Hotéis dos Açores com taxas de ocupação de 85% em Julho? Só se for um milagre...

turistas1O delegado dos Açores da Associação de Hotelaria de Portugal (AHP) afirmou ontem que os hotéis da região estão este mês com taxas de ocupação a rondar os 85 por cento, havendo um “acréscimo significativo” de turistas estrangeiros.
“Neste mês de julho direi que todos os hotéis estarão com taxas de ocupação de cerca de 85 por cento”, especifica Humberto Pavão em declarações à agência Lusa.
O hoteleiro sustenta que em termos comparativos com o ano passado, deverá haver um “acréscimo significativo” de turistas oriundos do mercado estrangeiro, mas “resta saber” se em número suficiente para “colmatar a falha” do mercado nacional.
“Foi lançada pelos Açores uma campanha nacional destinada aos agregados familiares que está a registar algum sucesso mas que não está a gerar os números que o mercado nacional gerava anteriormente”, declara.
Humberto Pavão explica que “nesta época do ano o mercado nacional representa 40 por cento do fluxo turístico para os Açores e o estrangeiro os restantes 60 por cento. O mercado nacional será sempre o mercado tradicional dos Açores mas com a crise está a registar-se uma quebra. Trata-se de um mercado que está perto e que está seguro, mas temos de procurar alternativas porque não podemos ficar parados à espera que a crise passe”, defende.
Humberto Pavão sublinha que “é sem dúvida importante” procurar novos espaços a nível internacional porque os Açores ainda têm “bastante espaço para crescer”.
O responsável pela AHP nos Açores revela que se tem vindo a registar “um aumento bastante interessante” da procura da região por parte do mercado dos EUA e Canadá. “No entanto, a região está limitada na capacidade de transporte aéreo, daí a necessidade de realização de mais voos por parte da SATA ou outras operadoras, sendo que a concorrência seria bem-vinda”, salvaguarda.
Na leitura de Humberto Pavão, há que “continuar a incrementar” a “notoriedade” dos Açores nos destinos internacionais para que a procura “aumente cada vez mais”.
A notícia foi difundida assim na maior parte dos OCS e nas redes sociais foi declarada como “excelente”.

Mas será mesmo?

À Antena 1,  Humberto Pavão foi mais recatado, afirmando que a ocupação seria “superior a 80%, portanto mais ou menos igual ou ligeiramente melhor que no ano passado, com a diferença que tem muito mais estrangeiros que o mercado nacional”.
O facto, no entanto, é que os valores avançados não têm qualquer paralelo com o que se viveu no ano passado. Para atingir uma taxa de ocupação para o mês de 85%, o número de dormidas nos Açores teria de crescer cerca de 44% no caso da hotelaria tradicional, com um aumento de cerca de 64 mil dormidas, ou cerca de 71 mil dormidas no total de dormidas (incluindo todas as restantes formas, como turismo rural e campismo), com um aumento de 40%.
Por outro lado, em Julho do ano passado a percentagem de dormidas de estrangeiros neste mês foi de quase 70% do total (30% para o nacional), um seja, uma diferença enorme, não sendo perceptível que possa aumentar ainda mais.
Recorde-se que Humberto Pavão foi um dos responsáveis que afirmou que as greves da SATA iriam resultar em pesadas perdas no sector, o que não se confirmou com o aumento de 11% das dormidas no mês de Maio.

CCIPD cautelosa

Aliás, o responsável pela Mesa do Turismo na Câmara do Comércio de Ponta Delgada, Horácio Franco, parece desmentir todo esse optimismo. Ele, que foi o primeiro a avançar uma perda de 10 milhões de euros pelo sector devido às greves (quando na realidade a hotelaria conseguiu um aumento de 1,17% nesse período), considera que as perspetivas no setor “não são muito animadoras” face ao cenário de crise em toda a Europa. “Mas estamos optimistas face ao aumento do mercado estrangeiro. Foram divulgados valores [estatísticas regionais] que nos deixam alguma esperança que o ano não vai ser tão mau como perspectivamos inicialmente”. Segundo a LUSA, o dirigente da CCIPD diz que o mercado nacional vai “penalizar”, mas menos do que era esperado no início de 2013, o que deu um “alento” ao sector do turismo.
E que “estão lançados os dados para que tenhamos aqui novos valores no final da época alta. Não vamos recuperar para valores que já tivemos mas serão muito mais positivos do que no ano transacto”, conclui o dirigente da CCIPD.
O facto é que desde pelo menos 2003 nunca a taxa de ocupação atingiu sequer os 65% nos Açores.  Num cenário urgentemente a necessitar de boas notícias, parece que qualquer pão com cheiro é considerado uma boa refeição. O problema é que os números são números...

 

tabela dormidass