Mário Fortuna: “Ou há mais medidas ou vai haver mais desemprego e mais falências”

Mario Fortuna novaaa

Praticamente a terminar o Verão, os empresários fazem contas à vida e o balanço não é nada favorável. O líder dos patrões açorianos, Mário Fortuna, traça nesta entrevista o retrato da situação em que muitos empresários estão a viver, o cenário para o futuro nos próximos tempos e deixa uma série de recados aos políticos.

 

Praticamente a terminar o Verão, que balanço é que faz da actividade empresarial, especialmente no sector do turismo?

Este Verão foi de enorme sofrimento para o sector do turismo, na generalidade das actividades. 

Particularmente afectados foram os rent-a-car, os hotéis, as agências de viagens e a animação. São todas fortemente dependentes dos turistas externos que escassearam. 

Menos afectados, mas mesmo assim com valores muito fracos, foram as actividades de restauração. É o que na gíria se diz ser “um ano para esquecer”. 

Por meses, para muitas actividades, Maio e Junho foram de encerramento total, Julho abriu temeroso e Agosto deverá ficar-se por um terço ou menos do que era. 

O Verão foi pior do que o pior dos Invernos. E é nesta época que as empresas fazem o negócio que suporta o resto do ano.

Por ilhas, as que mais dependiam do mercado externo foram as que mais sofreram – S. Miguel e Terceira (mais de 90% das dormidas). As mais pequenas sempre recuperaram alguma coisa com a procura interna, mas ficaram muito aquém do ano anterior.

 

O que correu bem e o que correu menos bem?

Do que correu bem: O tempo esteve bom, a vontade de retoma dos empresários foi enorme e a esperança era muita. As ilhas pequenas animaram-se um pouco.

Do que correu mal: O medo continuou a condicionar as viagens; várias declarações de “habeas corpus” mancharam a imagem dos Açores; a mensagem para os potenciais visitantes foi ambígua e incompleta afastando muitos; a procura ficou muito aquém de valores animadores; os cenários de controlo e de testagem no aeroporto de Ponta Delgada foram calamitosos.

 

Ao nível dos apoios oficiais, houve correcções no decorrer destes últimos meses. Foi o que esperavam ou esperavam mais?

As correcções já esperávamos porque o nosso diagnóstico apontava para que fossem inevitavelmente necessárias. 

Ficaram foi muito aquém do que se pretendia. São demasiadas medidas, demasiado complexas e com intensidades que consideramos demasiado desadequadas das reais necessidades das empresas que se chegaram à frente para salvaguardar postos de trabalho e agora estão confrontadas com reaberturas quase compulsivas, mas sem clientes que as justifiquem.

 

Quando chegarmos ao final do ano e quando terminarem alguns dos apoios, nomeadamente ao nível do lay-off e das moratórias, o que é que vai acontecer?

Para alguns sectores ou vai haver mais medidas ou vai haver mais desemprego e muitas mais falências. Os indicadores já evidenciam que há menos empresas novas a serem constituídas e mais empresas a declarar insolvência. 

Os bancos deverão estar disponíveis para prorrogar, mais uma vez, as moratórias, mas esta não é solução de fundo. 

Carregar o endividamento quando os limites prudenciais já foram ultrapassados é como alimentar um abcesso que vai crescendo e minando o funcionamento do corpo.

As verbas para os Açores, decididas por Lisboa, se bem aplicadas, deveriam produzir um alívio.

 

Como é que é possível que a estatística oficial continue a dizer que baixou o desemprego nos meses da pandemia?

É uma questão de definição do que é um desempregado. Para se estar nesta categoria tem de se estar desempregado e a procurar emprego activamente nos 15 dias anteriores ao inquérito. 

Se as pessoas estiveram confinadas e não puderam procurar emprego estão, tecnicamente, excluídas do mercado de trabalho e não contam como desempregadas. 

Por esta razão, os activos do mercado de trabalho caíram em cerca de 7000 pessoas. Para além disso, de facto, o segundo trimestre apresenta menos 2400 pessoas empregadas quando comparado com igual período do ano anterior. Por esta razão a habitual taxa de desemprego aparece baixa. Mas há mesmo menos gente a trabalhar, claro!

 

Ao nível dos transportes, como interpreta as últimas medidas, nomeadamente a atribuição de milhões à Ryanair para continuar a operar em S. Miguel e Terceira?

O apoio que foi atribuído pela Turismo de Portugal é a continuidade do acordo inicial quando esta companhia iniciou a operação para a Terceira. 

Não foram criadas as condições de procura para que se dispensasse este apoio que é, invariavelmente, para a criação de mercado, trefa que esta empresa faz muito mais eficientemente do que os demais programas que as autoridades regionais têm implementado. 

O contrato programa para as ligações com Londres são mais uma iniciativa para a criação de mercado naquela origem. A Ryanair tem uma capacidade extraordinária de mobilizar passageiros para destinos e Londres é uma das suas bases principais. Faz sentido numa perspetiva de criação de mercado. Ter os Açores nas plataformas de informação e reservas da Ryanair vale muito. Poucas outras empresas poderiam oferecer um desempenho equivalente

 

E o papel da SATA, depois desta pandemia e das exigências da Comissão Europeia, qual será?

Sendo a posição final da Comissão uma incógnita, neste momento, importa saber qual deve ser a nossa posição sobre o assunto – queremos continuar a alimentar défices de exploração da ordem dos 50 milhões de euros por ano ou queremos uma empresa equilibrada e competitiva a servir-nos? 

Acho que a resposta é óbvia. 

A empresa tem de ser reestruturada para poder servir os Açores nas ligações internas e nas externas. 

Se o custo for demasiado elevado em face de outras alternativas a empresa deve ser reduzida ao que é sustentável. 

Penso que o que a Comissão Europeia vai exigir é a manifestação concreta desta sustentabilidade na empresa no seu todo e/ou nas suas partes componentes.

 

Estamos a poucos meses das eleições regionais. O que espera das propostas dos partidos na área empresarial e económica?

Temos um envelope grande para afectar a várias estratégias e actividades: 198 milhões para os danos do Lorenzo (verba que já nos tinha sido prometida pelo Governo da República); 835 milhões para mitigar o impacto da Covid-19; Cerca de 1359 milhões nos fundos da coesão; verbas adicionais do POSEI e; verbas adicionais de outros programas de aplicação directa.

Alguns partidos já manifestaram receptividade para a mudança de paradigmas que, de facto, possam mudar o nosso futuro num sentido de maior sustentabilidade. Outros mantêm-se apegados a ideias ultrapassadas que não produziram o desenvolvimento desejado no passado.

Esta é uma nova oportunidade que não podemos perder, outra vez. 

Os cidadãos terão a palavra sobre o futuro. 

 

Foi um dos principais dinamizadores da plataforma de cidadania que propôs alterações ao sistema eleitoral. Como vê a atitude do parlamento em suspender qualquer proposta legislativa no âmbito da reforma da autonomia, depois de três anos de CEVERA?

O progresso das sociedades depende muito da qualidade das suas instituições reflectido, em muito, no empenho dos cidadãos nos seus processos. 

O Parlamento dos Açores e todo o edifício de organização política, baseada exclusivamente em partidos, está a revelar-se uma instituição má, a julgar pelo alheamento que criam na maioria dos cidadãos. 

O desfecho dos trabalhos da CEVERA é a evidência completa de uma instituição doente e que serve mal a população. 

É um exemplo que vem do parlamento, mas haverá outros que se evidenciam na desvalorização desta instituição nos processos políticos. 

As disputas partidárias assumiram-se como um fim em si mesmas e não como processo para a melhoria da qualidade de vida económica, social e política da generalidade dos cidadãos ou mesmo para a melhoria da autonomia, nas suas várias valências.

O trabalho dessa Comissão acabou por alimentar apenas as clientelas que fingiram trabalhar para produzir alguma coisa para, no final, deixar tudo na mesma. 

 

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.