Edit Template

SPEA convida os açorianos a contar milhafres

O milhafre ou queimado como é conhecido no arquipélago é uma presença assídua nos céus dos Açores e bem conhecido dos açorianos.
Nos dias 6 e 7 de Abril, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) convida-o a contribuir para a ciência e a conservação, participando no Censo de Milhafres.
Este censo pretende contribuir para avaliar o estado da população da única ave de rapina diurna que nidifica no arquipélago: o milhafre (Buteo buteo rothschildi) facilmente observável e medindo entre 1,10 e 1,30m da ponta de uma asa à ponta da outra.
Anualmente, durante um fim de semana, dezenas de voluntários percorrem, de olhos postos no céu, 7 das 9 ilhas dos Açores onde a espécie ocorre.
Os dados recolhidos por esses voluntários têm permitido aos especialistas aprofundar o conhecimento sobre diversos aspectos da biologia da espécie, tais como o comportamento e os habitats mais utilizados e acompanhar a sua evolução.
Com o Censo dos Milhafres, a SPEA acompanha a situação desta espécie nos Açores e na Madeira, onde é conhecida como manta (em Portugal continental, a ave é apelidada de águia-d’asa-redonda).
Desde o início do censo, em 2006, já participaram 2.645 voluntários em ambos os arquipélagos, e já se observaram perto de 10 000 aves, elevando esta iniciativa ao maior projecto de Ciência Cidadã coordenado pela SPEA.
“O sucesso deste censo depende da participação dos voluntários que nos ajudam a acompanhar os milhafres e mantas nos Açores e Madeira. Em 2023, tivemos um aumento do número de novos voluntários a participar. Este ano, temos como objectivo aumentar o número de percursos realizados em ilhas como Terceira, Pico, Faial e São Jorge. Convidamos toda a gente a juntar-se a nós, e a trazer a sua família e amigos”, diz Ana Mendonça, técnica da SPEA.
Os milhafres podem ser observados um pouco por todo o lado, desde as zonas florestais e pastagens até aos centros urbanos.
São frequentemente avistados a voar ou pairar no céu, ou pousados em cima de muros, postes ou outros pontos altos de onde possam avistar os roedores de que se alimentam.
Estas águias são predadores de topo: comem também pequenas aves, insectos e minhocas, sendo importantes para a regulação dos ecossistemas onde se inserem.
Apesar da crescente consciencialização, o milhafre ainda enfrenta desafios como o envenenamento, a eletrocussão em linhas eléctricas ou até mesmo o atropelamento.
Em 2023, 83 miúdos e graúdos voluntariamente percorreram mais de 1228 km para contar milhafres nos Açores.
Foram observados um total de 310 milhafres, sendo possível estimar que existem 2294 aves no nosso arquipélago.
Para participar não é preciso saber de ciência, nem ser um especialista: basta conseguir identificar esta ave de rapina e querer contribuir. Para o fazer, contacte a SPEA através do email [email protected], para definir o percurso que irá fazer em busca de milhafres.
Para dar a conhecer todos os pormenores e esclarecer eventuais dúvidas, a SPEA organiza ainda o webinar gratuito “Censo de Milhafres/Mantas” a decorrer no dia 27 de Março
“Agradecemos a todos os voluntários que têm participado e apelamos a que se juntem novamente a nós nesta 17ª edição” diz Ana Mendonça.

Edit Template
Notícias Recentes
há 4 médicos por mil habitantes nos açores, abaixo da média nacional
Venda de carros novos dispara nos dois primeiros meses
Câmara de P. Delgada reforça em 60% verbas para as Juntas de Freguesia
Livro reúne testemunhos sobre os 50 anos do 25 de Abril nos Açores
Câmara Municipal de Ponta Delgada e Greenvolt entregam Bolsas de Mérito a alunos do ensino secundário
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores