Edit Template

As grandes obras

Já se percebeu que o governo de Luís Montenegro quer deixar marca nesta passagem periclitante por S. Bento.
As grandes obras de outrora parecem voltar ao cardápio da República, numa linha talvez atabalhoada à Fontes Pereira de Melo.
Ora, o que é preciso é que este novo ‘fontismo’ não traga dissabores às ilhas, sempre renegadas para segundo plano quando se trata de grandes investimentos estratégicos.
O Estado tem sido um pai tirano para as suas próprias repartições nas Regiões Autónomas, onde quase tudo está degradado, esquecido e não cumprido.
Os exemplos abundam e não vale a pena voltar a eles, porque a lista é enorme.
A juntar à ingratidão da República temos agora o ministro das Infraestruturas a querer limitar o subsídio de mobilidade até um tecto de 600 euros, quando todos sabemos que as companhias aéreas cobrem, inúmeras vezes, muito mais do que isso.
É preciso que esta ideia não vingue, porque se passar na Assembleia da República é o PSD que vai ficar com o rótulo de carrasco do actual modelo.
O PS dos Açores já se comprometeu – e muito bem – a não aprovar esta alteração.
É preciso que Paulo Moniz e o PSD-Açores digam, também, NÃO a esta alteração.
Mas os problemas não vêm só do Estado.
São, também, as suas concessionárias, como é o caso da ANA.
A empresa que explora os aeroportos nos Açores, nomeadamente o de Ponta Delgada e da Horta, tem assumido uma atitude arrogante e negligente nos dois aeroportos.
No de Ponta Delgada tardam as obras de ampliação da aerogare e no da Horta fazem-se de esquecidos quanto à ampliação da pista.
Agora, ficamos a saber que a ANA assinou um contrato de empreitada para reforço da pista do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, num investimento de 50 milhões de euros.
Com esta operação, a ANA diz vai “reforçar as condições operacionais do aeroporto, sendo esta a maior intervenção realizada na pista desta infraestrutura”.
Nada contra, pelo contrário.
O que se questiona é o critério da ANA: os aeroportos que explora, até ao tutano, só existem no rectângulo?
E os das ilhas? Ficam para as calendas gregas?
É preciso que os órgãos de governo dos Açores sejam mais pro-activos na defesa dos interesses do povo açoriano.
Assistir, passivamente, a estas atitudes de discriminação, só nos desmotiva a todos, levando a concluir que andamos, novamente, como nos tempos dos Governos Civis, de chapéu na mão.
Temos de ser enérgicos com as nossas causas e não nos deixarmos espezinhar por aqueles que não nos respeitam.
Bolieiro já devia ter solicitado uma cimeira com Montenegro, porque há muitos “escolhos” que começam a surgir entre a República e as Regiões Autónomas.
Ao mesmo tempo, é preciso darmos o exemplo cá dentro e não fazermos com as nossas ilhas o que os poderes centrais fazem connosco.
O caso do porto de Ponta Delgada, denunciado esta semana pelos empresários de S. Miguel, é apenas um dos exemplos da péssima estratégia dos últimos governos (PS e coligação) ao deixarem ao abandono uma infraestrutura estratégica para toda a economia açoriana.
É uma vergonha o que se passa no porto de Ponta Delgada, com a falta de investimentos e a sua completa degradação na área opertacional.
Outra grande obra “esquecida” é a da ampliação da pista do Pico, que já cheira mal, com tantos estudos, tantos grupos de trabalho, tantas promessas e não se vislumbra nenhum avanço.
Os açorianos não dormem. Embora pareça.

Osvaldo Cabral
[email protected]

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores