Edit Template

Alcatel vai instalar cabos submarinos entre o continente, Açores e Madeira

A Alcatel vai construir e instalar o sistema de cabos submarinos de ligação do continente, Açores e Madeira (CAM), um investimento de 154,4 milhões de euros, com conclusão prevista para 2026, e a operação ficará com a Infraestruturas de Portugal (IP).
O contrato para a execução da empreitada para a concepção, construção, fornecimento, instalação e entrada em exploração do cabo de fibra óptica submarino de telecomunicações foi assinado ontem pela Infraestruturas de Portugal (IP) e pela Alcatel Submarine Networks.
“Hoje em dia, mais de 95% de tudo o que é comunicação e internet é suportado por cabos submarinos. O que estamos a assinar é um contrato em que vamos criar condições para substituir o sistema de comunicações do Continente, Açores e Madeira”, adiantou o Presidente da IP, Miguel Cruz.
O actual sistema, que está em operação desde 1999, tem uma capacidade na ordem dos 300 gigabites por segundo, enquanto o novo terá aproximadamente 150 terabites.
Este novo sistema – Anel CAM -, que tem 154,4 milhões de euros de investimento, vai permitir melhorias ao nível do desempenho das comunicações e, consequentemente, um “preço mais baixo”.
No que se refere ao investimento, a estimativa é ter um máximo de financiamento de 100 milhões de euros, através das verbas do leilão de 5G (quinta geração de redes móveis).
A par disto, foram realizadas duas candidaturas ao CEF-Digital (‘Connecting Europe Facility’).
Na primeira ‘call’, o projecto foi aprovado com um apoio de 40,5 milhões de euros.
Já numa segunda ‘call’ foi candidatado o remanescente do investimento. Os resultados ainda não são conhecidos.
Este projecto, conforme apontou Miguel Cruz, tem cerca de 4.000 quilómetros de extensão de cabo submarino e conclusão estimada para o final de 2026, apesar de ainda não se conhecer a data para o início da obra.
O anel está inserido numa rede de comunicações internacionais, que permite “qualidade de comunicações” e transforma Portugal num “pólo agregador”.
De acordo com o presidente da IP, este cabo tem ainda quatro pontos de entrada na Europa — Corunha, Salamanca, Badajoz e Sevilha.
À IP, empresa pública “dona do investimento”, através da IP Telecom, terá igualmente a cargo a manutenção do Anel CAM.
Uma vez instalado, este cabo tem uma vida útil estimada de cerca de 25 anos.
Terminado o prazo, a estrutura continua a funcionar, mas, em termos tecnológicos, poderá já não dar resposta às necessidades dos utilizadores.
“Em qualquer circunstância, os cabos submarinos que vamos colocar têm níveis de previsão e adaptação ao aumento da procura, que se estimam significativos”, ressalvou o Presidente da IP.
O Anel CAM vai ter uma componente ‘Science Monitoring and Reliable Telecomunications’ (SMART) para a detecção sísmica e monitorização climática e ambiental, contando com a colaboração do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Edit Template
Notícias Recentes
há 4 médicos por mil habitantes nos açores, abaixo da média nacional
Venda de carros novos dispara nos dois primeiros meses
Câmara de P. Delgada reforça em 60% verbas para as Juntas de Freguesia
Livro reúne testemunhos sobre os 50 anos do 25 de Abril nos Açores
Câmara Municipal de Ponta Delgada e Greenvolt entregam Bolsas de Mérito a alunos do ensino secundário
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores