Edit Template

Discurso de líder

Fez uma entrada triunfal no lugar onde se realizava o comício, no meio de aplausos entusiásticos e de uma onda de bandeiras, onde havia muitas azuis e brancas, dos Açores, predominando, porém, as do PSD, mas também com outras do CDS e do PPM, partidos integrantes da presente Coligação de Governo, que concorre às eleições do começo de Fevereiro.
Foi agradecendo as saudações, para um lado e para o outro, correspondendo com um rasgado sorriso, com os braços erguidos ao alto, em atitude já de vencedor.
Subiu ao estrado, onde o aguardava um grupo de jovens com bandeiras, testemunhando a adesão da juventude ao caminho trilhado nos últimos anos nas nossas ilhas e reclamando, sem nada dizerem, a continuação das reformas necessárias para o progresso da Região Autónoma dos Açores.
Quando começou a falar, caiu em todo enorme espaço, onde se acotovelavam milhares de pessoas, de todos os extractos sociais e oriundas de toda a nossa Ilha de São Miguel, algumas também vindas de outros pontos do Arquipélago, nomeadamente os cabeças de lista da Coligação nas várias ilhas, um profundo silêncio, só interrompido pelos aplausos e vivas e os gritos de “Bolieiro! Bolieiro!”.
Foi-se então desdobrando perante a audiência um verdadeiro discurso de líder! José Manuel Bolieiro confrontou-nos a todos com as medidas aplicadas pelo Governo a que preside ao longo do mandato, agora abruptamente interrompido, e por cada uma delas assumiu, corajosamente, integral responsabilidade.
A mais destacada dessas medidas foi a baixa generalizada dos impostos directos, sobre os contribuintes individuais (IRS) e sobre as empresas (IRC) até ao máximo permitido pela Lei de Finanças Regionais em vigor, e apresentado como compromisso do PSD logo no respectivo Programa Eleitoral de Governo. Com isso, afirmou o Presidente, foi deixado na disponibilidade da sociedade civil, ao longo do período em causa, um montante estimável em 140 milhões de euros! Quanto ao IVA, o mais importante dos impostos indirectos, a redução, de valor equivalente, vem da altura em que o mesmo entrou em vigor e foi acertada entre os Governos, da República e da Região, ao tempo em funções, por sinal ambos da responsabilidade política do PSD.
Foi também o Governo Regional liderado por José Manuel Bolieiro a criar a Tarifa Açores, que permitiu aos Açorianos e às Açorianas viajar entre as ilhas com uma tarifa bonificada no valor de 60 euros. Com isso foi dado um impulso decisivo ao turismo interno, por sinal numa altura em que o turismo proveniente do exterior, quer do espaço nacional quer do estrangeiro, acusava uma acentuada baixa por virtude ainda do rescaldo da grave crise pandémica mundial. O significado dessa importante medida para o conhecimento do Arquipélago por parte dos seus próprios naturais nem precisa ser sublinhado, tão evidente ele é!
Mas a acção do Governo de Bolieiro estendeu-se às mais variadas áreas da Administração Pública, em todas elas deixando uma marca indelével. Desde logo no sector dos transportes aéreos, foi enfrentada a gravíssima situação da SATA e adoptadas as providências que se impunham, resgatando a empresa da falência em que fora praticamente deixada pela governação anterior. O professorado, bem como os profissionais de Saúde, tiveram melhorias apreciáveis na sua situação, em termos remuneratórios e de estabilidade pessoal, o que fez com que a escola pública e o Serviço Regional de Saúde se mantivessem a funcionar normalmente nas nossas Ilhas, enquanto no território continental da República, sob governação socialista, andaram de crise em crise e com constantes paralizações, altamente lesivas dos interesses dos alunos e dos doentes e das suas famílias.
Não é possível evocar sequer aqui todas as diferentes áreas e medidas mencionadas por José Manuel Bolieiro no seu impressivo discurso de liderança. Quando mencionou as medidas do âmbito social e sobre habitação, que tanto afectam a situação dos jovens como dos idosos e das respectivas famílias, olhei para o Vice-Presidente do Governo e líder do CDS, Artur Lima, sentado na mesma mesa em que me encontrava, e apreciei o comovido brilho dos seus olhos, como responsável directo das áreas em causa no Governo agora injustamente derrubado.
O Presidente não gastou muitos argumentos contra os adversários, tão obviamente machucados perante a obra realizada pelo Governo. Mas, espevitando a memória dos presentes quanto aos desenfreados exageros de protagonismo dos partidos políticos com escassa representatividade eleitoral e ainda assim com representação no Parlamento Regional, não hesitou em pedir uma maioria robusta para a Coligação de Governo que lidera, de modo a tornar possível uma governação estável e com capacidade para realizar o seu programa, sem ter de atender a exigências descabeladas de minorias, que qualificou de “politiquices”. Assim seja ouvido por todos, que os Açores necessitam de andar para a frente, em clima de liberdade e de afirmação autonómica, correspondente ao espírito da Revolução do 25 de Abril.

João Bosco Mota Amaral*

*(Por convicção pessoal, o Autor não respeita o assim chamado Acordo Ortográfico)

Edit Template
Notícias Recentes
Governo activa regime de apoio á emergência climática
Alexandre Gaudêncio destaca importância do XX Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia
Câmara da Lagoa apresenta ópera “Suor Angelica”
Carreiras dos farmacêuticos no Parlamento
República financia captação de águana Praia da Vitória
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores