Prisão preventiva para tripulantes do veleiro que transportava cocaína

PJ cracháFicaram em prisão preventiva, por se considerar haver perigo de fuga, os três indivíduos detidos pela Polícia Judiciária, na passada Quinta-feira, 30 de Maio, na sequência da apreensão de quase 600 quilos de cocaína a bordo de um veleiro, na marina da Horta, no Faial.

O veleiro era proveniente de San Martin, nas Caraíbas, e os três tripulantes estrangeiros detidos foram ouvidos em interrogatório no Sábado, dia 1 de Junho, segundo foi avançado num comunicado emitido pelo Tribunal da Comarca dos Açores. 

“Foram presentes ao juiz de instrução criminal da Horta, para interrogatório judicial e eventual aplicação de medidas de coacção, três indivíduos, detidos pela Polícia Judiciária, tripulantes da referida embarcação, sendo um de nacionalidade montenegrina, outro de nacionalidade croata e outro de nacionalidade britânica, porquanto na referida busca foram apreendidos 592,900 kg de cocaína, sendo os detidos suspeitos da prática de crimes de associação criminosa e de tráfico agravado de substâncias estupefacientes”, lê-se no comunicado enviado ontem às redacções.

O interrogatório judicial decorreu com auxílio de intérprete e teve início “pelas 10h30” de Sábado, prosseguiu “durante todo o dia até às 20h18, continuando no dia seguinte (Domingo) às 9h, decorrendo durante todo esse dia até às 20h04”. 

Após as declarações prestadas, o juiz de instrução considerou “estar fortemente indiciada a prática pelos referidos arguidos, em coautoria, de um crime de tráfico de substâncias estupefacientes, bem assim como em razão das circunstâncias apuradas haver perigo de fuga, razão pela qual determinou a prisão preventiva de todos os indiciados”.  

O processo de inquérito seguirá agora os seus “normais termos pelo titular da acção penal”.

Recorde-se que a embarcação de recreio proveniente das Caraíbas entrou na marina da Horta na noite de 29 para 30 de Maio e já estava sinalizada pelas autoridades que, em cumprimento de mandado judicial, levaram a cabo a busca que levou à apreensão da cocaína.

A investigação da PJ que levou à apreensão da droga contou com o apoio do Maritime Analysis and Operations Centre – Norcotics (MAOC-N), com sede em Lisboa, e das autoridades espanholas, francesas, italianas e montenegrinas, tratando de “uma das maiores apreensões na marina da Horta”.