Edit Template

Gastamos mais nos transportes e menos em restaurantes e alojamento – Famílias açorianas têm despesa média anual de 19.400 Euros

De acordo com os resultados definitivos do Inquérito às Despesas das Famílias 2022/2023, que refletem ajustamentos face aos dados provisórios divulgados em dezembro de 2023, a despesa anual média dos agregados familiares foi, em 2022/2023, de 23 900 euros, revelou ontem o INE.
Cerca de 2/3 da despesa média das famílias concentrou-se em encargos associados à habitação (39,3%), à alimentação (12,9%) e aos transportes (12,1%).

Açores afasta-se da média
nacional

À escala das regiões NUTS II, a despesa anual média foi mais elevada na Área Metropolitana de Lisboa (26 891 euros), mas também o Algarve superou a média nacional. Pelo contrário, a despesa média regional mais baixa foi observada na Região Autónoma dos Açores (19 431 euros), que também apresenta o perfil regional de despesa mais distante da média nacional.
Tomando como referência as 13 divisões da COICOP-2018 (Classificação do Consumo Individual por Objetivo), verifica-se que as famílias residentes na Região Autónoma dos Açores apresentaram o perfil de consumo que mais se afasta da média nacional, dada a maior importância relativa das despesas com transportes (14,3%, que compara com a média nacional de 12,1%), por contrapartida da menor importância das despesas com restaurantes e alojamento (5,1% na Região Autónoma dos Açores e 8,6% para o conjunto do país).
Também o Alentejo e, com menor expressão, a Área Metropolitana de Lisboa se distanciaram da média nacional, sobretudo por via do peso das despesas em habitação – menor do que a média nacional, no caso do Alentejo (33,4% face aos 39,3% de média nacional), e maior do que a média nacional, no caso da Área Metropolitana de Lisboa (43,8%).
No Algarve e na Região Autónoma da Madeira, destacam-se ainda comportamentos diferentes no que respeita às despesas com alimentação, que assumiram, no total da despesa média das famílias, maior (14,2%) e menor peso (11,6%), respetivamente, do que a média nacional (12,9%).

Mais ricos gastam mais

Considerando a despesa média dos agregados por classes de rendimento total por adulto equivalente, observase que os agregados do 1º quintil (20% com menores rendimentos) apresentavam um valor de despesa (16 294 euros) equivalente a 68% da despesa média total (23 900 euros).
No outro extremo, os agregados com rendimento equivalente correspondente ao 5º quintil (20% com maiores rendimentos) registavam uma despesa média total superior à média nacional em cerca de 46% (34 994 euros).
Tal significa que as famílias pertencentes ao último quintil de rendimento gastaram mais do dobro dos agregados familiares integrados no primeiro quintil de rendimento.
Por regiões, a desigualdade da despesa média anual entre os agregados pertencentes ao primeiro e ao último quintil era mais significativa na Região Autónoma dos Açores (em média, os 20% de agregados com mais recursos gastavam o equivalente a 2,3 vezes os gastos dos agregados com menores recursos), sendo o Algarve a região em que verificava uma desigualdade mais reduzida (1,7) entre o nível de despesa média daqueles com maiores e menores recursos.
Os resultados sugerem que, atendendo à composição familiar, os agregados com crianças dependentes gastaram em média, mais 9 731 euros do que as famílias sem crianças dependentes, o que se traduz numa despesa mensal média superior em 811 euros.

Edit Template
Notícias Recentes
Chega diz que “Pico é uma vítima do excesso de proibicionismo”
Lagoa terá Plano Municipal de Juventude
Bombeiros de Ponta Delgada irão transportar Coroa do Município na Grande Coroação
Água Retorta recebe XII Mostra Gastronómica no final de Julho
Povoação prepara-se para “Kids Festival” nos dias 20 e 21 de Julho
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores