. Oxalá o Pai não seja mais um. Deus o guarde!”, comentou Maria da Piedade, filha mais velha de Patrício, espreitando a rua, da porta de casa.
À medida que a noite avançava, o frio e o silêncio mais se acentuavam.
Não havia viv’alma pelo caminho, talvez porque aquela era a noite da família, e a ceia da consoada habitualmente acompanhada dos tradicionais licores caseiros que aquecem e confortam.
“Vamos p’ra dentro. São horas.”, disse Patrício à filha. “Se tua mãe fosse viva, ainda pensava ir à Missa do Galo. Assim, não tenho ninguém que me leve lá. Por esses caminhos escuros não me atrevo a caminhar…”
Maria da Piedade ouviu, sentiu-se impotente para satisfazer os desejos do pai e não respondeu.
Há uma semana chegara do Canadá para passar a festa com ele que vivia sozinho. Os outros seis filhos há muito emigraram: três vivem em Fall River, nos Estados Unidos e três em Toronto. Vidas difíceis que nunca mais tinham permitido voltar, nem mesmo pela morte da mãe, há um ano atrás.
Maria da Piedade, sentou-se na sala, junto do pai que, recostado na velha cadeira de balanço, coberto com uma antiga manta de lã, não desviava o olhar do Presépio. Para quebrar o silêncio e a saudade da mãe e dos irmãos desabafou:
“A vida é assim. Uma casa tão grande e de tanta gente, e de um momento para o outro vazia…” e as lágrimas rolaram-lhe pela cara abaixo, num choro de luto pela sua mãe que Deus chamara para si.
“Ó rapariga! – atalhou o pai – Deus sabe bem o que faz. Estávamos os dois pr’aqui a olhar um pr’ó outro e Nosso Senhor chamou-a primeiro. Agora estou à espera e não levará muito tempo também irei… Vossemecês estão cada um para seu lado, com maridos e filhos. Não há coisa mais linda! Só eu estou pr’aqui sozinho. Vou continuar assim?…”
Maria ouviu e guardou para si o que lhe ia na alma.
A noite avançava e o sono começava a pesar.
Patrício, com as contas entre os dedos, de vez em quando dormitava. Maria, recostada no ombro do pai, não conseguiu manter-se acordada e sucumbiu ao cansaço das limpezas da casa.
De repente os sinos da Igreja começam a repicar, chamando os fiéis para as cerimónias.
Sobressaltada, Maria despertou julgando que a noite de Natal já tinha passado.
“ Está a tocar para a missa do dia, pai?”
“Ainda não, Maria. É para a Missa do Galo, mas não temos como lá ir…”
Decorridos alguns minutos, ouve-se um toque à porta: “Ó Maria! Ó tio Patrício!…” Fez-se um silêncio como se alguma coisa de grave tivesse ocorrido.
Na verdade não era isso. Um amigo da casa, Manuel Correia, homem religioso e ligado às coisas da igreja, lembrara-se de levar alguns idosos à Missa.
Maria ergueu-se, arranjou o vestido e o cabelo e sem mais reparos correu assustada para a porta.
“Tu por aqui, Manuel, a estas horas? Aconteceu alguma coisa de grave?”
“Não, Maria. Descansa. Eu é que me alembrei de levar teu pai à Missa do Galo. Tu que dizes? É uma prenda do Menino. Nada melhor vos posso dar…”
Maria escutou as palavras do antigo colega de escola e num gesto agradecido abraçou-o com as lágrimas nos olhos.
“Vai arranjar teu pai. Daqui a pouco volto cá”.
Maria da Piedade que tomara o nome da Padroeira da freguesia por devoção da mãe, ainda da porta, foi prevenindo o pai que tinha de arranjar-se para ir à Missa.
Patrício ergueu-se a custo da cadeira, mas com ar satisfeito, pois alguém se lembrara dele e de outras criaturas tementes a Deus, para quem a Missa do Galo constitui um marco da Fé dos crentes.
“Graças a Deus, que alguém pensa em nós”, murmurou Patrício.”Eu tinha a certeza de que o Menino não se ia esquecer da gente, mais não fosse a pedido de tua mãe…”
“Que alegria o Manuel nos deu, meu pai. Nem tudo é mau nesta vida. Nós é que não temos Fé suficiente para acreditar que Deus nos protege. Seja louvado Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Mãe Maria Santíssima!” afirmou Maria com voz forte e pronunciada.
“Deus seja Louvado!”, respondeu Patrício, aprontando-se para ir à Missa do Galo.

José Gabriel Ávila*
*Jornalista c.p.239 A
http://escritemdia.blogspot.com

Edit Template
Notícias Recentes
Prioridade nas creches será para crianças de pais trabalhadores
Milhares de Sopas do Espírito Santo hoje no Campo de S. Francisco
Açores registam forte subida no ranking das escolas
Número de doentes internados com Covid-19 está abaixar
Arquivado processo de dois padres Açorianos suspeitos de abuso sexual
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores