Terapias de Medicina Tradicional Chinesa e Japonesa ganham força em São Miguel

reflexologia podal

Paulo Pacheco, formou-se em Reflexologia Podal pelo Instituto de Medicina Tradicional – Delegação do Porto, entidade que se assume como um dos mais conceituados estabelecimentos de ensino no campo das Medicinas Tradicionais em Portugal. Pelo mesmo instituto frequentou um workshop de protocolos de Shiatsu para patologias musculo-esqueléticas No seu percurso académico possui, ainda, uma Licenciatura e um Mestrado na área das Relações Internacionais e uma Pós-Graduação no campo das Ciências da Informação e Documentação.

O terapeuta explicou ao Diário dos Açores em que consistem as terapias que aplica actualmente na ilha de São Miguel, revelando que se tratam de procedimentos de autocura cujos benefícios estão já comprovados.

 

Diário dos Açores - O que é a reflexologia?

Paulo Pacheco - A Reflexologia é uma terapia de Medicina Tradicional Chinesa cujos primeiros registos datam de 5.000 a.C. A palavra “reflexologia” pode ser definida de várias formas diferentes, embora derive da palavra “reflexo”. Enquanto terapia, reflexologia significa que os nossos órgãos se encontram reflectidos (como uma imagem de espelho) nalgumas partes do corpo e assenta no desencadear de uma resposta nervosa inconsciente. Assim, podemos dizer que reflexologia significa estimular as zonas do corpo onde os nossos órgãos se encontram reflectidos, de modo a repor o equilíbrio e/ou a estimular o poder de autocura do organismo. Cada parte do corpo contém a informação do todo. Neste sentido, a Reflexologia é uma verdadeira terapia holística (do grego holos: inteiro), ou seja, que trata o indivíduo no seu todo. Tenta, assim, harmonizar as dimensões emocionais, mentais, espirituais, sociais e físicas da pessoa, sendo ao mesmo tempo, preventiva, curativa e fonte de bem-estar, devido ao relaxamento que induz.

 De notar que não substitui qualquer tratamento médico. A reflexologia é, sim, uma forma de completar um tratamento, dinamizando a sua acção e favorecendo uma recuperação mais rápida do estado geral. 

A reflexologia podal continua a ser a mais utilizada das reflexoterapias, uma vez que os pontos de tratamento são de fácil acesso no pé facultando um profundo bem-estar. 

 

Quais as vantagens e benefícios desta terapia?

PP - As vantagens e os benefícios são inúmeros, desde já por ser uma Terapia Natural, pelo que não trabalha com químicos. É uma terapia holística que trata o nosso corpo como um todo e que induz um relaxamento profundo o que, nos dias de hoje, é cada vez mais importante uma vez que segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) 90% da população mundial sofre de stress e esta patologia é reconhecidamente um factor desencadeador de inúmeras patologias físicas, para além das mentais. Para além disso tem a capacidade de normalizar funções corporais e melhorar a circulação sanguínea.

A Reflexologia apresenta inúmeras indicações terapêuticas começando desde logo pelos desequilíbrios emocionais, stress, depressão, ansiedade mas actuando igualmente em algias, ou seja dores, obstipações, cistites, recuperação pós operatória, cuidados paliativos e obstetrícia (excepto gravidez de risco). 

 

Em concreto como se aplica e a quem?

PP - O toque e a pressão são recebidos por determinado tipo de receptores existentes na pele que são, na realidade, terminações de neurónios aferentes, ou sensitivos, que enviam mensagens ao cérebro através dos gânglios nervosos e da medula espinhal. No cérebro, é elaborada uma resposta que viaja através dos neurónios eferentes, ou motores, de novo pela medula espinhal, sendo, então, trazida ao órgão correspondente onde exerce um efeito positivo, corrigindo qualquer anomalia eventualmente existente. A Reflexologia trabalha assim através de estímulos nervosos.

No que respeita à sua aplicabilidade a Reflexologia pode ser aplicada em todas as idades e as únicas restrições são a grávidas de risco, quem apresente processos infecciosos, febre ou sob efeito de substâncias que alterem o estado de consciência do indivíduo.

 

Quais os princípios da Reflexologia?

PP - Sendo uma Terapia Natural a Reflexologia assume os sete princípios da Medicina Natural que se baseiam primeiro no facto de não causar dano ao paciente; segundo, o Terapeuta é um professor, ou seja, explica toda a estratégia terapêutica, que tem que ser validada pelo paciente. Após explicarmos a estratégia, o paciente decide se a quer fazer ou não. Em terceiro, e como já referi anteriormente, trata o paciente como um todo, em quarto identifica a causa do problema, o que significa que se um paciente tem uma patologia que se manifesta de uma determinada forma devemos ir à raiz do problema, na maioria dos casos a medicação serve apenas para camuflar a situação, muitas das vezes trata-se apenas o sintoma ao invés de se ir à causa do problema.

O quinto princípio assume que a prevenção é a melhor cura, um organismo saudável é mais resistente como é óbvio, o sexto princípio assenta na promoção e estabelecimento da saúde e bem-estar.

Por último e um dos mais importantes fundamenta-se no poder curativo da natureza e na capacidade de autocura do nosso organismo. Princípio este que foi consubstanciado pela teoria de autopoiese dos investigadores chilenos Varela e Maturana em 1974. Poiesis é um termo grego que significa produção. Autopoiese quer dizer autoprodução. Os seres vivos são sistemas que se produzem continuamente. Somos autopoiéticos por definição, porque temos capacidade de recompor continuamente os nossos componentes desgastados. 

Desta forma, sendo detentores desta capacidade de autoprodução e sendo o papel do terapeuta a de estimulação da capacidade da autocura de desiquilíbrios energéticos, é fundamental a obtenção de um compromisso por parte do paciente pois a cura cabe ao paciente e não ao Terapeuta. O Terapeuta é apenas um meio.

 

Que tipo de problemas cura? Físicos, mental ou ambos?

PP - A Reflexologia tem larga aplicabilidade tanto para problemas físicos como mentais/emocionais no entanto é importante salientar que também apresenta limitações. Após a recolha dos dados do paciente e da patologia em causa e antes de iniciar um tratamento explico ao paciente o que é expectável que aconteça e nos casos em que a Reflexologia é “curta” ou não tão eficaz quanto outros tratamentos explico isso, esse é um dever ético. Já tive pacientes em que confrontado com determinadas patologias recomendei que recorresse à Medicina Convencional quer para apurar o diagnóstico quer para um tratamento mais eficaz. A Medicina Tradicional só vai até onde pode.

 

Há procedimentos a ter antes de uma sessão?

PP - Sim, antes de se passar para aplicação dos estímulos o terapeuta deverá certificar-se que o paciente não deve estar de barriga cheia, deve proceder à recolha dos dados do paciente e consequentes queixas e hábitos de vida. Posteriormente há uma explicação de toda a estratégia que é validada, ou não pelo paciente. No caso de ser aceite o paciente assina uma ficha de consentimento informado e passamos então para a aplicação dos estímulos após ser efectuada uma higienização dos pés, por parte do terapeuta.

 

As sessões são contínuas?

PP - Cada caso é um caso mas a intenção primária é alcançar a homeostasia (equilíbrio do organismo) o mais rapidamente possível de modo a libertar o paciente das sessões.

No caso de uma patologia se apresentar numa fase aguda, as sessões são menos espaçadas para se poder intervir rapidamente, aumentando este espaçamento com as melhorias demonstradas. Numa fase posterior, após alcançar a homeostasia ou equilíbrio o paciente pode, ou não, fazer uma sessão pontualmente para ir estimulando a capacidade curativa e de autorregeneração.

 

Também desenvolve terapias Shiatsu. Em que consistem?

PP - O shiatsu é uma terapia japonesa que consiste na massagem de determinados pontos no corpo através da pressão exercida pelas mãos e dedos (a própria palavra “shiatsu” pode ser traduzida literalmente por “pressão com os dedos”). Tal como a acupuntura, assenta no princípio da existência de canais energéticos no organismo (designados por meridianos) e de fluxos de energia vital (ki) responsáveis pelo equilíbrio e saúde. De acordo com a filosofia do shiatsu, quando estes fluxos são afectados, o organismo começa a revelar sintomas como dores musculares ligeiras, dores de cabeça ou problemas digestivos. Esta terapia permite restabelecer a harmonia no organismo. É uma das principais terapias manuais praticadas no Japão, e tem sido alvo de um interesse crescente na Europa e nos Estados Unidos, estando integrado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no grupo da Medicina Complementar e Alternativa. Os seus efeitos, sobretudo no alívio da tensão muscular, contribuem para que seja considerada uma terapia não invasiva que promove o bem-estar geral e ajuda a combater o stress e a dor. É, por isso, indicada como tratamento complementar em doenças reumatológicas – fibromialgia, artrose ou artrite reumatoide.

 

Qual a formação que fez para se dedicar a esta área?

PP - Presentemente detenho o curso profissional em Reflexologia Podal, que é a base da minha formação, frequentei um workshop em Shiatsu para lesões musculo-esqueléticas que me permitem, apenas, intervir em determinadas patologias e mediante protocolos terapêuticos previamente estipulados. Neste momento encontro-me a tirar o curso profissional em Auriculoterapia ou seja acunpuntura na orelha. O curso profissional que tenho, o que estou a tirar bem como o workshop foram todos tirados em regime presencial no IMT, Instituto de Medicina Tradicional, no Porto e em Lisboa. Este é um dos Institutos mais conceituados em Portugal no ensino das Terapêuticas não convencionais. 

O IMT é acreditado pela DGERT - Direcção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho consequentemente toda a formação que detenho é certificada pela DGERT que confere um Certificado de Formação Profissional emitido como previsto no SNQ – Sistema Nacional de Qualificações.

 

Era uma lacuna existente em São Miguel?

PP - Se era uma lacuna ou não, é muito relativo, independentemente do que existia e existe eu prefiro encarar-me como uma possível mais-valia, à semelhança de todas as outras valências e áreas de intervenção.

 

Como lhe surgiu o gosto por estas terapias?

PP - Comecei a entrar em contacto com a Medicina Natural ou Terapêuticas Não Convencionais em 2016 numa fase conturbada da minha vida e de grande convulsão interior e a verdade é que esse contacto permitiu-me não só ultrapassar essa fase como encarar de uma forma diferente a situação e a própria vida. Eu acredito que nós não crescemos na prosperidade e sim na adversidade, é a dificuldade e a insatisfação que nos compelem a mudar a nossa situação, a lutar pelo que queremos e achamos melhor. Eu aproveitei para tentar crescer na adversidade, hoje olho para trás e, inclusive, agradeço essa fase que, na altura,  me pareceu menos boa. Após perceber o potencial destas terapêuticas decidi dedicar-me a elas porque tal como elas me ajudaram eu poderia ajudar muitas outras pessoas.

 

Por cá, a sociedade está familiarizada com estas terapias?

PP - Por cá quando se fala em Medicina Natural, Tradicional Chinesa ou Técnicas Não Convencionais associa-se imediatamente à acunpuntura e é natural que assim seja pois esta está enraizada há muito tempo aqui na ilha. Tenho notado uma grande curiosidade em relação à Reflexologia e o feedback tem sido interessante pois normalmente quem experimenta recomenda, reconhece e volta.

É engraçado ver no fim da sessão a cara de admiração dos pacientes quando nos referem ter sentido calor numa zona do corpo, terem sentido os movimentos peristálticos ou simplesmente um relaxamento profundo quando estimulamos determinadas zonas nos seus pés. Ficam curiosos e perguntam a que órgão ou zona corresponde a área reflexa em determinada parte do pé e quando lhes respondo ficam estupefactos pois afirmam ter sentido, por exemplo calor no ombro quando estimulava precisamente a área reflexa do ombro nos seus pés.

 

Como se pode fazer para marcar uma consulta?

PP - As sessões são realizadas no SP Fitness Boutique na Rua São Francisco Xavier, 24 e as marcações podem ser efectuadas através do número 917 333 208, do e-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ou da página do facebook @terapeutapaulopacheco.

More articles from this author