Alojamentos turísticos dos Açores com mais de 80% de reservas canceladas

cama hotelEm Portugal, 78,4% dos estabelecimentos de alojamento turístico respondentes a um inquérito do INE assinalaram que a pandemia motivou o cancelamento de reservas agendadas para os meses de Março a Agosto de 2020 (estes estabelecimentos representam 90,4% da capacidade da oferta dos estabelecimentos respondentes).

A Madeira foi a região que apresentou maior peso de estabelecimentos com cancelamentos de reservas (90,4% dos estabelecimentos e 98,3% da capacidade oferecida), seguindo-se os Açores (86,7% e 96,5%, respectivamente), a Área metropolitana de Lisboa (84,3% e 93,6%, pela mesma ordem) e o Algarve (81,7% e 91,2%, respectivamente).

As medidas mais restritivas à mobilidade das pessoas poderão ter influenciado a maior taxa de cancelamentos que se verificou nas Regiões Autónomas. 

No segmento da hotelaria, os estabelecimentos com cancelamentos de reservas devido à pandemia COVID-19 representaram 92,0% do total (94,3% da capacidade oferecida). 

No alojamento local, estes estabelecimentos corresponderam a 74,2% do total (78,4% da capacidade oferecida) e no turismo no espaço rural e de habitação representavam 68,8% do total (74,1% da capacidade). 

 

Mercado nacional com mais peso nos cancelamentos nos Açores

 

Quando questionados sobre os principais mercados com cancelamentos de reservas (podendo cada estabelecimento identificar até 3 mercados), o mercado nacional foi o mais referido, tendo sido identificado por 60,8% dos estabelecimentos de alojamento turístico.

O mercado espanhol foi o segundo mais referido (49,4% dos estabelecimentos), seguindo-se os mercados francês (31,9% dos estabelecimentos), alemão (27,1% dos estabelecimentos) e britânico (24,1% dos estabelecimentos).

Na Região Autónoma dos Açores, o mercado nacional foi identificado por 83,9% dos estabelecimentos, seguindo-se o mercado alemão (54,0% dos estabelecimentos). 

De acordo com a estimativa rápida do INE, em Abril de 2020 o sector do alojamento turístico deverá ter registado 68,0 mil hóspedes e 193,8 mil dormidas, o que corresponde a variações2 de -97,1% e -96,7%, respectivamente (-62,3% e -58,7% em Março, pela mesma ordem). 

As dormidas de residentes terão diminuído 92,7% (-57,6% em Março) e as de não residentes terão decrescido 98,3% (-59,2% no mês anterior).