Edit Template

Ritos de Esperança Bom Ano

Ritos de Passagem! Alegria! Entusiasmo! Euforia de instantes. Tudo se espera de uma noite de Ano-Novo. Saudações a uma Vida Nova e a todas as portas que se abrem miticamente nesse novo ano.
Quantos projetos? Quantos sonhos e anseios parecem prometer esta frase?
Por instantes, o Planeta resplandeceu de luzes, cores e festas deslumbrantes, risos, bailes e canções, alegria e sonhos para milhões pessoas ma mítica passagem de ano. Esquecemos a miséria, a guerra, a corrupção, as vítimas do Poder nas incertezas e medo das sombras sinistras do futuro. Os sonhos da Paz numa “Natureza onde tudo está Bem” são anseios de filósofos e sábios para uma Humanidade sempre em guerra.
Um instante mágico ou mais uma ilusão de um despertar que não acontece? Que ficará do Ano passado? Como tudo se apaga com a realidade da madrugada de um outro dia que se diz ser de “Ano Novo”? Escreve-se nos calendários, fusos ou órbitas gravitacionais. Chegam os balanços das empresas, centros de negócios, da fama e do poder, no fabuloso progresso das sofisticadíssimas tecnologias até no digital que nos escravizam cada vez mais. Ritmos acelerados, mudanças inesperadas, tantas interrogações e surpresas nos deram o ano velho.
Fingem-se renascimento de corações, ambições, esperanças e aspirações e projetos se lançam na folhinha do calendário já quase inútil e sem préstimo. Agora a Vida é o Instante, oposição à força da inércia dos velhos hábitos. A loucura do imaginário de um Mundo onde a perfeição se alcançará, todos os homens serão generosos e a luz brilhará em todos os corações. Prometemos Vida Nova mas instalam-se os velhos hábitos que resiste ao adágio. Ano Novo, Vida Nova!
Mítica e utilitária, consumista e empolgada pelos meios de comunicação a nova modernidade grita Festa para cada dia em vez da construção da Paz.
Embrulha-se esta noite nos mais extravagantes festejos, numa frase que esconde gastos e loucuras desenfreadas. A frase fica oca fora do ritual, do mito, da repetição dos votos, na alegria contagiante das massas enlouquecidas do vazio de ter tanto e ser tão pouco.
Quantos ficaram pelo caminho? Quem ficou para trás? Também nós ficaremos e a festa continuará…
Quem tem coragem de afirmar a plenitude da sua felicidade? Esse slogan do “Dever de ser feliz” tornou-se num egoísmo cego e individualista que a sociedade aplaude e intoxica as multidões que se devem manter sempre insatisfeitas na ponte do arco-íris.
Slavoj Žižek (1947), considerado o filósofo mais perigoso do mundo pela sua rebeldia contra as massas conformadas, apontava para o “super ego” social que quer impor o dever de “compra, usa e deita” fora para corresponder à sociedade onde o consumo é o centro. Somos um produto pronto para gastar e depois passaremos nós a ser esquecidos logo que somos também consumidos.
É ridículo pensar nesse dever de ser feliz, se vemos por todo o lado desgraçados, infelizes, milhões de abandonados e, no meio do lixo mesmo à nossa beira espreitam abismos
Desfaz-se todo o engano nas badaladas da meia-noite numa roda cintilante de luz efémera e surdez ao grito do Planeta que chora a sua destruição. Também nós vamos mergulhar no esquecimento. O dever de ser feliz empurra-nos para diante. Lá, num futuro qualquer sempre do outro lado da ponte, a plena felicidade espreita-nos e ofusca-nos. É a Ilusão. Entretanto o ser humano não progride. Esquecemos os séculos e séculos e os milhões e milhões de sacrificados, escravizados e mortos que se escondem por trás desses minutos da passagem do ano.

Dia da Paz 1967 Papa Paulo VI
Os vícios são eufemisticamente apagados, a psicologia “explica tudo” com as frases feitas para todas as ocasiões da aparição do Mal. Kant também se referia aos vícios bestiais, da gula, a lascívia ou a anarquia. Ao amor físico de si, juntam-se os vícios sociais, ditos diabólicos, da inveja, da alegria pelo mal dos outros. Daqui se fomentam os males do ódio, da cobiça, da ganância sem fim.“Só a personalidade humana é capaz de desobedecer às inclinações para o mal que é descer abaixo de todos os outros animais e tornar-se governado pela razão da lei moral. Kant! A personalidade tem a disposição mais elevada de existirmos pela boa vontade, algo completamente válido, que nos conduz para o Bem.
O Ano Novo surge tal como o velho e não procuramos descobrir o sentido da Vida, na ilusão de cumprimento do super dever da felicidade? À custa de quem e com que direito esta frase é a prova do egoísmo animal? Estamos todos intoxicados pela força da ideologia! No presente a ironia da cultura de morte é ser hedonista! Os meios de comunicação, os média comandam o nosso pensar comum.Os grupos atiram achas pra a fogueira com atividades sem causa.
Neste momento milhares de cientistas, astrónomos, técnicos especialistas discutem a A.L, e muito mais que nunca chegará ao saber do comum das gentes. O futuro é a nossa ignorância e os nossos mais profundos medos. É o saber que a Natureza reduz a cinzas. São os projectos que nunca têm realidade. Planeia-se e escrevem-se ou guardam em milhares de conhecimentos que nunca se realizam. O destino da História joga-se na humanidade e será o livre arbítrio que a conduz. A Paz é a esperança maior.
Nunca o futuro foi mais inseguro, o medo nunca foi tão semeado, quanto mais conhecimentos alcançamos mais a ignorância grita a loucura humana.
Bom Ano Novo! A náusea da existência, a descoberta do absurdo, as desilusões constantes mostram como estes votos são reais apenas num instante e só para uma pequena parte da Humanidade. “O Tesouro das Cozinheiras” encerra mais “felicidade” porque o estomago vence facilmente a consciência.
Mas o Sistema exige a Festa. O Poder impõe a ilusão. O egoísmo torna-nos indiferentes ao sofrimento alheio, o esquecimento do Outro, dos que nunca terão festas. Humilhamos os desgraçados, os desesperados e tantos escravos com esta frase gritada aos quatro ventos! Preparemo-nos para guerra se queremos Paz.
Vale a pena meditar, pode ser este um momento, para olhar sem falsidade, afinal quem somos, o que valemos, o Bem que espalhamos. O Planeta morre à míngua! Como um baralho de cartas que cai, assim os povos caminham face a riscos e pavores como jamais aconteceram! Há fome em todos os sentidos. Nenhum gozo nem nenhuma felicidade nos contenta. A oportunidade de começar de novo, de construir a Pessoa centrada no Humano e não no animal é o desafio de cada dia.

Bom Ano Novo para construção de um Reino de Paz.

Lúcia Simas

Edit Template
Notícias Recentes
União Desportiva do Nordeste comemora os 50 anos do clube
2ª edição da formação “Cidadania Digital: Riscos e Oportunidades da Internet”
Bolieiro manifesta oposição à criação de uma taxa turística regional
Actividade ambulatória de Pediatria regressa amanhã ao HDES
Há 5 municípiosnos Açores com mais procura de casas para viver no campo
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores