BES dos Açores apresentou resultado positivio de 876 mil euros em 2011

Num comunicado divulgado pelo BES dos Açores, a instituição bancária avançou que, no ano transacto, teve um Resultado Líquido positivo, depois de Provisões e Impostos, de 876 mil euros.

As Provisões para Crédito e para Imóveis totalizaram cerca de 4,2 milhões de euros, conforme pode ler-se no documento.

No entanto, a transferência de valores do Fundo de Pensões para o Estado "originou um impacto negativo no resultado deste exercício de cerca de 500 milhares de euros", informa o Banco. Já, relativamente aos impostos correntes a liquidar, perfizeram um total de cerca de 1,1 milhões de euros.

Durante o ano de 2011, assistiu-se a um agravamento do crédito vencido, tendo o banco reagido com um reforço de provisões na ordem dos 3 milhões de euros que, respeitaram, segundo a instituição bancária, "escrupulosamente todas as exigências legais e orientações do Banco de Portugal."

Com esta política de reforço de Provisões, a instituição garante que no futuro estas possam retornar ao Balanço como Resultado, já que foram constituídas para créditos, na sua maioria, com garantias reais. Paralelamente, o Banco está, presentemente, a constituir Provisões para fazer face à desvalorização que nesta conjuntura se assiste relativamente ao património dado como garantia real ao crédito concedido.

Os Depósitos foram muito influenciados pelos Depósitos a Prazo (+10,3%), ao passo que o crédito concedido decresceu 0,9%.

Em 2011, o BES reduziu ainda os Custos Operativos em 3,6%, "variável estratégica para, apesar de tudo, apresentarmos um Resultado Líquido positivo."

O Activo Liquido do Banco passou de 555,4 milhões de euros em 2009 para 569,7 milhões euros em 2011.

Este resultado líquido de 876 mil euros corresponde a cerca de 5% do Capital Social do Banco.

Actual conjuntura económica

Devido à actual situação em que se encontra o País, o BES dos Açores realizou em 2011 várias iniciativas comerciais junto dos clientes, em parceria com as entidades públicas, em especial com o Governo Regional, Câmaras Municipais e Empresas Públicas. Foram assinados vários protocolos com empresas e instituições, tendo sido possível apoiar diversas iniciativas de carácter social e cultural, de modo a promover o desenvolvimento económico da Região.