Artigos

ARTE E COR exposição de artesanato de Lurdes Couto em Vila Franca do Campo

O interesse e o gosto de Lurdes Couto pelo artesanato acompanha-a desde a infância, com o incentivo familiar. A sua formação inclui artesanato em escamas de peixe, tapeçaria de Arraiolos, artes decorativas, trabalho em estanho e pintura em tela.

A exposição ARTE E COR, agora inaugurada na Galeria Dr. Augusto Simas, no Centro Cultural de Vila Franca do Campo, e que vai estar patente até 12 de março 2012, de 2ª a 6ª feira, das 08H30 às 17H00, é a primeira exposição individual da artista/artesã e apresenta uma variedade de trabalhos em que são utilizadas técnicas e artes que Lurdes Couto mostra dominar com maestria.

Cinema de quarta a domingo no Nordeste

A sala de cinema do Nordeste reabre esta semana com a exibição de quatro filmes em película normal (35mm). As sessões vão de hoje, quarta-feira, até domingo, com excepção da sexta-feira, pelas 21h00, no Centro Municipal de Actividades Culturais.

A sessão de domingo será matiné, pelas 15h00. Serão exibidos filmes de finais de 2011, entre estes, Confissões de uma Namorada de Serviço, do realizador Steven Soderbergh, Transgressão, de Joel Schumacher, Os Três Mosqueteiros, de Paul W.S. Anderson, e Alta Golpada de Brett Ratner. A programação está disponível no sítio da Câmara Municipal do Nordeste.

Concurso de Doces sábado na Ribeira Grande

Tem lugar no próximo sábado,, no Teatro Ribeiragrandense, a sexta edição do Concurso de Doces Festivos, uma iniciativa da Câmara Municipal da Ribeira Grande e que conta com o apoio do Centro Regional de Apoio ao Artesanato. Esta iniciativa tem tido como principais objectivos a divulgação e promoção da Gastronomia Tradicional, bem como incentivar o aparecimento de novas especialidades e iguarias confecionadas em São Miguel.

Este ano, o Concurso de Doces terá como um dos pontos altos, a realização de um workshop, intitulado "Doces com Arte", a ser ministrado por Mónica Silva, da Cake- Designer. Mónica Silva é uma jovem empresária que abriu, em 2010, o seu próprio negócio – Atelier de Confecção e Decoração de Bolos – Ponto de Açúcar.

Tem participado em várias formações, através da Escola de Decoração de Bolos – Istofaz-se, em Lisboa (PME – Arts & Crafts (Scholl of Cake Decorating & Confectionery Arts), nomeadamente, Curso de Decoração de Bolos – "Sugar Flowers module" e "Sugarpaste Module" em 2010 e "Royal Icing & Chiping Module" e "Master Certificate" em 2011. Participou também no 9º evento de Decoração de Bolos –"Alan Dunn", em 2011.

Com este workshop, as pessoas têm a oportunidade de aprender técnicas e pequenos segredos para decorarem os seus próprios bolos em casa. Mónica Silva também irá confeccionar um semifrio crocante de noz com fios de ovos, demonstrando como se pode fazer uma sobremesa fácil, mas com requinte.

A avaliação dos doces a concurso decorre entre as 13h00 e as 15h00, seguindo-se a venda ao público, cuja receita reverte para a Liga Contra o Cancro da Mama.

As inscrições decorrem até dia 26, podendo concorrer todas as pessoas em nome individual ou em grupo, numa ou mais das modalidades, sendo limitada esta participação a um doce por categoria. O concurso abrange doces miúdos, colher e fatia e fritos, em modalidade de Doces Conventuais, regionais e Outros e ainda as compotas.

“Domingo em Família” com o artista plástico Urbano no Museu Carlos Machado

O Museu Carlos Machado leva a efeito, no próximo domingo pelas 15 horas, no Núcleo de Arte Sacra/Igreja do Colégio, mais uma sessão da iniciativa intitulada "Domingo em Família", desta vez subordinada ao tema "Com Urbano, neste meio de mar".

Promovida pelo Serviço Educativo do Museu, esta actividade contará com a presença do artista plástico Urbano e de alunos da disciplina de Artes Visuais do 12º ano da Escola Secundária Domingos Rebelo, orientados pela professora Vera Máximo.

No âmbito do programa previsto para esta sessão, o pintor Urbano comentará o seu tríptico intitulado "Memórias dos Banhos das Alcaçarias", uma obra de 1996. Finda a apresentação, decorrerá um atelier pedagógico, no qual, com Urbano, os participantes serão desafiados a realizar trabalhos sobre a sua memória pessoal, recorrendo a diferentes técnicas e materiais, tais como areia e tinta, entre outros.

O objectivo desta actividade criativa é ilustrar como a percepção da realidade constitui uma leitura pessoal e subjectiva. Neste sentido, este encontro proporcionará aos participantes uma nova perspectiva sobre a exposição patente no Museu, "Urbano – neste meio de mar".

Filarmónica Estrela D’ Alva celebra 125 anos de existência a 2 de Fevereiro

A autarquia de Lagoa vai assinalar os 125 anos da sociedade filarmónica Estrela D’ Alva com a exibição da exposição "Sociedade Filarmónica Estrela D’Alva: 125 de Música e Tradição" que estará patente ao público até 10 de Fevereiro. A sua inauguração está agendada para o próximo sábado, pelas 20h30, no edifício paços do concelho de Lagoa.

De acordo com o presidente da câmara municipal de Lagoa, João Ponte, "são 125 anos a assumir um papel primordial na educação musical de crianças, jovens e adultos, contribuindo para o enriquecimento da própria história do concelho de Lagoa, a que esta filarmónica esteve sempre intrinsecamente ligada. Orgulhamo-nos do seu trabalho realizado na salvaguarda e valorização do património cultural. Uma referência, um orgulho para o concelho de Lagoa que representa mais do que uma geração a tocar sempre grandes melodias. É a homenagear e a reconhecer o trabalho destas gerações que concretizamos a exposição "Sociedade Filarmónica Estrela d’ Alva – 125 anos de Tradição e Música".

A exposição retrata a história desta filarmónica, quer através de alguns dos seus instrumentos, quer através do seu fardamento, partituras e fotografias, reportagens de jornais que, de uma forma singular, contam e retratam alguns dos momentos mais marcantes de uma das mais antigas instituições musicais do concelho.

Fundada a 2 de Fevereiro de 1887, na freguesia de Santa Cruz, por Manuel José Tavares Canário, a sociedade filarmónica Estrela D’Alva, através da sua Escola de Música que se mantém permanentemente a funcionar, tem conseguido um progressivo aperfeiçoamento artístico de cerca de cinquenta elementos, com idades compreendidas entre os dez e os quarenta e sete anos. Uma filarmónica que realça a juventude, mas que preserva as profundas raizes no passado cultural da Lagoa. De realçar ainda que o primeiro presidente desta filarmónica foi o Padre João José Tavares, sendo da sua autoria a letra e música do hino que se canta à padroeira desta freguesia – Nossa Senhora da Estrela.

Mais Lidas nos últimos 3 dias