“Renda” da Scut atinge 25 M€ em 2014, com aumento de 31% em relação a 2013

  • Imprimir

scutA “renda” pela Scut do Nordeste no ano de 2014 será a maior até ao momento, com um total de 25 milhões de euros projectados na proposta de Plano como  “Rendas da concessão rodoviária e Assistência técnica e jurídica” (que é a mesma terminologia utilizada no Plano de 2013). Trata-se de um aumento de 31% em relação à “renda” do corrente ano.
Como já acontece desde 2012, quando essa “renda” começou a ser paga, a Scut representa mais de 99% do total da rúbrica de “Construção de estradas regionais”. O remanescente em 2014 será de 225 mil euros (94 mil em 2013 e 194 mil em 2012). Como medida de comparação, considere-se que em 2011 a verba dessa rúbrica tinha sido de 2,1 milhões de euros, 5,9 milhões em 2010 e 7,6 em 2009. Por outras palavras, não haverá qualquer construção de monta ao nível das estradas regionais nesta rúbrica – e será assim pelo 3º ano consecutivo.
Em relação à “Reabilitação de estradas regionais”, os cortes são significativos. De médias acima dos 12 milhões de euros antes de 2012, em 2013 passou-se para apenas 6,3 milhões de euros, e será de 6,6 milhões em 2014.
Por outro lado, juntando estas duas rúbricas, há um aumento significativo da factura a pagar. De 15,7 milhões de euros em 2011, o seu custo saltou para 35,4 milhões em 2012. No ano de 2013 baixou para 25,5 milhões, graças à quebra para metade da “reabilitação de estradas regionais”, mas em 2014 atingirá os  os 31,9 milhões de euros.
Ou seja, trata-se de um aumento de 74% em relação à média dos anos de 2009 a 2011, quando ainda não havia Scut. Faltam mais 27 anos para a obra ficar paga…

quadro scuts