Edit Template

Politicamente (in)Correto

Qualquer ato eleitoral acarreta, para o Estado, uma despesa pouco comum e sempre inoportuna, sobretudo se se tratar de eleições antecipadas ou intercalares, portanto não previstas no regular calendário quadrienal (legislativas nacionais ou regionais, e autárquicas) ou quinquenal (presidenciais ou europeias).
Mas os investimentos, frequentemente a necessidade de reforço orçamental, alastram a outras estruturas, cujo esforço muitas vezes não é reconhecido pela opinião pública. Como é o caso da RTP, que nos Açores se assume legitimamente como pilar da autonomia e fator preponderante de ligação entre ilhas e açorianos, de aquém e de além-mar.
Nestas eleições regionais, ao concentrar o seu centro operacional para televisão no “Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas”, na Ribeira Grande, a estação pública volta a reunir a totalidade dos seus recursos técnicos, humanos e financeiros, num esforço de mobilização sem precedentes e que merece ser enfatizado e aplaudido.
Quando amanhã, no domingo de votação, Rui Goulart abrir a emissão especial de cobertura das eleições regionais, apresentará uma sondagem “à boca das urnas” encomendada pela própria RTP Açores à Universidade Católica, para dar forma às projeções de resultados e consequente distribuição de deputados. João Simas e Dulce Bradford (de longe, atualmente, os melhores e mais credíveis pivôs açorianos de notícias) acompanharão o Diretor do Centro Regional ao longo da emissão, para a qual a RTP A arregimentou novidades cénicas, de iluminação, de som, de grafismo e de tecnologia digital.
É o trabalho mais visível de um “iceberg” que deveria ser reconhecido, também, a nível nacional.
Mas não. Numa atitude que me lembra o mais puro e duro colonialismo, a RTP 1 montará igualmente um centro de emissão autónomo nas Portas da Cidade, em Ponta Delgada. Isto é, ao invés da mais lógica e coerente solução de economia de escala e de confiança nos meios técnicos e humanos regionais, o principal canal público nacional faz deslocar a Ponta Delgada mais de vinte profissionais e respetivos recursos de emissão para sediar, ele próprio, um espaço nobre, em direto, para os seus telespetadores.
Não sou “quadro” da RTP nos Açores. Se fosse, estaria naturalmente indignado e entristecido. As provas de confiança devem surgir quando mais necessárias são, e para os maiores desafios. A inteligência emocional quase nula, aliada a uma nítida desconfiança nas capacidades dos profissionais da RTP Açores faz desta atitude da RTP 1 e da sua Direção de Informação uma prova de desprezo, colonialismo encapotado e incapacidade de reconhecer as particularidades e especificidades do serviço público de televisão no arquipélago.
Por isso, embora geograficamente muito longe (em Joanesburgo, na África do Sul), amanhã, às 19 horas, não terei dúvidas em aceder à RTP Play para acompanhar a emissão da RTP Açores. O pilar da autonomia reconhece-se pelo esforço nos limites, pelo empenho e pela dedicação dos seus profissionais, tantas vezes ignorados no centro lisboeta de decisões e, sobretudo, apenas requisitados quando a Lisboa ou ao Porto “dá jeito”.
Podemos algumas vezes discordar de critérios editoriais ou opções gerais de programação ou investimento (tantas e tão interessantes conversas tenho, ao longo do tempo, com o Rui Goulart, de quem sou amigo há trinta anos!…), mas não nos podemos desviar do essencial: a RTP Açores merece todo o respeito dos telespetadores e da própria estrutura da empresa pública.
O respeito que conquistou ao longo de quase 50 anos de emissões regulares, contra ventos e marés, a unir mar afora o que os Açores têm de melhor: a sua alma e a sua gente.

Rui Almeida*

*Jornalista

Edit Template
Notícias Recentes
Natalidade baixou e temos a maior mortalidade do país até aos 50 anos
S. Jorge pede ao governo medidas para combater despovoamento
Doentes de Hemodiálise já regressaram da terceira
D. armando na recepção do papa aos bispos portugueses
Sta. Maria prepara lançamentos suborbitais
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores