Edit Template

“Gestão dos aeroportos da ANA devia passar para a Região”

O especialista e consultor em aviação comercial, Pedro Castro, defende que os aeroportos dos Açores geridos pela ANA/VINCI deviam passar para a Região e retirá-los da alçada do Governo da República.
“Focava-me em obter maior autonomia e poder regional sobre as infra-estruturas do arquipélago numa agenda comum aos governos regionais para retirá-los da alçada do governo central”, afirma Pedro Castro, a propósito de uma pretensão da Câmara Municipal de Vila do Porto, em reabrir o aeroporto de Santa Maria para operações nocturnas.
Com efeito, a presidente do município de Vila do Porto anunciou que pretende reforçar contactos para a reabertura do Aeroporto Internacional de Santa Maria, no período nocturno.
Bárbara Chaves pretende oficiar, novamente, às entidades competentes para o efeito, a começar pela própria ANA – Aeroportos de Portugal/VINCI Airports, que gere a infra-estrutura.
A autarca mariense explica que o reforço da posição tem que ver com os dois últimos pedidos de aterragens de emergência: um avião da companhia aérea colombiana Avianca em Novembro passado, com cerca de 250 passageiros a bordo e outro da companhia espanhola Air Europa em Dezembro, com cerca de 355 passageiros.
Para Bárbara Chaves, estas situações reforçam a importância do Aeroporto Internacional de Santa Maria como uma infra-estrutura de enorme relevância de apoio de retaguarda em caso de emergência para a aviação comercial transatlântica e de suporte a aeronaves certificadas com ETOPS das muitas companhias aéreas que, diariamente sobrevoam as ilhas dos Açores, nas suas rotas de e para a América.
O mesmo se passa quanto a uma melhoria das condições para receber e apoiar as escalas técnicas da aviação executiva, que podem ser muito mais exploradas.
Comentando esta pretensão, Pedro Castro diz que entende e “estou solidário com a iniciativa da presidente da Câmara da Vila do Porto. Como tantos autarcas responsáveis mas com recursos limitados por este país fora tenta olhar à sua volta e pergunta-se: “o que é que existe já feito no meu território que posso aproveitar para alavancar a minha economia local?” É um pensamento saudável em termos do que a sociedade deveria ser e é um pensamento academicamente correto em termos de política pública. Como não estamos em período de eleições municipais, atrevo-me a dizer que é uma preocupação autêntica e uma intuição genuína desta autarca”.
E acrescenta o especialista em aviação comercial: “Infelizmente os governos regional e central estão atarefados com eleições e o significado político de Santa Maria em ambos os casos é parco. Dentro do nosso regime de autonomia regional, o aeroporto de Santa Maria (como o de Ponta Delgada, da Horta, das Flores, mas também o do Funchal e do Porto Santo) é considerado infraestrutura do governo da República e o que se faz ou deixa de fazer no aeroporto de Santa Maria, se fecha às 21h ou se está aberto 24 horas, é totalmente irrelevante para Lisboa; e para a Vinci-ANA Aeroportos que se viu obrigada a aceitar todos os aeroportos – mesmo aqueles que não queria – para poder ficar com aqueles que realmente lhe interessam, este tema de Santa Maria é ainda menos relevante. Sobretudo se a ANA conseguir, através do seu aeroporto em Ponta Delgada, cobrir esse tipo de oportunidade e de situação.
Mesmo que perca algum desse tráfego para a Terceira, mesmo assim, isso pode não compensar alterações em Santa Maria de um ponto de vista económico para o concessionário que, neste momento, tem tanta coisa com que se preocupar no Continente, em Ponta Delgada e até na Horta”.
Pedro Castro sublinha que “ter um aeroporto aberto para situações excepcionais ou para uns jactos privados abastecerem parece-me ser um modelo de negócio muito frágil”.
“Infelizmente, a vontade da autarca será totalmente esmagada por estas forças politíco-económicas antagónicas ao seu interesse local. Por isso mesmo, eu aconselharia fazer algo de diferente, mas que vai muito para além do calendário eleitoralista: focava-me em obter maior autonomia e poder regional sobre as infraestruturas do arquipélago numa agenda comum aos governos regionais para retirá-los da alçada do governo central; em seguida, tentaria então colocar o assunto na agenda e na prioridade da região, com a respectiva pressão sob o concessionário. Mas isto seria um esforço para começar hoje e para terminar… um dia”.

Edit Template
Notícias Recentes
Turistas gostam da paisagem e da segurança e não gostam dos serviços de restauração e dos transportes de táxis e de autocarros
Desaparecido turista belga que se encontrava a realizar um trilho pedestre na Lagoa do Fogo
Sismo de magnitude 2.6 na escala de Richter sentido na ilha Terceira
Programa para a prevenção do cancro gástrico arranca na Terceira
Detido indivíduo fortemente indiciado da prática do crime de detenção de arma proibida na Ribeira Grande
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores